Governo usa pandemia para retomar reforma trabalhista

Autoridades querem discutir impacto do coronavírus no mercado de trabalho – em especial sobre os informais e a liberdade sindical

Fachada do Ministério da Economia. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O governo de Jair Bolsonaro aproveitou a pandemia do coronavírus para retomar os debates em torno de uma nova reforma trabalhista e sindical, de olho nas perspectivas pós-pandemia e abordando medidas para os trabalhadores informais.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, o Gaet (Grupo de Altos Estudos do Trabalho) retomou suas atividades. Composta por ministros, desembargadores, juízes, advogados e economistas, as ideias giravam em torno de fechar uma proposta de reforma com o menor número possível de brechas para questionamentos legais e, assim, finalizar a reforma  trabalhista de Michel Temer (MDB).

Antes da pandemia, o grupo havia discutido temas como índice de correção de dívidas trabalhistas, limitação de indenização para os danos morais e pluralidade sindical. Como mudanças nas legislações trabalhista e sindical dependem de apoio no Congresso, o governo também quer avaliar a viabilidade política.

O Ministério da Economia promete encaminhar ao Congresso uma reformulação das regras sindicais, com o objetivo de flexibilizar as regras atuais. Contudo, o ponto de partida seria acabar com a unicidade sindical, além de acabar com o registro sindical.

 

Leia Também
Cidadão, não! Escravo contemporâneo, pior que o antigo e o moderno, por Álvaro Miranda
As estatísticas do setor automobilístico ainda não mostram fundo do poço, por Luis Nassif
Temer agora diz que impeachment “virou moda” e não vê “utilidade” contra Bolsonaro
Do Banestado à Lava Jato: um dossiê sobre o passado de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Pais, professores e médicos são contra volta às aulas sem controle da pandemia

3 comentários

  1. “Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, o Gaet (Grupo de Altos Estudos do Trabalho) retomou suas atividades. Composta por ministros, desembargadores, juízes, advogados e economistas )…”.
    Nada como um golpe, sempre vindo de cima.
    Uma das preocupações da turma é como reduzir a judicialização.
    Claro, do jeito mais fácil: retirando direitos. Sem direitos, não há do que reclamar na Justiça.
    E a CUT, com seu silêncio cúmplice e/ou fala pelega protocolar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome