Lula diz que conversa com Ciro não existiria se tema fosse 2022

Após votar em São Bernardo do Campo, ex-presidente diz que é preciso adotar "uma política de respeito mútuo entre os partidos"

O ex presidente Luis Inacio Lula da Silva votou em São Bernardo do Campo (SP) na manhã deste domingo (18/11). foto Ricardo Stuckert (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste domingo que sua reaproximação com o pedetista Ciro Gomes passa ao largo das eleições presidenciais de 2022.

“Nós não poderíamos conversar isso porque se a gente sentasse para conversar isso, a gente não teria sentado”, afirmou Lula durante entrevista coletiva realizada após votar na cidade de São Bernardo do Campo (SP).”O que é preciso estabelecer entre nós é que nós temos o direito de sermos adversários. As pessoas se esquecem que em 2016 o [petista Fernando] Haddad não foi para o segundo turno porque nós tivemos companheiras como a Marta [Suplicy], que foi candidata e tirou 10% do voto. Nós tivemos a Luiza Erundina, que foi candidata e tirou outro percentual de voto de Haddad”, afirmou o ex-presidente, em uma referência à derrota de Haddad para João Doria (PSDB), em primeiro turno.

“A gente pode ter adversidade, a gente pode ter pontos de vista divergentes, mas o que nós precisamos é adotar uma política de respeito mútuo entre os partidos, entre as pessoas do partido, para que a gente possa trabalhar de forma que um candidato progressista de esquerda possa ganhar as eleições de 2022”.

Sobre as eleições municipais, Lula se disse confiante em uma recuperação do PT após a derrota no pleito de 2016. “Acho que nós vamos recuperar muitas das cidades que nós tínhamos perdido e vamos ganhar outras cidades novas”, afirmou.

 

(com informações da Folha de São Paulo)

 

Leia Também
Esquerda será colocada à prova com segundos turnos dolorosos, por Gustavo Conde
“Não acredito em virada em SP e Rio. Vamos nos contentar com a vitória de Manuela”, diz Marcos Coimbra
Ciro fala em luta contra o “bolsonarismo boçal” após votar em Fortaleza
Cabo eleitoral? O “efeito Bolsonaro” nas eleições 2020

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora