Santos suspende contrato com Robinho

Anúncio foi feito após pressão de patrocinadores com a repercussão das interceptações telefônicas do jogador, que resultou em sua condenação por crime de estupro coletivo na Itália. Robinho se manifestou nas redes sociais

Reprodução/Instagram

Jornal GGN – O Santos Futebol Clube anunciou na noite desta sexta-feira, 16, a suspensão do contrato com o atacante Robinho. O anúncio foi feito após pressão de patrocinadores com a repercussão da divulgação do GE das interceptações telefônicas do jogador, que resultou em sua condenação pela primeira instância na Itália a nove anos de prisão por crime de estupro coletivo. Robinho se manifestou nas redes sociais.

A suspensão foi feita seis dias após o Clube anunciar o retorno de Robinho para sua quarta passagem pelo time. Em nota, o Santos afirmou que decidiu pelo afastamento “para que o jogador possa se concentrar exclusivamente na sua defesa no processo que corre na Itália”, em segunda instância.

O jogador também anunciou a decisão por meio de suas redes sociais. “Com muita tristeza no coração, venho falar para vocês que tomei a decisão junto do presidente de suspender meu contrato neste momento conturbado da minha vida. Meu objetivo sempre foi ajudar o Santos Futebol Clube. Se de alguma forma estou atrapalhando, é melhor que eu saia e foque nas minhas coisas pessoais. Para os torcedores do Peixão e aqueles que gostam de mim, vou provar minha inocência”, afirmou Robinho em vídeo.

Em 2017, o atleta foi condenado em primeira instância na Itália por violência sexual de grupo contra uma jovem albanesa. O crime teria ocorrido em uma boate de Milão chamada Sio Café, na madrugada de 22 de janeiro de 2013. Além de Robinho, outros cinco brasileiros teriam participado da violência contra a moça.

Leia também:  Bolsonaro coloca três militares em agência de proteção de dados

Em abril de 2014, ao ser interrogado pela investigação, Robinho negou a acusação, mas admitiu que manteve relação sexual com a vítima, afirmando que foi uma relação consensual de sexo oral.

O caso voltou a repercutir nesta sexta, com a divulgação pelo GE das interceptações telefônicas realizadas pela investigação e que “foram cruciais para o veredito”, afirmou a reportagem. Com isso, diversos patrocinadores afirmaram que iriam suspender o contrato com o Clube se Robinho permanecesse.

Em uma das conversas, Robinho afirmou que tinha consciência da condição da vítima. Durante diálogo com o músico Jairo Chagas, que tocou na boate na noite do crime, o jogador afirmou: “estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu”.

Robinho foi condenado com base no artigo “609 bis” do código penal italiano, que condena duas ou mais pessoas que forcem alguém a manter relações sexuais por sua condição de inferioridade “física ou psíquica” .

Mesmo com as escutas realizadas a partir de janeiro de 2014, consideradas pela Justiça italiana como “auto acusatórias”, o jogador continua negando que cometeu o crime e recorre em segunda instância da condenação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Tinha mais simpatia por Robinho do que por Neymar, mas ouvir alguém insistir que qualquer ação de prazer em uma pessoa “totalmente bêbada” (sic) foi “consensual”, beira o ridículo e ultrapassa o repugnante.
    Há 50 anos ou mais, isso poderia até ser uma brincadeira “divertida”.
    Mas o mundo evoluiu.
    E alguém publicamente admirado e milionário tem o dever de evoluir junto.
    Ou à frente.

    2
    1
    • Boçal, há 50 anos ou mais isso se chamava curra e tinha previsão punitiva tão severa quão hoje. Abuso sexual de incapaz não parece ser divertido.

    • Meu caro, eu tenho 67 anos e a 50 anos no passado respeitava qualquer pessoa do sexo feminino independendo da condição, logo dizer que há 50 anos não era nada é uma bobagem, a diferença que há 50 anos as mulheres tinham ainda mais medo dos imbecis que sempre andam por aí.

  2. Disse ele em entrevista que o seu crime foi trair a esposa. Ainda ataca a imprensa e usa métodos bolsonaristas para se eximir de culpa, típico dos covardes e irresponsáveis. Seria um problema se a emissora o colocasse em suspeição, sem mostrar as provas, o que já foi feito em outros momentos. Agora com relação a desculpa inicial, de cunho falso moralista cristão, segundo a escritura e a lei italiana isto não é crime (trair a esposa). Pode ser pecado religioso e prova de moral fraca, de quem faltou com a confiança a quem professou diante de padre, família e público. Seu crime é grave, o estupro, ainda sendo coletivo e com pessoa sem condição de defesa (fato que o atleta salientou, se gabando), pois alcoolizada estava a moça. Com relação ao futebol brasileiro, apenas é mais um pequeno indicativo da decadência daquele que já foi o país do futebol, e onde parece que se a pandemia se der, como indica, por mais um longo ano, muitos clubes não resistirão.

  3. Com o que li deste caso por aí jamais irei questionar o termo “cultura do estupro”.
    O termo me causava estranhesa mas agora entendi.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome