Hildegard Angel recebe certidão de óbito da mãe e do irmão, mortos pela ditadura

Documentos que apontam "morte não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro" durante os anos de chumbo foram encaminhados durante a gestão de Eugênia Gonzaga na Comissão sobre Mortos e Desaparecidos Políticos

Jornal GGN – A jornalista Hildegard Angel recebeu, na sexta (6), as certidões de óbito do irmão, o estudante Stuart Angel, e da mãe, a estilista Zuzu Angel, mortos pela ditadura militar. A informação foi divulgada pela colunista da Folha Mônica Bergamo, nesta segunda (9).

Quase 50 anos depois, os dois documentos fazem constar que a morte de Stuart e Zuzu não foi “natural”, mas “violenta, causada pelo Estado brasileiro, no contexto da perseguição sistemática e generalizada a população identificada como opositora política ao regime ditatorial de 1964 a 1985.”

Stuart foi preso e torturado até a morte na base aérea do Galeão, no Rio, em 1971, e Zuzu morreu cinco anos depois após um acidente de carro planejado pela ditadura, lembrou Bergamo.

A certidão é obra da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos sob a presidência da procuradora Eugênia Gonzaga, afastada do cargo em agosto passado, depois que ela cobrou explicações ao Planalto sobre os ataques de Jair Bolsonaro à memória de outras vítimas da ditadura.

“Foi com Eugênia que a coisa realmente andou. É irônico que o processo tenha terminado nesse governo”, disse Hildegard à coluna.

O GGN prepara uma série de vídeos explicando a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar esse projeto? Acesse www.catarse.me/LavaJatoLadoB e saiba mais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora