Gastos com apagão no Amapá serão embutidos na conta de luz

Ministério de Minas e Energia autorizou contratação emergencial de usinas térmicas; Estado está sem energia desde o dia 03 de novembro

Jornal GGN – Todos os consumidores do país vão arcar com uma parte das despesas para retomar o fornecimento de energia no Amapá, por conta da contratação emergencial de usinas térmicas com o aval do Ministério de Minas e Energia.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, os custos serão embutidos na conta de luz por meio do Encargo de Serviços do Sistema (ESS), e será rateada entre os consumidores atendidos pelas distribuidoras, como os residenciais, e pelos que operam no chamado mercado livre, como indústrias.

O valor final do encargo vai depender da quantidade de energia, do tempo em que o acionamento será necessário e do custo de combustível que será usado pelas usinas.

A medida consta de portaria publicada pelo Ministério de Minas e Energia no último dia 06 de novembro. Por conta da situação de calamidade pública no Amapá, o governo federal deu aval para a Eletronorte, subsidiária da Eletrobrás, atuar no restabelecimento do serviço, e o ministério autorizou a empresa a contratar “de forma célere, excepcional e temporária” até 150 MW por até seis meses ou quando houver reconhecimento de condição satisfatória de atendimento ao Estado.

 

Leia Também
Autoridades sabiam do risco de apagão no AP, diz jornal
Amapá deve registrar mais dias de racionamento de energia
Santana, um município sem energia, sem água e no meio da lama, no Amapá
Nove dias de apagão desespera população do Amapá, que faz novos protestos
Apagão no Amapá e a necessidade de uma estatal forte, por Rita Dias
Eleições no Macapá (AP) são adiadas em função do apagão
Privatização e o apagão no Amapá, por Paulo Kliass
Os relatos de Rafael Senra sobre a situação no Macapá (Amapá)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 comentários

  1. O neoliberalismo tupiniquim de paulo jegues é prodigioso: privatiza os lucros e socializa os prejuízos. Se houvesse um pingo de decência e capacidade no desgoverno bozo, o auxílio emergencial dobrado e a conta dos gastos do apagão seriam pagos pela concessionária, que depois tomaria um pé na bunda. Aguardamos a próxima manifestação cascateira de elena landau (empregada dejp lehmann, o sinsitro) sobre as maravilhas da privatização de empresas estratégicas

  2. Mas o problema não era na distribuição? Agora virou um problema na geração de energia? 6 meses?
    Tá cheirando mais uma maracutaia dos competentes milicos milicianos.

  3. Prejuízo pequeno para os contribuintes considerando a pequena e privatizada distribuidora do Amapá.
    Quando da privatização da Eletrobras, suas nefasta previsíveis consequências, nos os consumidores teremos que emprestar dinheiro da banca para pagar os prejuízos da falta de dividendos dos acionistas.
    A regra está definida.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome