Investigação contra Flávio Bolsonaro esbarra em rastreio de dinheiro vivo

Mais da metade dos recursos que foram supostamente repassados a Fabrício Queiroz não entraram na conta bancária do senador

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) tem esbarrado em um obstáculo importante: a identificação de repasses de recursos ilícitos por meio de dinheiro vivo.

Segundo informações do jornal O Globo, mais da metade dos R$ 4,2 milhões colocados à disposição do grupo do filho do presidente Jair Bolsonaro foram repassados em dinheiro vivo ao policial aposentado Fabrício Queiroz, mas o MP-RJ não chegou a detalhar como as entregas eram feitas.

A Promotoria chegou a identificar o repasse de R$ 2,08 milhões nas contas do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, enquanto outros R$ 2,15 milhões estão ligados a repasses acima de R$ 500 das contas dos ex-assessores envolvidos no esquema.

Também está em andamento a apuração sobre possível lavagem de dinheiro por meio da loja de chocolates em que o senador é sócio – o valor pode chegar a R$ 1,6 milhão.

No caso das operações envolvendo Queiroz, o Ministério Público descreve um total de R$ 1,7 milhão em transações com dinheiro vivo, seja por meio do pagamento de despesas pessoais ou depósitos feitos na conta do então deputado ou de sua esposa, Fernanda. Boa parte da identificação dos depósitos efetuados na conta de Queiroz precisou ser feita de maneira manual.

A denúncia contra o filho do presidente Jair Bolsonaro está relacionada ao desvio de R$ 6,1 milhões em recursos públicos, o que corresponde ao salário de 12 ex-assessores supostamente envolvidos no esquema de “rachadinha” – e que o MP-RJ afirma serem funcionários fantasmas. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

 

 

Leia Também
Interferência da Abin na defesa de Flávio Bolsonaro pode ser confirmada com quebra de sigilo
Ministro defende investigação independente no caso Flávio Bolsonaro
STF manda investigar ABIN; PSB e Rede querem Ramagem fora, por Marcelo Auler
PGR tem 30 dias para informar andamento do caso Abin
Matérias sobre Abin e Flávio levam Jair Bolsonaro a atacar imprensa

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 comentários

  1. Quem ainda leva a sério essas “investigações”, meu deuxxx?! Se quisessem apurar, punir já teriam feito. Essa conversinha já tem mais de dois anos, uma malandragem descarada…

    A única duvida que resta é se prevalece a cumplicidade ou a intimidação desses órgãos responsáveis pela administração da “justiça” (Polícia, MP, Judiciário, Receita…)

  2. É o próprio ministério público que está arrumando desculpas, ou é o veículo de comunicação que está justificando o caminho pro fim do caso? Provável que seja os dois. E nós aqui vendo este vai vem como bobões.

  3. Num país onde um ex-presidente com ótima reputação nacional e internacional, governo de ótimos resultados para todos e a melhor avaliação da História medida por institutos de pesquisa “opositores”. é condenado a mais de década por “fatos indeterminados”, qual o nível de detalhe que crimes pra lá de escancarados desta infame “clã” zero à esquerda precisará para gerar condenação?
    Rastrear dinheiro? Eles que demonstrem que o que gastaram e pagaram em dinheiro registrado em cartório demonstrem de onde veio.
    Ou cana de mais de década, pois o valor é maior do que o total com obras e decoração de um apto. mequetrefe (alçado a mansão suspensa de luxo) somado ao uso de um sítio regularmente adquirido e registrado.
    Não é questão de defender pessoas, mas a imagem de um país, da destruição dolosa do pouco que pode dar de bom exemplo ao mundo e de sua vergonhosa (in)Justiça.
    De um lado, condenação sem crime e sem provas, em apenas 18 meses.
    De outro, após mais de 2 anos, um crime evidente (e manjado), onde o “suspeito” sequer foi ouvido ou indiciado.
    Este é o país onde um alucinado, eleito por alucinados de uma sociedade cada vez mais alucinada pela desinformação e podres valores, está comendo pelas beiradinhas e aparelhando “tudas instituissão”. Se conseguir controlar o congresso, como o alucinado Adolph afinal alcançou entre 1928 e 1934 (num país mais desenvolvido), a coisa, já feia, vai ficar horrorosa.

  4. Eu gostaria de saber o paradeiro de Janaína Paschoal, Miguel Reale e Hélio Bicudo, os arautos do combate à corrupção?! Estão todos com as línguas enfiadas em seus respectivos cus? É esse o Brasil que vocês queriam? Vigaristas, oportunistas, hipócritas e enganadores!

  5. Antes de calarem o GGN do Nassif, essa matéria tem a ver com a ida do PR a uma lotérica fazer aposta. Eles precisam de dinheiro para lavar os outros dinheiros…Estamos sujeitos a forjarem resultado da mega da virada e resolver os problemas daqueles que os têm de sobra.
    Sugiro que o GGN faça matéria sobre essa possibilidade, pois aqui no DF já tivemos exemplo de uso por político, de ganhar loteria para justificar dinheiro suspeito…
    O PR não pode ganhar na mega da virada de forma nenhuma!!!
    Para não denegrir imagem das instituições!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome