A inteligência artificial e a responsabilidade social tecnológica

Agora que uma nova geração de tecnologias está sendo adotada, a questão é se benefícios similares ao bem-estar seguirão, ou se o medo do desemprego tecnológico criará novas fontes de estresse, prejudicando a confiança e os gastos do consumidor.

double exposure image of virtual human 3dillustration on world map and learning technology background represent learning process.

Do Project Syndicate

31 de julho de 2019

CHRISTOPHER PISSARIDES ,  JACQUES BUGHIN

Como as ondas passadas de inovação tecnológica, a nova era de inteligência artificial e automação promete aumento de produtividade, salários mais altos e maior longevidade para todos. Mas a realização desse potencial exigirá que governos e empresas gerenciem com cuidado o desenvolvimento e a difusão de tecnologias de fronteira.

LONDRES – A discussão pública sobre os efeitos da automação e da inteligência artificial (IA) geralmente se concentra nos benefícios de produtividade para as empresas e a economia, por um lado, e no potencial problema para os trabalhadores, por outro. No entanto, há uma terceira dimensão crítica que não deve ser menosprezada: o impacto das novas tecnologias no bem-estar.

Historicamente, a inovação tecnológica teve efeitos positivos no bem-estar, indo muito além do que é capturado por indicadores econômicos padrão, como o PIB. Vacinas, novos produtos farmacêuticos e inovações médicas, como raios-X e ressonância magnética, melhoraram muito a saúde humana e aumentaram a longevidade. Hoje, até os países com as expectativas de vida mais baixas do mundo têm uma expectativa de vida mais longa do que os países com as maiores expectativas de vida em 1800. Além disso, cerca de um terço dos ganhos de produtividade das novas tecnologias no século passado foram convertidos em horas de trabalho reduzidas , na forma de férias pagas anuais mais longas e quase metade da jornada de trabalho em algumas economias avançadas.

Agora que uma nova geração de tecnologias está sendo adotada, a questão é se benefícios similares ao bem-estar seguirão, ou se o medo do desemprego tecnológico criará novas fontes de estresse, prejudicando a confiança e os gastos do consumidor.

Ao procurar responder a essas questões, devemos nos concentrarem dois fatores decisivos. O primeiro é o potencial da inovação para melhorar o bem-estar. A IA, em particular, poderia aumentar substancialmente a qualidade de vida das pessoas, aumentando a produtividade, gerando novos produtos e serviços e abrindo novos mercados. A pesquisa da McKinsey & Company sobre a atual transformação digitalmostra que os aplicativos de IA já estão fazendo exatamente isso e continuarão a fazê-lo.

Leia também:  Inteligência artificial: GPT-3, ameaça ou possibilidade?

Além disso, as empresas que implantam IA com o propósito de impulsionar a inovação, em vez de substituições de mão de obra e redução de custos, provavelmente serão as mais bem-sucedidas; À medida que se expandem, eles contratam novos trabalhadores. Nos serviços de saúde, por exemplo, a AI capacitou os profissionais a oferecer diagnósticos melhores e mais precoces de doenças potencialmente fatais, como câncer, bem como tratamentos personalizados.

O segundo fator decisivo é a abordagem adotada por empresas e governos para administrar a chegada de novas tecnologias. A IA levanta questões éticas importantes, particularmente em áreas como a genômica e o uso de dados pessoais, e a necessidade de adquirir as novas habilidades necessárias para operar máquinas inteligentes pode causar estresse e insatisfação. A migração de trabalhadores entre setores pode ser uma fonte de atrito significativo, exacerbada por incompatibilidades setoriais, restrições de mobilidade e custos (temporais e financeiros) de reciclagem.

Criticamente, as fricções do mercado de trabalho criadas pelas tecnologias de fronteira de hoje podem afetar segmentos da população que eram imunes a tais riscos no passado. Para evitar grandes perturbações, os formuladores de políticas devem se concentrar em fornecer treinamento em larga escala, equipar os trabalhadores com habilidades “à prova de robôs” e garantir a fluidez do mercado de trabalho.

Ao direcionar a implantação de novas tecnologias para a inovação que melhora o bem-estar, e ao gerenciar os efeitos da difusão tecnológica no mercado de trabalho, podemos impulsionar não apenas a produtividade e a renda, mas também a expectativa de vida, que pode contribuir para um PIB mais alto.

Leia também:  Inteligência artificial: GPT-3, ameaça ou possibilidade?

Calcular os efeitos prováveis ​​da inovação que melhora o bem-estar é um processo complexo. Em nossa própria avaliação , construímos métodos de quantificação do bem-estardesenvolvidos pelos economistas Charles Jones e Peter Klenow, da Universidade de Stanford, bem como outros no crescente campo da pesquisa sobre felicidade. Usando um modelo de aversão ao risco constante e esquemática como referência, descobrimos que os Estados Unidos e a Europa poderiam experimentar ganhos em bem-estar da IA ​​e outras tecnologias de fronteira que excedem as fornecidas por computadores e formas anteriores de automação nas últimas décadas. Por outro lado, se a transição tecnológica não for gerenciada adequadamente, os EUA e a Europa poderão experimentar um crescimento mais lento da renda, aumento da desigualdade e do desemprego e reduções no lazer, na saúde e na longevidade.

Uma descoberta reveladora de nossa pesquisa é que a ameaça à renda e ao emprego está presente em todos os cenários prováveis, o que significa que ela não pode ser descartada ou ignorada. Se os efeitos adversos previsíveis da mudança para uma economia automatizada do conhecimento não forem abordados, muitos dos benefícios potenciais poderiam ser desperdiçados. Os formuladores de políticas devem estar se preparando para um esforço de reciclagem na escala do GI Bill de 1944 nos EUA.

Entre outras coisas, os governos hoje têm um papel crítico a desempenhar na oferta de educação e no redesenho de currículos para enfatizar habilidades técnicas e alfabetização digital. Eles também podem usar os gastos públicos para reduzir os custos de inovação para os negócios e direcionar o desenvolvimento tecnológico para fins produtivos por meio de aquisições e mercados abertos.

Leia também:  Inteligência artificial: GPT-3, ameaça ou possibilidade?

Mas os líderes empresariais também devem enfrentar o desafio. Se as empresas adotarem uma abordagem de autointeresse esclarecido em relação à IA e à automação – o que chamamos de “responsabilidade social tecnológica” – elas podem gerar benefícios tanto para a sociedade quanto para seus próprios resultados. Trabalhadores mais produtivos, afinal, podem receber salários mais altos, aumentando assim a demanda por produtos e serviços. Para capturar os benefícios de longo alcance das tecnologias digitais, IA e automação, precisaremos encontrar um equilíbrio cuidadoso, promovendo tanto a inovação quanto as habilidades para aproveitar o que ela desencadeia.

JACQUES BUGHIN

Escrevendo para PS desde 2016 
Jacques Bughin é diretor do McKinsey Global Institute e sócio sênior da McKinsey em Bruxelas.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. “Hoje, até os países com as expectativas de vida mais baixas do mundo têm uma expectativa de vida mais longa do que os países com as maiores expectativas de vida em 1800.” Então existem países que levaram 219 anos para ultrapassar as maiores expectativas de vida daquela época. E o autor escreve isso como se fosse uma grande vitória!
    E mais, o aumento da longevidade, desde 1800 para cá, em todos os países do mundo se deve muito mais ao saneamento básico e a melhoria e segurança alimentares do que a “Vacinas, novos produtos farmacêuticos e inovações médicas, como raios-X e ressonância magnética”.
    Ainda, o comentário sobre como o aumento de produtividade no século passado, batendo bumbo porque 1/3 desse aumento teria ficado com o trabalhador. E sobre os outros 2/3, nada? E, vejam bem, evita-se falar sobre o atual século, creio, porque existem estudos que mostram que os ganhos de produtividade nas décadas mais recentes, resultaram quase exclusivamente em: desemprego e concentração de renda.
    Enfim, sinceramente, esse artigo é um lixo. Pura propaganda.

  2. Desta vez a racionalização produtiva promovida pela automação não vai gerar, no futuro, nem mais empregos nem mais bem remunerados. Desde meados da década de 1970, quando a automação da 3a revolução industrial começou, o quadro do trabalho só piorou: a renda dos trabalhadores do 1o mundo, por exemplo, está estagnada ou caiu, o trabalho migrou da indústria para o setor terciário, as condições de trabalho são cada vez mais precárias e a desigualdade aumeta. Nos países subdesenvolvidos, a coisa é pior, como sempre.

    As novas tecnologias informáticas aumentam a produtividade mas não criam novos e bons empregos “lá na frente”, como aconteceu no pós-guerra – não haverá uma nova era dourada para o capitalismo, até os liberais já admitem essa dura realidade. Os dias atuais já são o “lá na frente” da década de 80 e as coisas só pioraram. E vai piorar mais, pois a revolução 4.0 vai expulsar o pouco que resta de trabalho humano da indústria e ainda vai substituir muita mão de obra do comércio e serviços, que funcionaram como válvula de escape do trabalho de 1980 até agora.

    A tendência é a maior parte dos humanos se tornarrem supéfluos para o capitalismo, afinal de contas, quem não faz dinheiro, para si ou para o patrão, não produz lucro e não exite socialmente como indivíduo: quam não tem trabalho não tem dignidade no capitalismo. A questão é: quando esta ondição massiva de inexistência social irá explodir em revoltas inadministráveis para o sistema? As atuais revoltas neofascistas, reacionárias, raivosas e insanas, são apenas uma amostra do caos e da barbárie que se anuncia.

    A solução seria construir uma outra sociedade, cujos valores não mais seriam fundados no trabalho humano, uma sociedade que aproveitaria a tecnologia não como instrumento de gerar lucro, mas sim para o benefício das pessoas, respeitando os limites do meio ambiente. Mas parece que estamos longe disso e perto do caos, infelizmente…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome