Manobra do governo pode derrubar gastos com saúde e educação

Medida que está em discussão incluiria todas as despesas com aposentadorias e pensões nos cálculos do mínimo constitucional

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O governo Bolsonaro deve apresentar uma medida que abre espaço para uma manobra contábil capaz de derrubar os gastos públicos com saúde e educação.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, a nova versão da proposta considera a inclusão de todas as despesas com aposentadorias e pensões vinculadas às duas áreas nos cálculos do mínimo constitucional.

Desta forma, tais gastos passarão a integrar o valor mínimo que o governo é obrigado a gastar com saúde e educação. Na prática, a proposta permitiria que, para que se atenda a exigência de despesas com saúde, os recursos pagos a aposentados tenham o mesmo peso que o capital empregado no atendimento básico e procedimentos de alta complexidade, por exemplo.

A manobra contábil integra dois artigos de uma minuta de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) emergencial, que busca criar gatilhos para cortar gastos do governo em momentos de aperto orçamentário.

Tal medida permitiria a União, estados e municípios atender a meta gastando menos do que hoje.  Atualmente, os gastos com pessoal ativo de saúde e educação integram o cálculo do mínimo constitucional, enquanto pagamentos de aposentadorias, pensões e de servidores ativos deslocados para outras áreas ficam fora da conta.

Vale lembrar que o piso previsto na Constituição Federal parte do conceito de que saúde e educação são dever do Estado e direito de todo cidadão.

Segundo a Constituição, o gasto mínimo previsto com saúde é de 15% da receita corrente líquida, no caso da União. A previsão de piso para a área em 2020 está em R$ 121,2 bilhões.

Para a educação, o governo precisa aplicar ao menos 18% da receita de impostos, enquanto os valores para estados e municípios consideram outros fatores. Para o ano que vem, o mínimo estimado está em R$ 54,4 bilhões, mas o governo prevê um gasto de R$ 98,3 bilhões.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Bozo está entregando a encomenda.
    O PT precisa se preparar para levar o povo às ruas e fazer do Brasil um grande Chile, caso contrário, será mais um PSOL, sem relevância política além daquela do parlamento.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome