Por orientação de Bolsonaro, Pazuello telefona para Gilmar Mendes

E Pazuello seguiu a orientação de que buscasse diálogo, ligando nesta terça, dia 14, para o ministro.

Agência Brasil

Jornal GGN – No melhor estilo ‘bandeira branca’, o presidente Jair Bolsonaro orientou o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, a telefonar para o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes. E Pazuello seguiu a orientação de que buscasse diálogo, ligando nesta terça, dia 14, para o ministro. A informação é de Monica Bergamo, da Folha.

A articulista confirmou a informação com o próprio Gilmar, que afirmou ter sido uma conversa cordial. Mas sem detalhes.

Segundo interlocutor de Bolsonaro, Pazuello passou a Gilmar informações sobre medidas em andamento para o combate à epidemia e explicou as dificuldades no enfrentamento da tragédia.

A troca de amabilidades acontece depois das críticas de Gilmar ao Ministério da Saúde e que, por aceitar o cargo, o Exército estaria compactuando com um ‘genocídio’. Pazuello é general da ativa e nomeou outros 28 militares para a pasta.

As Forças Armadas e o Ministério da Defesa não gostaram da declaração do ministro e representaram contra ele na PGR. Além disso, os comandantes das três Forças divulgaram nota contra a declaração do ministro. O vice-presidente, general Hamilton Mourão, também exigiu retratação.

Bolsonaro não se envolveu na treta, nem nas redes sociais. Segundo um ministro próximo a ele, a intenção é seguir a linha do diálogo com o STF. E a orientação dada a Pazuello denota esta intenção.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  A singularidade destas eleições municipais de 2020, por Francisco Celso Calmon

9 comentários

  1. Quando o mandatário não entende de política, não sabe dialogar e é muito mal assessorado, mete-se em confusões das quais não consegue sair.
    Bozo, o temeroso que late, cercou-se de milicos pés-de-couve temendo receber um golpe, como a Dilma e, ao tempo reescrever a história das “gloriosas forças armadas”.
    Com isso, Bozo peitou e tenta peitar todos os dias as forças “dissidentes”: STF, congresso, partidos de oposição e as esquerdas em geral quando desafiam os seus mal feitos.
    Agora não foi diferente. Em plena pandemia, anulou, simplesmente, o Ministério da Saúde colocando na sua direção um dirigente que nem mesmo médico é. O valente militar é um chefe de almoxarifado do exército (em linguagem civil) que o mandatário considera habilitado para administrar uma pandemia.
    Em qualquer lugar do mundo isso teria uma conotação bizarra, mas aqui, neste país improvável, o presidente acha conveniente, porque ele, vaidoso, ciumento, invejoso e inculto, não suporta conviver com pessoas cultas ou brilhantes e nem lidar com quem ele não entende.
    Diziam que a Dilma era irascível e não dialogava com ninguém – corrupto, que ia pedir favores – e esse teria sido o motivo de sua queda.
    Bozo é corrupto, irascível, não dialoga com ninguém, mas o diabo do cara não cai.
    E ele, que de burrice se farta, mas de esperteza não carece, tem de sobra, sabe que se liberar a sua patota militar contra o STF, amanhã seus filhos estarão em Bangu, Papuda e adjacências, suas entranhas e a de todos os seus asseclas estarão expostas, e os milicos, não obstante toda a sua força judicial – STM (superior tribunal militar) PGR, LSN, ele sabe que, ao fim e ao cabo terão que passar pelo STF, e o Supremo é um colegiado que tem espírito de corpo e vai se defender.
    Enquanto isso, continuamos em grave perigo institucional.

  2. Penso que Gilmar Mendes como representante de poder constituído da República, manifestou o sentimento de maioria esmagadora do povo brasileiro. Não vejo como, por meios lícitos, ser contestada uma verdade límpida!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome