Weintraub é carregado nos ombros por bolsonaristas, após prestar depoimento por escrito à PF

Investigado por racismo, Weintraub se negou a falar com a imprensa, mas usou um megafone para interagir com os bolsonaristas

Abraham Weintraub afirmou que os erros no Enem não prejudicaram ninguém. Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Jornal GGN – Sem conseguir adiar ida à Polícia Federal, o ministro da Educação de Bolsonaro, Abraham Weintraub, prestou depoimento por escrito em inquérito que é investigado por racismo, nesta quinta-feira, 4 de junho. Na saída da sede do órgão em Brasília, Weintraub foi aclamado e carregado no colo por bolsonaristas. 

Segundo informações do Uol, minutos antes de prestar o depoimento marcado para às 15h, o ministro entrou com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF), para adiar a oitiva. 

Na manifestação, Weintraub criticou a decisão do ministro da corte Celso de Mello, que recusou pedido para que ele fosse ouvido em outra ocasião. 

Contudo, não houve tempo para análise e Weintraub teve que ir até a PF, onde foi recebido pelo diretor-geral Rolando de Souza e não ficou mais que 35 minutos.

O ministro de Bolsonaro é investigado por publicação feita em seu perfil no Twitter em 4 de abril, com texto e um quadrinho brasileiro da Turma da Mônica, de Mauricio de Souza, ironizando a China e o modo de fala de chineses que tentam pronunciar palavras em português.

Após prestar depoimento por escrito sobre o caso e deixar o prédio da PF, Weintraub foi recebido por apoiadores do governo. O ministro se negou a falar com a imprensa, mas usou um megafone para interagir com os bolsonaristas. 

“A liberdade é a coisa mais importante em uma democracia. E a primeira coisa que vão tentar calar é a liberdade de expressão. Obrigado pelo apoio, gente”, disse. 

Durante o episódio,  Weintraub chegou a ser carregado nos ombros por apoiadores. O vídeo da cena foi compartilhado por Jair Bolsonaro (sem partido), divulgou o Jornal Estado de Minas nas redes sociais. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 comentários

  1. O Weinbosta afirmou no seu depoimento que não é mera ilação que a China seja a responsável pela pandemia de coronavírus. Aí eu me lembrei do Bule de Chá do Russell:

    “Muitos indivíduos ortodoxos dão a entender que é papel dos céticos refutar os dogmas apresentados – em vez dos dogmáticos terem de prová-los. Essa idéia, obviamente, é um erro. De minha parte, poderia sugerir que entre a Terra e Marte há um pote de chá de porcelana girando em torno do Sol em uma órbita elíptica, e ninguém seria capaz de refutar minha asserção, tendo em vista que teria o cuidado de acrescentar que o pote de chá é pequeno demais para ser observado mesmo pelos nossos telescópios mais poderosos. Mas se afirmasse que, devido à minha asserção não poder ser refutada, seria uma presunção intolerável da razão humana duvidar dela, com razão pensariam que estou falando uma tolice. Entretanto, se a existência de tal pote de chá fosse afirmada em livros antigos, ensinada como a verdade sagrada todo domingo e instilada nas mentes das crianças na escola, a hesitação de crer em sua existência seria sinal de excentricidade e levaria o cético às atenções de um psiquiatra, numa época esclarecida, ou às atenções de um inquisidor, numa época passada.”

    Quais são as provas do Weinbosta?

    Ora, há evidências de que o coronavírus foi criado em laboratório.

    Cadê essas evidências?

    Deve estar na baixa da égua ou na caixa prego.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome