PGR abre apuração sobre uso da Abin em defesa de Flávio Bolsonaro

A Abin elaborou documentos para orientar os advogados do senador em sua defesa no inquérito das rachadinhas

Jornal GGN – A Procuradoria-Geral da República autorizou na sexta-feira (11) uma investigação preliminar sobre uso da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) na defesa pessoa de Flávio Bolsonaro no caso Queiroz. O suposto crime foi revelado em reportagem da revista Época.

Sob o diretor Alexandre Ramagem, que é amigo da família Bolsonaro e foi cotado para o comando da Polícia Federal, a Abin elaborou documentos para orientar os advogados do senador em sua defesa no inquérito das rachadinhas.

A Abin sustentou que Flávio foi investigado indevidamente pela Receita Federal e até recomendou a remoção de agentes de alguns “postos” para facilitar o trabalho da defesa.

O escândalo foi denunciado pelo deputado federal Marcelo Freixo, que defendeu ação criminal e impeachment contra Jair Bolsonaro, por ter permitido o uso do aparato estatal em benefício pessoal do filho. Outros parlamentares da oposição endossaram a tomada de medidas mais duras.

A PGR já investiga se Bolsonaro tinha interferido na Polícia Federal em causa própria, segundo denunciou o ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

O Sindifisco Nacional (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) disse na sexta que a ajuda da Abin ao senador, caso seja confirmada, “é inaceitável em todos os sentidos” e “passou de todos os limites”, se configurando o maior escândalo da República.

Leia também:

“Maior escândalo da República”, diz sindicato dos auditores sobre uso da Abin por Flávio Bolsonaro

Freixo aciona PGR contra “uso criminoso” da Abin pela família Bolsonaro

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora