Chega de loucura, o Brasil deve reconhecer que não tem presidente, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Sempre que abre a boca para ostentar uma suposta virilidade, Bolsonaro agride a dignidade humana. Ele sabota o combate à pandemia e facilita a importação de armas.

Chega de loucura, o Brasil deve reconhecer que não tem presidente

por Fábio de Oliveira Ribeiro

Esta semana, o presidente brasileiro protagonizou mais um episódio grotesco. Ele imitou um gay ao ridicularizar o pavor causado pela pandemia e riu de 178 mil famílias cujos parentes morreram em virtude do COVID-19 https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/12/video-viral-de-bolsonaro-sobre-covid-traz-piada-homofobica-sobre-ozonioterapia.shtml.

Ele já tinha feito algo semelhante em abril de 2020 https://noticias.uol.com.br/colunas/chico-alves/2020/04/28/no-meio-da-pandemia-do-que-ri-jair-bolsonaro.htm.

Sempre que abre a boca para ostentar uma suposta virilidade, Bolsonaro agride a dignidade humana. Ele sabota o combate à pandemia e facilita a importação de armas. O desprezo que ele nutre e demonstra pela vida e pelo direito à vida é evidenciado por algumas de suas frases mais famosas:

“O erro da ditadura foi torturar e não matar.”

“Policial que não mata não é policial.”

“Vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre.

“Minha especialidade é matar.”

“Quem tiver arma de fogo, é para usar.”

Antes de assumir a presidência, Bolsonaro já havia dado algumas demonstrações de que é inapto para exercer a presidência da república https://jornalggn.com.br/crise/inaptidao-mental-para-tomar-posse/.

Alguns meses depois da posse Estadão disse num editorial que o presidente não tinha condições psicológicas de governar

https://opiniao.estadao.com.br/noticias/notas-e-informacoes,bolsonaro-em-davos,70002691926.

A Folha de São Paulo deu destaque ao seu comportamento paranoico

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/04/psicanalistas-veem-bolsonaro-com-atitude-paranoica-e-onipotente-diante-da-pandemia.shtml.

Dois grandes jornalistas e juristas de renome já cogitaram a necessidade de sua interdição do presidente brasileiro:

https://jornalggn.com.br/noticia/kotscho-bolsonaro-tem-problemas-mentais-e-precisa-ser-interditado/

https://jornalggn.com.br/a-grande-crise/mais-um-dia-de-loucuras-de-bolsonaro-por-luis-nassif/

https://jornalggn.com.br/noticia/estamos-num-quadro-de-insanidade-caso-de-interdicao-diz-jurista-sobre-bolsonaro/

https://jornalggn.com.br/noticia/confira-ha-elementos-para-pedir-a-interdicao-de-bolsonaro-por-insanidade/

É evidente que a conduta de Jair Bolsonaro se tornou mais errática e bizarra depois que ele foi infectado pelo COVID-19. Portanto, é plausível a hipótese de uma sequela mental incapacitante decorrente da pandemia

https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/08/18/um-em-cada-16-paciente-da-covid-19-desenvolve-doenca-mental-ate-tres-meses-apos-a-infeccao-aponta-estudo.ghtml.

Num regime monárquico, a questão da inaptidão mental é resolvida mediante a separação entre a pessoa do monarca e as funções governamentais que ele exerce. D. João foi regente de Portugal em virtude da mãe dele ter ficado louca. O transtorno mental do rei Jorge III da Inglaterra foi resolvido quando Jorge, o príncipe de Gales, assumiu as atividades políticas do pai. Luís II, rei da Baviera, também foi afastado das funções governamentais em virtude da insanidade mental.

O regime republicano não é imune a esse tipo de problema. Pode o presidente da república ser declarado mentalmente inapto para governar? A resposta é sim.

O que fazer quando um presidente começa a apresentar sinais evidentes de loucura?

Recentemente um Tribunal repeliu o pedido feito numa Ação Popular para que Jair Bolsonaro fosse submetido a um exame de sanidade mental https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/tribunal-barra-acao-popular-que-pedia-averiguacao-da-sanidade-mental-de-bolsonaro/. Essa decisão me parece adequada, pois meio processual escolhido era evidentemente inadequado. Como qualquer cidadão, o presidente da república pode ser réu numa Ação de Interdição ajuizada pelos familiares dele ou pelo Ministério Público.

O Brasil está totalmente desgovernado, diplomaticamente isolado e ruma para uma catástrofe sanitária e econômica. Não é mais possível tolerar o que está ocorrendo. Já que não existem condições parlamentares para o Impeachment (se houvessem Rodrigo Maia provavelmente teria iniciado o procedimento) e nenhum promotor tem coragem de ajuizar a Ação de Interdição do presidente enlouquecido, o Conselho Federal OAB deveria pedir ao STF que o declare Bolsonaro mentalmente inapto para exercer o cargo. Nesse caso, o vice assumiria a presidência com ou sem a aquiescência do Congresso e a crise seria politicamente contornada mediante o restabelecimento do presidencialismo de coalizão.

Não é golpe estado reconhecer que o país não pode mais continuar sendo golpeado por um mentecapto. Jair Bolsonaro deve ser removido da presidência de uma maneira ou de outra para que o Brasil não continue sendo removido do mapa. As necessidades humanitárias de 211 milhões de cidadãos são muito maiores do que as prerrogativas políticas de um só homem incapaz de governar.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Vladimir

- 2020-12-10 13:57:20

Fazer qualquer comentário sobre o sujeito que ocupa a presidência da República é chover no molhado. Isso já mostrou-se sem nenhum resultado positivo. O erro encontra-se em quere combater a figura sem perceber que ele é representante de uma parte significativa da sociedade que pensa e age exatamente igual a ele. Ainda hoje uma pesquisa do Poder Data indicou que 43% da população veem o governo desse sujeito como bom ou ótimo. É com essa gente,ainda que de nariz rapado,que devemos estabelecer contato. Não é possível que alguém, exceto o 1% mais rico,consiga,dentro de um mínimo de lucidez,enxergar qualquer, qualquer mesmo,área deste governo que possa ser avaliada positivamente. Qualquer indicador que se utilize mostrará o retrocesso e a selvageria em que estamos vivendo. Essa gente precisa entender isso é,somente entenderá, se tivermos a capacidade de diálogo ou,em outra hipótese, deixar a destruição prosseguir para ,quem sabe,acabar o feitiço.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador