Governo Bolsonaro tenta conter danos após sinalizar privatização de UBS

No dia seguinte à divulgação de decreto, Planalto joga dúvidas para Economia e diz que medida não representa uma decisão tomada

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O governo de Jair Bolsonaro voltou a usar a política de contenção de danos, e jogou a crise gerada pelo decreto que inclui unidades básicas de saúde dentro do escopo do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) no colo do Ministério da Economia.

Em nota divulgada nesta quarta-feira (28/10), a Secretaria-Geral da Presidência diz que “a medida não representa qualquer decisão prévia, pois os estudos técnicos podem oferecer opções variadas de tratamento da questão, que futuramente serão analisados pelo governo federal”, e recomenda que as questões sejam encaminhadas ao Ministério da Economia.

Assinado pelo presidente Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, o decreto publicado no Diário Oficial desta terça-feira (27/10) prevê a realização de estudos “de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de unidades básicas de saúde”.

Isso coloca a atenção primária – a porta de entrada do SUS (Sistema Único de Saúde) – dentro do escopo de concessões e privatizações do governo federal, o que abre o temor de “privatização” da área, mesmo que o acesso à saúde pela população seja uma cláusula pétrea da Constituição brasileira. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

 

 

Leia Também
Dilma: “Bolsonaro quer entregar a saúde pública aos planos privados”
SUS em risco: Governo assina decreto de parcerias privadas em Unidades Básicas de Saúde
Coronavírus: OMS pede que o mundo ‘não desista’ por surgimento da segunda onda

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Total de congressistas eleitos em eleições municipais é 60% menor

2 comentários

  1. Privatizar prédio público de uso inevitável, no mínimo é correr o risco – se não já intencional – de ter que pagar aluguéis pra sempre.

  2. Acho que a medida é consequência da eficiência dos planos privados de saúde no combate a Covid. Não gastaram um centavo sequer. Não deixa de ser interessante ver a economia travada por uma pandemia sendo que os agentes econômicos não se mostraram capazes de formular uma ação. Ou aquela tão decantada eficiência é só para ganhar dinheiro sem resolver problemas?
    Mas os planos de saúde ganharam muito dinheiro, sem resolver nada, medicina curativa cara, e que vão perder, em breve, um bom contingente de segurados devido à saúde da economia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome