Impasse pode levar processo contra Lula à prescrição

Operação Lava-Jato acusa ex-presidente de receber R$ 12 milhões em propinas para compra de terreno que sedia Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Reprodução

Jornal GGN – A ação penal em que a Operação Lava-Jato acusa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de receber R$ 12 milhões em propinas da Odebrecht, dinheiro esse que teria sido usado para comprar um terreno oferecido ao Instituto Lula, pode cair em prescrição.

Segundo o jornal Correio Braziliense, o processo por crime de lavagem está na fase das alegações finais, e encontra-se travado desde que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski determinou que a 13ª Vara Federal de Curitiba compartilhe com a defesa do petista a íntegra da documentação relacionada ao acordo de leniência, com valor estimado em R$ 3,8 bilhões, fechado entre a construtora e a força-tarefa junto com autoridades dos Estados Unidos e da Suíça.

O impasse a respeito de tal material se alonga desde 2017, quando os advogados do ex-presidente começaram a entrar com sucessivos pedidos para ler toda a documentação.

Mesmo após a ordem recente de Lewandowski, a defesa sustenta que a íntegra não foi disponibilizada e acusa o juiz federal Luiz Antonio Bonat e os procuradores da força-tarefa da Lava Jato de esconderem documentos.

As acusações levaram o ministro do Supremo a pedir a abertura de uma apuração na Corregedoria do Ministério Público Federal para saber se os registros estão sendo de fato “suprimidos”.

 

Leia Também
Vaza Jato – os bastidores das reportagens que sacudiram o Brasil, por Fábio de Oliveira Ribeiro
Lewandowski reafirma direito de Lula aos documentos retidos pela Lava Jato

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Edson J

- 2020-11-29 21:41:26

Já era óbvio que a acusação contra Lula no caso de um suposto terreno que NUNCA foi dado ao Instituto Lula era falsa, carente de prova objetiva. A recusa dos desocupados de Curitiba em obedecer ao Supremo e dar conhecimento à defesa de Lula de documentos que PROVAM a sua inocência não deixa margem a qualquer dúvida.

guilherme nobre

- 2020-11-29 16:42:29

O que mais reta, é o tal do ministro ricardo, nessa altura do campeonato, tentando dourar a pílula, patético.

[email protected]

- 2020-11-29 14:58:29

Tenha a santa paciência GGN! Que a mídia golpista, a partir de matéria do Estadão no caso, tente desinformar, vá lá, mas o GGN apenas repercutir já é demais. O 'impasse', trata-se da recusa dos lavajateiros de Curitiba em facultar acesso à defesa de Lula aos documentos da delação premiada da Odebrecht, com os ex-intocáveis insistindo em que já liberaram tudo, quando na realidade aqueles documentos suspeitos de terem sido manipulados pela Odebrecht, salvo engano no Drousis, eles escondem, daí o TSF exigir que disponibilizem e eles se fortundo, a ponto do Lewandovsky vincular o prosseguimento do 'processo do terreno para o Instituto Lula' a disponibilização de toda documentação relativa a delação Odebrecht à defesa.

Carlos Guilherme Pfau Lenz

- 2020-11-29 14:31:17

Deixa prescrever... Isso !!! Assim eles nunca vão saber o que realmente "aconteceu"... A corrupção da lava jato et caterva não tem limites... Cadeia para "procuradores, juízes e toda malta de asseclas desta máfia"

Lucinei

- 2020-11-29 14:30:03

Caramba... Querem é que o Lula morra! O antipetismo JAMAIS aceitará qualquer coisa que pareça inocentaçao do "demônio de nove dedos".

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador