Governo Bolsonaro estuda construir nova estrada na Amazônia

Projeto é continuação da BR-364; rodovia teria 152 km de extensão e ligaria Cruzeiro do Sul, no Acre, à fronteira com o Peru

Jornal GGN – Enquanto o presidente Jair Bolsonaro repudia as manifestações contra o desmatamento da Amazônia, o projeto de abertura de uma nova estrada pelo coração da floresta está em andamento.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, a rota de 152 quilômetros ligaria a cidade de Cruzeiro do Sul, no Acre, à fronteira com o Peru, onde a rodovia se ligaria à cidade de Pucallpa.

O traçado passaria por cima do Parque Nacional da Serra do Divisor, uma área de proteção integral e, atualmente, dono da maior biodiversidade de toda a região – estudos do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) apontam a existência de várias espécies de árvores raras na região, como mogno, louro, virola e cerejeira.

O estudo para a abertura dessa estrada está em análise pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), órgão ligado ao Ministério da Infraestrutura que cuida das estradas federais.

O governo de Jair Bolsonaro defende o projeto, que daria continuidade à BR-364, afirmando que seria uma nova rota para escoamento de produção – contudo, já existe outra rota fazendo a ligação entre Brasil e Peru: a Estrada do Pacífico, a partir de Rio Branco (AC) e que dá acesso à região sul do Peru.

 

 

Leia Também
Apesar do discurso no Brics, foi Bolsonaro quem flexibilizou regras para exportação de madeira
A Amazônia está perdida, o que podemos fazer salvá-la?, por Fábio de Oliveira Ribeiro
Plano para controlar ONGs na Amazônia provoca reação da sociedade civil
A água queima na Amazônia, por Dal Marcondes
Instituições financeiras norte-americanas investiram mais de US$ 18 bilhões em empresas ligadas a violações de direitos indígenas na Amazônia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  No lugar do auxílio, governo quer emprestar para informais que puderem pagar  

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome