Como é trabalhar com o pior Congresso da história? Pesquisadora responde à TVGGN

Parlamentares viveram dois momentos de protagonismo: nos anos 2000, com maior número de leis, e nos últimos anos, graças às emendas

Crédito: EBC

O programa TVGGN 20H da última sexta-feira (17) contou com a participação da  pós-doutoranda na EACH/USP e pesquisadora na Fundação POPVOX, nos EUA, Beatriz Rey, que fez um balanço sobre a atuação do Congresso Nacional. 

Entre os temas analisados pela pós-doutoranda estão os dois movimentos de fortalecimento do Legislativo Federal. O primeiro deles, ainda no início dos anos 2000, foi positivo, tendo em vista que os deputados federais e senadores passaram a ganhar mais protagonismo por formular leis. 

“Acho que até certa medida foi positiva algumas mudanças que foram acontecendo. O Congresso fez mudanças em relação a medidas provisórias, em 2001, para tentar enfrentar o protagonismo que naquele momento ainda estava muito forte na mão do executivo. Até aquele momento eu acho que a gente estava em um momento em que não necessariamente era ruim para a democracia brasileira”, comenta a pesquisadora.

Emendas

Nos dois primeiros anos do segundo mandato de Dilma Rousseff (2015-2016) e ao longo da gestão de Jair Bolsonaro (2019-2022), o cenário mudou. Segundo Beatriz, ambos os presidentes não usaram suas prerrogativas legislativas, dando mais poder aos parlamentares. 

“Agora o que começa a acontecer em 2015, com a impositividade das emendas individuais, depois em 2019, impositividade de emendas coletivas, vai desembocar, que ficou conhecido como orçamento secreto”, comenta a pesquisadora. 

Como as emendas são uma forma de conquistar o apoio do Congresso, a situação ficou fora de controle, na opinião da entrevistada. “A cada ciclo orçamentário aparece uma nova ideia, um novo jeito de tirar poder do Executivo e dar mais protagonismo para o Legislativo, de modo que o volume do de recursos orçamentários está ficando bastante fora do controle”, continua Beatriz.

Confira a entrevista completa no Youtube da TVGGN ou link abaixo e confira a análise de Beatriz Rey sobre o papel do centrão, a necessidade de termos os partidos de direita reorganizados e se a democracia brasileira corre riscos diante de um Congresso cada vez mais conservador.  

LEIA TAMBÉM:

Camila Bezerra

Jornalista

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador