‘O Brasil está sem dinheiro porque está sem governo’, por Janio de Freitas

São agora quatro anos de aumento da tragédia brasileira chamada pelo eufemismo de "desigualdade social ou econômica"

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Zeca Ribeiro / Agência Câmara dos Deputados

Jornal GGN – Na semana que passou, a Fundação Getúlio Vargas divulgou resultados de um estudo apontando que a renda dos 50% mais pobres no Brasil caiu 18% em quatro anos. Em contrapartida, a renda do 1º mais rico aumentou 9,5% no mesmo período. Os dados da desigualdade crescente são retomados na coluna de Janio de Freitas, deste domingo (18), na Folha de S.Paulo.

O articulista pondera que o estado de “coma” da economia brasileira se deve à falta de governo no país. Na sexta-feira(16), ao ser questionado sobre o risco de paralisia em programas federais, o presidente Bolsonaro admitiu que sua gestão enfrenta crise.

“O Brasil inteiro está sem dinheiro. Em casa que falta pão, todos brigam e ninguém tem razão. Os ministros estão apavorados. Estamos aqui tentando sobreviver no corrente ano”, disse.

“Dessa vez Jair Bolsonaro não mentiu, mas não é bem como disse. O Brasil está sem dinheiro porque está sem governo. E sem governo não há país que sobreviva como algo que seja ainda considerado país”, observa Janio.

“Faltam dinheiro e governo porque, com a produção industrial em queda contínua, o comércio em queda, queda até nos serviços e o crescente desemprego, a arrecadação de impostos e outras contribuições não alcança o mínimo necessário”, continua.

“Colapso a que Paulo Guedes, Bolsonaro e os militares retornados assistem com indiferença imobilizadora há quase nove meses. A solução que Guedes pesca em sua perplexidade é o seu apelo por dois ou três anos de paciência. Em economia não existe o conceito de paciência. Na vida dos países, muito menos”, completa.

Janio destaca que, durante as eleições, a promessa de campanha da chapa Bolsonaro, reverberada por jornalistas e setores econômicos que apoiavam o então candidato, era que já no primeiro ano de governo Bolsonaro, o país iria crescer 3% ou mais.

Leia também:  Lobby do agrotóxico: subcomissão na Câmara sobre uso de químicos é formada por ruralistas

“Desde o primeiro mês de 2019, no entanto, as previsões foram submetidas a sucessivos cortes mensais. Ainda a quatro meses e meio do fim de ano, já estão em 0,8% ou menos, havendo quem admita 0% no final”, pontua o articulista arrematando que ao prometer algo que não está cumprindo, Bolsonaro cometeu “estelionato eleitoral”.

“Esse resultado às avessas não se explica pelo mau legado de Henrique Meirelles e Temer, que, de fato, nada fizeram pela reativação da economia. Era por haver conhecimento geral daquela insanidade que o bolsonarismo buscava seduzir com os prometidos 3% de crescimento já. Além do golpe da internet, portanto, o estelionato eleitoral, na expressão criada por Delfim Netto”.

Janio registra que a economia brasileira começou a entrar em queda ainda em 2015, “com a campanha aberta pelo derrotado Aécio Neves contra os esforços de Joaquim Levy e Dilma Rousseff para controlar os passos da economia”, e que viria a se transformar no impeachment alterando a rota de crescimento onde o Brasil estava desde 2004.

Janio também aponta que a crise prevista na economia global, por conta da guerra comercial provocada pelo governo Donald Trump contra a China, “não poderá ser responsabilizada por coisa alguma no Brasil”.

“Se vier [a crise global], encontrará o país já em estado de coma – hoje mesmo à vista de quem quiser notá-la. Não é à toa que o turista Bolsonaro se entrega a cafonices e leviandades todos os dias, para desviar atenções. Nem que Paulo Guedes volte a propor a venda da Petrobras, fazer um dinheirão, usá-lo como se fossem os recursos adequados e deixar o país outra vez em coma quando o dinheiro acabar —ainda antes da eleição presidencial”, destaca Janio.

Ele chama a atenção ao fato de os dados divulgados pela FGV, sobre o aumento da desigualdade no país, não terem se tornado assunto de Bolsonaro nos últimos dias. “A preferência foi pelas fezes, citadas inúmeras vezes por meros anseios de uma coprofilia que, aliás, lhe fica bem”, avalia o articulista.

Leia também:  Dodge enviou manifestações contra porte de armas antes de deixar a PGR

“Hospitais, universidades, bolsas de estudo, pesquisas científicas, setores importantes em geral sofrem mutilações letais em seus recursos orçamentários porque ‘o Brasil não tem mais dinheiro’. Penúria que não impediu Bolsonaro de conceder R$ 3 bilhões, com a solidariedade de seus ministros civis e militares, no compra-e-vende para os deputados aprovarem a ‘reforma’ arrochante da Previdência”, lembra Janio.

*Clique aqui para ler a coluna de Janio de Freitas na íntegra.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. E não nos esqueçamos que tudo começa com a PE orçamento, colocada por Serra para amarrar as mãos do estado e impedi-lo de agir em momentos como este. E isto sob aplauso de nossos economistas, esta mílica de fanáticos do liberalismo e das leis do mercado de ações. Ou fanáticos da virtualidade, da economia sem lastro na realidade, e no lucro imaterial dos bitcoins.

  2. Por um lado está sendo governado pelos desvairios do presidente, mas por outro lado o plano de negócios, fantasiado de plano economico, ou de reformas e as privatizações estão de vento em popa. Mais um pedaço do presal, para a estatal norueguesa. Mas o objetivo de Guedes é deixar o país de joelhos, para justificar não apenas as reformas, mas o logo logo virá, que é nos deixar de joelhos e pedir socorro ao FMI. E assim depois de incrustrar na legislação um reforma trabalhista e capitalizar a previdência ( privatizar para o mercado) ficaremos sob as ordens do FMI. OU seja o pais será finalmente entregue ao Mercado, sem ciência, sem educação sem industria apenas uma colonia consumidora de serviços. Esta será o toque final do golpe. A Argentina já foi, veremos o que se segue

  3. Pois é Janio, só não vê quem não quer ou é conivente.
    Já estamos na lanterna dos afogados e falta só uma marolinha para sucumbirmos de vez, nem precisa de “crise global”.
    As desculpas constantes destes incompetentes ora no governo para encobrir sua falta de ações positivas e onde tudo é impecilho, lembra bastanta uma frase muito usada no botequim: “para o mau praticante de sexo até o testículo atrapalha”
    (A frase é mais agressiva, porém utilizei sinônimos bem “familia”. Srs revisores, ainda assim sintam-se a vontade para o corte caso julguem aplicável)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome