VazaJato: Moro sugeriu estratégias para delações e processos da Odebrecht

"Reservadamente. Acredito que a revelação dos fatos e abertura dos processos deveria ser paulatina", escreveu Moro após receber de Dallagnol uma lista de política delatados

Jornal GGN – As novas conversas entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol reveladas pelo Intercept Brasil na noite de quarta (12) reforçam que o ex-juiz da Lava Jato auxiliou o Ministério Público Federal sugerindo estratégias para os processos envolvendo o pacote de delações da Odebrecht.

No dia 21 de junho de 2016, Dallagnol enviou a Moro uma mensagem com o balanço da negociação da delação com executivos da Odebrecht, indicando o nome de vários políticos implicados – de Dilma Rousseff a Eduardo Cunha, de Geraldo Alckmin a Antonio Palocci. Este último viria a ser preso, condenado e transformado em candidato a delator, anos depois.

Naquele mesmo dia, a Folha de S. Paulo soltou uma matéria com a seguinte manchete: “Em delação, Marcelo Odebrecht admitirá elo com repasses para Dilma”. A reportagem informava que o processo de delação ainda estava em andamento.

Diante dos políticos delatados, Moro sugeriu que a força-tarefa cuidasse de divulgar os casos aos poucos. “Reservadamente. Acredito que a revelação dos fatos e abertura dos processos deveria ser paulatina para evitar um abrupto pereat mundus. Abertura paulatina segundo gravidade e qualidade da prova.”

Em outra mensagem, meses depois, Dallagnol volta a reportar a Moro o status da negociação com a Odebrehct, e pede para o então juiz “não passar pra frente”. Havia cerca de 300 políticos brasileiros na lista, mais 72 autoridades estrangeiras.

Moro quis saber: “Tudo isso corrupção e lavagem ou muitos casos de cx2 [caixa 2 eleitoral]?”

Dallagnol respondeu que ainda não sabia dizer. “Intuitivamente, com base nas leituras e análises: 30% claramente propina. Eles e nós reconhecemos 40% zona cinzenta: depende de diligências ou análises; 30% claramente caixa 2 e nós concordamos.”

Leia também:  Coaf responde de maneira "evasiva" sobre investigação contra Greenwald, afirma Bergamo

Moro, então, sugeriu mais uma vez uma estratégia de atuação: “Opinião: melhor ficar com os 30 por cento iniciais [“claramente propina”]. Muitos inimigos e que transcendem a capacidade institucional do MP e Judiciário.”

No futuro, o Supremo Tribunal Federal viria a decidir que cabe a Justiça Eleitoral processar e julgar casos de corrupção que tenham relação com caixa 2.

Leia, abaixo, a conversa divulgas pelo Intercept.

21 de junho de 2016

Deltan – 11:58:10 – VISÃO GERAL EM 06-06-15: 1. TOTAL DE RELATOS: 98 2. COLABORADORES: 45 3. NUMERO DE POLITICOS: 150 4. POLITICOS CUJOS PAGAMENTOS JÁ FORAM LOCALIZADOS: R$ 470 MILHOES (identificado o político beneficiário da propina) – Ness montante apenas pagamentos ilegais 1. Corte temporal de 2008 a 2014 2. SÉRGIO CABRAL responde só por R$ 100 milhões 3. OUTROS POLÍTICOS IDENTIFICADOS (identificados pela defesa como relevantes/ envolvem Governadores de 13 Estados e 7 Ministros de Estado): 1. MICHEL TEMER 2. DILMA 3. LULA 4. EDUARDO CUNHA 5. AECIO NEVES 6. ALCKIM 7. ALOISIO MERCADANTE 8. PAULO SKARF 9. ANTONIO PALOCCI (DILMA) 10. SERGIO CABRAL 11. JOSE SERRA 12. HADAD (PREFEITO) 13. HENRIQUE ALVES 14. ROMERO JUCÁ 15. RAIMUNDO COLOMBO (SC) 16. ANTONIO ANASTASIA 17. EDINHO SILVA (DILMA) 18. EDISON LOBAO 19. ELISEU PADILHA (ARRECADAÇÕES PMDB) 20. FERNANDO PIMENTEL 21. FRANCISCO DORNELES 22. GUIDO MANTEGA (DILMA) 23. RENAN CALHEIROS 24. MARCOS PEREIRA (MIN. INDUSTRIA) 25. JAQUES WAGNER 26. BRUNO ARAUJO (MIN. CIDADES) 27. EDUARDO PAES 28. MOREIRA FRANCO 29. KASSAB 30. PEZÃO 31. MARCONI PERILO (GOV. GOIAS) 32. GLEISI HOFFMAN
Moro – 12:40:32 – Reservadamente. Acredito que a revelação dos fatos e abertura dos processos deveria ser paulatina para evitar um abrupto pereat mundus.
Moro – 12:42:13 – Abertura paulatina segundo gravidade e qualidade da prova
Moro – 13:28:32 – Espero que LJ sobreviva ou pelo menos nós
Deltan – 13:55:27 – 

15 de dezembro de 2016

Deltan – 16:01:03 – Caro, favor não passar pra frente:
Deltan – 16:01:03 – Odebrecht (favor manter aqui): 9 presidentes (1 em exercício), 29 ministros (8 em exercício), 3 secretários federais, 34 senadores (21 em exercício), 82 deputados (41 em exercício), 63 governadores (11 em exercício), 17 deputados estaduais, 88 prefeitos e 15 vereadores
Deltan – 16:01:03 – 62 deputados/senadores em exercício. Com governadores dá 73
Deltan – 16:01:03 – 301 políticos na relação
Deltan – 16:01:03 – Mais 72 políticos estrangeiros
Deltan – 16:04:40 – brasileiros são políticos por cargo que OCUPA, OCUPOU OU PARA O QUAL SE CANDIDATOU
Deltan – 16:04:45 – por isso os 9 presidentes
Moro – 17:22:10 – Tudo isso corrupção e lavagem ou muitos casos de cx2?
Deltan – 17:25:21 – Para dizer, teria que olhar um a um. Não temos esse levantamento ainda. Intuitivamente, com base nas leituras e análises: 30% claramente propina: eles e nós reconhecemos 40% zona cinzenta: depende de diligências ou análises 30% claramente caixa 2 e nós concordamos
Deltan – 17:51:34 – As doações via caixa 1 sem indícios de contrapartida não entram nisso. Ficam fora.
Moro – 18:32:37 – Opinião: melhor ficar com os 30 por cento iniciais. Muitos inimigos e que transcendem a capacidade institucional do mp e judiciário.
Moro – 18:32:46 – Reservado obviamente
Deltan – 19:00:34 – 

4 comentários

  1. Talvez se cruzarem dados do site dos antas gonistas (propriedade da empresa com muito empirismo em participar de golpes contra o país) consigam mais elementos, já que os opositores do país, são o site que até recebiam os áudios online de depoimentos prestados na corte da república curitibana. Até tentaria fazer isto mas por princípios me recuso a abrir aquele portal assim como não suporto os comerciais da empirista golpista.

  2. Olá, Nassif,

    sou jornalista e tenho sugestão.

    Copio abaixo, caso haja interesse em publicação.

    Grato.

    ***

    A gênese da nova História recente do Brasil.
    Bruno Costa e Silva

    O desafio do Intercept é encontrar as histórias perdidas no meio de três anos de conversa vazia. São 1700 páginas só de um dos grupos do Telegram. Existem mais de cem. Ao que parece os Procuradores falavam muito.

    E aquilo ali, do jeito que está, não serve pra nada. É um grande vazio. Um lixo cósmico. Trechos como “depende de articulação com os americanos”, ou “Moro em queda de braço com Teori Zavascki”, são frases que tendem a passar sem impacto algum pelo leitor.

    Pra ter algum efeito, aquele calhamaço virtual precisa de um trabalho jornalístico. Alguém que se debruce sobre as peças e monte o quebra cabeça. Localizando as falas no seu tempo histórico, relacionando aos acontecimentos da época, como as eleições, por exemplo. Até chegar em coisas como “os procuradores discutiam um meio de proibir a entrevista de Lula”, e conectá-la a “Luiz Fux proíbe entrevista de Lula”.

    Não é para amadores. E quem está fazendo isso está recebendo, neste momento, por um lado a pressão pela nova revelação, e pelo outro, a ameaça diante do que será dito.

    Daí ser muito provável que boa parte do material divulgado pela equipe de Greenwald chegue à web com muitos pontos sem nós. E que outros jornalistas façam o trabalho complementar de investigação elaboração de novas narrativas.

    De uma forma ou de outra, o que temos ali, ainda em construção, ainda em forma de Big Bang, é a gênese da nova História recente do Brasil, que envolve um Impeachment, a prisão da maior liderança popular do país, e a ascensão do fascismo ao poder.

    Tudo indica que a história que vinha sendo contada não era verdadeira. Chegou a hora de contar essa história direito.

    ***

  3. Do BuzzFeed.News
    “Documentos mostram que atos da Lava Jato coincidiram com orientações de Moro no Telegram”
    https://www.buzzfeed.com/br/gracilianorocha/moro-deltan-telegram?utm_source=dynamic&utm_campaign=bfsharetwitter

    Do GauchaZH
    O que aconteceu nos casos da Lava-Jato discutidos por Moro e Dallagnol
    https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/noticia/2019/06/o-que-aconteceu-nos-casos-da-lava-jato-discutidos-por-moro-e-dallagnol-cjwqpoxyc00f401pbhcfmwuwn.html

    No dia 27/6/2017, o TRF-4 absolveu João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT. Notícia saiu às 16h01 no G1. Às 18h24, Moro aciona Dallagnol e sugere “agilizar” outra ação q tem o petista como réu. E questiona em tom irônico a dúvida do procurador sobre o motivo de escolher esta ação
    https://twitter.com/zeantoniolima/status/1138984761052073984

    The Economist
    Brazil’s Lava Jato corruption investigation could self-destruct
    Hacked messages cast doubt on its impartiality
    https://www.economist.com/the-americas/2019/06/15/brazils-lava-jato-corruption-investigation-could-self-destruct

    Do UOL
    ‘Chocante quebra de ética de Moro’: o que diz professor de Harvard próximo a Dallagnol
    https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2019/06/13/chocante-quebra-de-etica-de-moro-o-que-diz-professor-de-harvard-proximo-a-dallagnol.htm

    Do portal Migalhas
    72 horas depois
    https://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI304366,41046-72+horas+depois

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome