General Heleno faz ameaça velada ao STF após pedido de apreensão do celular de Bolsonaro

Em nota, general afirma que se a apreensão de celular de Bolsonaro for efetivada, haverá "consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional"

Jornal GGN – O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, divulgou uma nota oficial na tarde desta sexta (22) que soou com uma ameaça velada ao Supremo Tribunal Federal.

A investida ocorreu após o ministro Celso de Mello encaminhar à Procuradoria-Geral da República alguns pedidos, feitos por deputados, de apreensão aos celulares de Jair e Carlos Bolsonaro.

Os pedidos ocorreram no âmbito do inquérito que apura se houve interferência na Polícia Federal em proveito da família presidencial, segundo denunciou o ex-juiz Sergio Moro ao sair do Ministério da Justiça.

Cabe à PGR analisar se pedirá ou não a apreensão dos aparelhos telefônicos, mas a mera possibilidade disso acontecer foi classificada por Heleno como “inadmissível”.

Na nota, o general escreveu que se a apreensão for efetivada, haverá “consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional.”

Ele também cravou que se trata de uma interferência indevida de outro Poder – no caso, o Judiciário – na presidência da República.

“(…) caso se efetivasse, seria uma afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro Poder, na privacidade do Presidente da República e na segurança institucional do País.

O recado de Heleno virou assunto nas redes sociais. A jornalista Mônica Bergamo classificou o texto como “ameaça velada”. O jornalista Kennedy Alencar avaliou como um claro discurso golpista.

“Discurso golpista e de desobediência à Justiça. É inaceitável tutela militar numa democracia. Até quando esses generais golpistas vão continuar enfraquecendo a democracia? Instituições já deveriam ter reagido a essa ameaça autoritária. Omissão resultará em maior enfraquecimento”, escreveu Alencar.

 

17 comentários

  1. Absurdo, inadmissível repulsivo e revoltante é a indevida e a fala própria de generalete de república bananeira , desse senhor, em sua tentativa imoral de resguardar seu chefe desqualificado e sem compostura,
    João Carlos Bezerra de Melo – Rio de Janeiro (austorizo ampla divulgação)

  2. O requerimento de apreensão do celular do Presidente da República não apenas é concebível como, dentro da lei, plenamente aceitável.

    Caso se efetive, é a expressão da regulação dos atos de uma das autoridades máximas do país à Lei e à expressão da independência dos poderes, uma vez que os atos presidenciais são públicos.

    O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República deve se instruído e orientado, do modo mais inteligente e simplificado possível – facilitando seu entendimento – que tal atitude é uma evidente ação de harmonia entre os poderes – cada um agindo onde a Lei expressa e limita -, trazendo desejáveis consequências na ordem institucional

  3. A questão toda é: não se pode investigar um Presidente no cargo.
    A camara deveria ter votado e tirado ele, ou não.
    Mudaram esse entendimento por causa do Temer e a meu ver o STF errou.
    O Heleno é tosco, mas realmente não dá pra fazer uma investigação séria e correta com um Presidente no cargo.

    1
    1
    • Por que?
      Nixon foi investigado no cargo. Reagan foi investigado no cargo. Clinton foi investigado no cargo.
      Qual a sua lógica? Dogma? Deus proíbe? Bozo acima de todos?
      Ou só pode na sede, na filial não pode?…

  4. Passa da hora daqueles militares que se disfarçam de democratas, assumam perante o mundo o viés autoritário que os permeiam, sejam homens e não capitães do mato de nossos colonizadores seus covardes.

  5. O escroto é que tem gente do exercito pressionando o stf há muito. Estão lá dentro como aspones tentando subjugar o stf aos desmandos deste desgoverno.
    Bozo tem que sair pois é um pária incompetente, para ficar no mínimo, e o exército (basicamente a força ávida por dinheiro e poder) deve se limitar às suas funções constitucionais.
    O estranho é que nao vejo o exército engajado em causas que nao sejam proprias. Agora,.na pandemia, não os percebo na linha de frente em auxilio ao corpo de saude, só sentados no MS onerando a folha de pagamento. Vale lembrar também que outrora, nos momentos mais criticos das ocupações no RJ, que foram nos momentos iniciais (Alemão por exemplo), o que se viam eram os fuzileiros navais na linha de frente, seguidos por PMs. Só muito mais tarde, já no ocaso das UPPs, vimos o exército nos arredores de algumas comunidades e por fim na “intervenção”, que nao serviu pra nada salvo pavimentar o rj para eleger estes trastes que hoje destroem a democracia.

  6. Nassif: dia desses te escrevi dizendo que, sobre VerdeSauvas, ficaria bicocalado. Mas os caras não deixam. Provocam o quanto podem. Calar sobre a ameaça desse general é ter sangue de barata. Vamos lá. Como dizem os divogadis, “ad agumentandum tantum”, caso a ameaça vingue (vindo de onde vem), um F-16 dos AzulSauvas dará rasante e a 300m de altura da Corte quebrará a barreira do som. É o “salve” (como os Milicianos do Tanque) pro Cabo e o Sargento, que estarão na campana, invadirem o Çupremu e berrarem pra todos (principalmente juristas) — “Teje preso”. Em seguida, naqueles caminhões enormes, embarcarão funcionários e juristas que serão levados prum ermo da CidadeSatélite (Tabatinga etc) onde containers cedidos pela Embaixada do dono do Quintal onde moramos recepcionará o pessoal do Judiciário. Enquanto isso por toda Pindorama a borracha tará livre leve e solta no lombo da povalha. Como no tempo da DitaMole, lembra? E num tem dessa de “tragédia e farsa”. O pau vai comer ipsis litteris, com naquele primeiro de abril de 1964…

  7. Quando as FFAA e o POVO brasileiro (parte fica “alvoroçada”) vão entender que elas não são SEQUER um PODER institucional?!
    Os poderes são TRÊS e os militares estão SUBORDINADOS ao poder CIVIL por eles (3) representados, hierarquicamente, em tempos normais, ao Executivo, que no entanto não tem poder sequer para colocá-lo em guerra sem a autorização do Parlamento.
    Não existe “poder” moderador ou tutelador, a menos de golpe bananeiro pelas armas.
    O bozismo sempre desvia o foco, que é:
    O (des)presidente da república COMETEU CRIME(s)? (se sim, é GRAVÍSSIMO!)
    O povo brasileiro está tão acostumado a golpes e autoritarismo que acha que o poder “maior”, o que está “por cima de tudo”, o “último recurso” é o poder militar, que (SEMPRE SUBORDINADO ao poder CIVIL) é armado eminentemente para defesa externa do país e não para o papel SECUNDÁRIO de “GLO” (interna), SE (e somente se) as instituições de segurança (polícias) não surtirem seus efeitos institucionais.
    Onde ficam os que dizem que “NINGUÉM ESTÁ ACIMA DA LEI!”.
    Ou os que celebraram não só o grampo ilegal e, pior, divulgado em rede nacional no mesmo dia?
    Sabemos que estes estão apoiando o memorando “augusto”, este sim, ameaçando as instituições.
    A reação a tal atitude é:
    1) O STF solicitar judicialmente, de imediato, esclarecimento e/ou retratação do Gal. Heleno.
    2) Caso se negue, definir e executar a pena legal apropriada.
    O STF É a instituição legal para julgar os membros dos demais poderes e o LEGISLATIVO tem poderes para impugnar o mandato do EXECUTIVO.
    Portanto, não há nenhuma interferência ilegal entre os poderes a ser sequer criticada, quanto mais gerar ameaças.
    Enquadre-se sem demora o general pelo devido PODER CIVIL.

  8. Essas cadelas não vão largar o osso sem rosnar e ameaçar.
    As cadelas rosnam mas a caravana não se derem

    O Onyx disse que estão vendendo o Brasil enquanto dorme a nossa pátria mãe tão distraída sem perceber que é subtraída por milicianos inescrupulosos e insaciáveis

    Vão mamar numa porca, seus cafajestes de bosta

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome