Veja: a volta dos que nunca se foram e o caso Celso Daniel, por Luis Nassif

Enfim, a marcha da insensatez não encontrou seu ponto de retorno. Ainda prosseguirá por algum tempo a guerra insana pelo poder, enquanto Bolsonaro e Guedes vão desmontando, peça por peça, qualquer veleidade de projeto de país.

Marcos Valério, lá de Belo Horizonte, informa que Lula mandou matar Celso Daniel. É a velha Veja de volta, com a mesma falta de criatividade, com os mesmos roteiros cinematográficos, em torno dos mesmos vilões e dos mesmos factoides.

É a revista que anunciou que as FARCs iriam invadir o Brasil, que Cuba mandava dólares para o PT em garrafas de rum, que milhares de dólares entravam em envelopes no Palácio do Planalto. A revista se autodestruiu, tentou se refazer, mas a síndrome do escorpião falou mais alto.

Não adianta. O preço do subdesenvolvimento é elevado.

No Estadão, espalha-se o terror, de que a saída de Lula irá promover a radicalização entre esquerda e direita, o Alto Comando está incomodado e o país pegará fogo. Anuncia-se que a grande aposta branca, Luciano Huck, será prejudicada com a polarização e apenas Bolsonaro terá a ganhar.

No Supremo Tribunal Federal (STF), no fim da sessão, o presidente Dias Toffoli alerta que, como presidente, terá que pensar seu voto sobre a 2ª instância com menos liberdade do que teria apenas como Ministro.

Enfim, a marcha da insensatez não encontrou seu ponto de retorno. Ainda prosseguirá por algum tempo a guerra insana pelo poder, enquanto Bolsonaro e Guedes vão desmontando, peça por peça, qualquer veleidade de projeto de país.

Na vizinhança, Chile, Venezuela, Argentina, Peru, Equador pegam fogo, com a falta de sensibilidade das políticas públicas, o descuido total com o bem-estar dos cidadãos. Há a necessidade premente de reconciliação nacional, em todos os níveis, de desarmar o ódio, buscar os pactos.

A guerra intestina produziu Bolsonaro e seu exército de zumbis, desmontou políticas públicas que levaram décadas para serem montadas, espalha a selvageria por todos os cantos do país.

Mas os poderes institucionais – com destaque para a mídia – persistem no vale tudo e na marcha da insensatez.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Interessante sairem com essa capa e chamada no fim de semana do aniversario de Lula e quando o STF parece propenso a enfim a cumprir o que diz a Constituição. Eh incrivel como a Veja coloca Marcos Valério como alguém muito proximo a Lula, quase como um secretario particular, faz tudo, até se livrar de um empresario, que estaria chantageando o então presidente. Dialago descrito pela Veja entre Valério e o promotor: O promotor também perguntou sobre as relações financeiras do empresário com o governo e com o ex-presidente Lula: “— O caixa que o senhor administrava era dinheiro de corrupção?” “— Caixa dois e dinheiros paralelos de corrupção, propina e tudo.” “— Do Governo Federal?” “— Sim, do Governo Federal.” “— Na Presidência de Lula?” “— Na Presidência do presidente Lula.” “— Pagamentos para quem?” “— Para deputados, para ministros, despesas pessoais do presidente, todo tipo de despesa do Partido dos Trabalhadores”. A PF, que desde a época de FHC, tem investigado esse caso, até hoje não sabe realmente quem mandou matar Celso Daniel ou não quer revelar o que sabe ?

Maria Luisa