Moro nega ao STF que tenha mandado destruir mensagens de Telegram na operação hacker

Ministro diz que declaração sobre o "descarte" de conversas envolvendo magistrado do STJ foi apenas um "mal entendido", e negou também acesso ao inquérito da Operação Spoofing

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O ministro da Justiça Sergio Moro enviou manifestação ao Supremo Tribunal Federal negando que tenha mandado a Polícia Federal destruir mensagens de Telegram supostamente colhidas por um hacker preso na Operação Spoofing.

A posição de Moro é uma resposta solicitada no âmbito de ação movida pelo PDT, que questiona se o ex-juiz praticou obstrução de Justiça ao determinar o descarte de provas. O processo foi iniciado depois que o presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio Noronha, afirmou que recebeu de Moro uma promessa de “descarte” das mensagens.

“Esclareço que este ministro da Justiça e Segurança Pública não exarou qualquer determinação ou orientação à Polícia Federal para destruição do material ou mesmo acerca de sua destinação, certo de que compete, em princípio, ao juiz do processo ou ao próprio Poder Judiciário decidir sobre a questão, oportunamente”, afirmou Moro.

Ainda segundo o ministro, a fala de Noronha sobre o descarte de mensagens foi “apenas um mal-entendido”. Moro afirmou que estava se referindo à “possível destinação” das mensagens, “considerando a natureza ilícita dele e as previsões legais”. “Evidente, porém, que a decisão quando a ele competirá à autoridade judicial, com oitiva e participação das partes do processo, e não do ora subscritor.”

Ao STF, Moro ainda afirmou que não teve acesso ao inquérito policial, que tramita na 10ª Vara Criminal do Distrito Federal, embora tenha divulgado nome de atingidos pelas invasões hacker.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  "Não dê munição ao canalha, que momentaneamente está livre", diz Bolsonaro

7 comentários

  1. IMpressiona a facilidade com que esse desMoronado mente, mente e repete mentiras. Creio que já passou de 1.000 mentiras, cada qual com mais de 1.000 repetições. Nazifascista por inteiro. Só sob o (des)governo de um crápula é que esse aético e amoral pode ser ministro (da mentira, diga-se). Pobre país de merrecas em que um (des)presidente se acha déspota não-esclarecido e essa gentalha calhorda fica em pé pelo agrado de uma milicada agourenta, miliciana e anti-democrática.

    • Por isso mesmo, há muito tempo o intitulava: O homem dos olhos PISCANTES! Aqueles olhos piscantes e que não encaravam os interlocutores, denotavam a mentira. E agora, tivemos a oportunidade de constatação. Nada como um dia atrás do outro. Muito bom analisar semblantes e a maneira como se compotam os olhos…

  2. Isto deve ter sido dolorido para Moro, pois o que ele mais gostaria de dizer é: a destruição das gravações é completamente legal, assim como eu Moro tenho todo o direito de conhecer os detalhes do processo contra mim. Tal Okey!!!!

  3. Não declarar uma palestra bem paga foi um lapso do $érgio Moro. Agora o problema não é mais lapso, é mal-entendido.

    Vai tomar banho com uma solução concentradérrima de amoníaco, seu fdp

  4. “declaração sobre o “descarte” de conversas envolvendo magistrado do STJ”

    E os outros magistrados e politicos????

    Moro fez carreira completa com “mal-entendidos em serie”. Eh um vexame mundial que ele CONTINUA no cargo. Moro, Morinho, ninguem confunde corrupto com santo, e voce EH CORRUPTO SIM em qualquer assunto que voce encoste, eh por isso que nao tinha competencia pra lidar com Banestado e Yousseff nem no comeco dos anos 00.

    Voce eh o corrupto.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome