Omissão no CNJ: 55 ações contra Moro, nenhuma conteve os abusos

“Não sei o que se passava na cabeça dos conselheiros, mas o recurso não foi pautado porque haveria a percepção de que Moro seria penalizado”, diz Wadih Damous

Foto: Agência Brail

Jornal GGN – Folha de S. Paulo publicou nesta segunda (15) uma reportagem expondo os dados da omissão do Conselho Nacional de Justiça, que já recebeu 55 reclamações contra os abusos de Sergio Moro, arquivou mais da metade e, até hoje, não julgou nenhuma que pudesse surtir efeitos contra os atos do ex-juiz.

Segundo aa Folha, há dois recursos específicos sobre os vazamentos de grampos que atingiram a Presidência da República sob Dilma Rousseff que há 2 anos entram e saem de pauta, evitando o julgamento de Moro, porque há a concepção, entre os conselheiros, de que ele seria punidos por essas ações.

Moro deixou a magistrado em final de 2018, para ser ministro de Jair Bolsonaro, o candidato beneficiado com a prisão de Lula, imposta pela Lava Jato.

Um dos dois recursos foi apresentado pelo ex-deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) em março de 2016. Mais de 3 anos depois, o CNJ continua sem dar destino à reclamação.

No total, foram 55 processos contra Moro, sendo que 34 foram arquivados. Dos que restaram, 3 estão suspensos e 18 tramitam sem previsão de quando entrarão na pauta de julgamento.

“Numa análise retrospectiva, atribuo o arquivamento a uma proteção corporativa ao então juiz Sergio Moro”, diz Damous. “Não sei o que se passava na cabeça dos conselheiros, mas o recurso não foi pautado porque haveria a percepção de que Moro seria penalizado”, comenta na Folha.

HISTÓRICO

Segundo o jornal, o “impasse” em torno das reclamações contra Moro começaram ainda na gestão de Ricardo Lewandowski na presidência CNJ (2014-2016), com Nancy Andrighi na Corregedoria.

Leia também:  Os novos ataques de Bolsonaro ao meio ambiente

Com Cármen Lúcia (2016-2018), e João Otávio de Noronha na Corregedoria, a omissão persistiu.

Agora com Dias Toffoli no comando da instituição, Noronha foi substituído por Humberto Martins, mas nada parece ter mudado.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. No popular, a única coisa que o tal cnjoio faz é “lamber as crias” corporativamente. Em relação ao desMoronado, todos “morriam” e “morrem” de medo de encarar o exjuizeco, até porque todos os que por lá passaram – sempre e sempre – queriam porque queriam (e querem) o fim dos governos populares (nem tanto) petistas. Fizeram coro aos senhores de engenho e, agora, estão afogados nauseabundamente em seus impróprios “engenhos”. Todos sabem que a mentira enseja nova mentira e nova mentira e assim sucessivamente: espiral perversa que, a cada volta, torna maior a necessidade de novas e velhas mentiras.

  2. Conselho, ou seria “conscelho”; nacional, donde? da conchichina?; de justiça, ou seria da “completa “injustissa””? É a garantia que não haverá justiça neste país.
    E levada pelo tofolí, comandada por assessores.
    As instituições permanecem enterradas a sete palmos de profundidade.

  3. É possível entrar com uma ação contra o cnj?
    Por fim, vida boa a destes nababos incompetentes e pagos com o suor dos trabalhadores brasileiros..
    Se fossem empregados de uma empresa privada onde estariam a esta hora?

  4. É ingênuo supor que corrupção seja algo que só envolva diretamente o dinheiro. Existe entropia, degradação e assim corrupção inclusive e principalmente nas atividades e feitos humanos. Degradam-se os humanos ao perder a sua “inocência”, sabedoria e humanismo e isto interfere em suas decisões e atos. As instituições são formadas por pessoas (entidades vivas, humanas e “degradas”). É ingênuo então supor que as instituições estejam degradadas se estas são feitas pelos coletivos de humanos. Então a raiz e solução está nos humanos. Se precisa renovar, avivar, reavivar, onde há o que dá forma às coisas e atos = na consciência, na mentalidade.
    O que foi deixado pelo grande cientista e sábio da história atual, Albert Einstein é sempre e mais válido: NENHUM problema pode ser RESOLVIDO a partir do mesmo estado de consciência (com a mesma mentalidade) pelo qual FOI CRIADO. Volto-me para resolver o primeiro e posso atender a melhor solução para o imediato e para o futuro.
    O homem arrogante chegou ao auge e se acha esperto, desenvolvido e evoluído e em breve vai ser subjugado pela natureza que imaginou operar, pelo simples fato de faltar-lhe ÁGUA.

  5. Só pq ele não foi punido o CNJ é injusto. E os bilhões enviados ao países comunistas que hj pela falta do dinheiro suado do brasileiro todos estão quebrados isso os comunas petralhas não falam nada, e o não investimento no Brasil nos portos e aeroportos que não tem nenhum, isso ninguém fala bada, é bem a cara dos bandidos comunistas que apoiam os demais comunistas bandidos que estiveram no Brasil por mais de 13 anos e não fizeram nada

  6. Está claro que Jucá estava certo. “Temos que para essa porra com STF e com tudo”.
    Como sair disso?
    Acredito que pelas vias normais, gastaremos uns 20 anos.
    O que resta é uma revolta popular.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome