Os aplicativos e o aumento da precarização no trabalho

Fenômeno do Uber é tema de livro que mostra os riscos do app no direito trabalhista, apontando saídas via cooperativismo de plataforma 
Trebor Scholz, autor de ‘Cooperativismo de Plataforma’ alerta para a precarização que aplicativos de serviços trazem sobre o trabalhador
 
Jornal GGN – Apesar da grande diversidade de aplicativos a disposição do consumidor, esse é um mercado praticamente oligopolizado na atualidade. A prova disso está no seu aparelho de celular onde, muito provavelmente, os apps que você utiliza receberam investimentos da Google, Amazon ou Microsoft. Esse pequeno e forte grupo também está por trás do capital investido nos aplicativos de prestação de serviços mais acessados no mundo, como Uber e Airbnb. O alerta é do professor de cultura e mídia digital da The New School, de Nova York, Trebor Scholz, autor de ‘Cooperativismo de Plataforma: contestando a economia do compartilhamento corporativa’, que acaba de chegar ao Brasil pelas editoras Autonomia Literária e Elefante e a Fundação Rosa Luxemburgo. 
 
Scholz participou, conectado de Nova York, da coletiva realizada em São Paulo, no lançamento do seu livro para o português, destacando que a expansão desse modelo de economia do compartilhamento (sharing economics), ou economia sob demanda, ocorreu a partir de 2008, em meio à crise financeira mundial, como uma opção promissora por dois motivos: “Essas plataformas de intermediação provem grandes benefícios para você enquanto usuário. São fáceis de usar, você não tem muito trabalho e pode, ao mesmo tempo, consumir e ser um prestador, alguém que oferece esse tipo de serviço e ganha algum dinheiro com essas plataformas”. 
 
Mas existe um lado oculto desse modelo de negócios, que ganhou o nome de Uberização do trabalho, como explicou ao GGN o tradutor do livro, Rafael Zanatta, que também é pesquisador na área de tecnologias digitais: “Uberização é um conceito usado para designar esse tipo de economia, no qual você tem pares oferecendo um serviço ou um produto, uma relação de troca, mas, no meio, você tem um intermediário extraindo valor dessas partes e não estabelecendo uma relação de trabalho formal com elas”. Os donos das plataformas detêm, em média, 25% a 30% do valor dos serviços prestados, sem um contrato que assegure direitos trabalhistas. 
 
Outros dois pontos negativos levantados por Scholz é a transformação desses serviços em verdadeiras commodities e, ainda, a invasão da privacidade em nível massivo dos usuários que, para baixar esses apps, são obrigados a aceitar contratos que têm, como contrapartida, o acesso dos seus dados pessoais. Por isso, o pesquisador chama de “ilegal” a metodologia dessas plataformas que acabam tornando o Direito nulo: “Nenhuma delas respeita relações pré-existentes dos setores onde prestam serviços”, ressaltou. 
 
Apesar do cenário que aponta para um horizonte de menos direitos e garantias, Scholz traz no seu trabalho exemplos de cooperativas de plataformas digitais que deram certo. Como a Open Group Cooperativa, de Nova York, formada por trabalhadoras de limpeza e cuidado com crianças, eliminando completamente o modelo de intermediação entre prestadores de serviço e clientes. Além de maior retorno financeiro, as trabalhadoras têm voz decisiva na empresa. 
 
Scholz também destaca a experiência da Green Táxi Cooperative, na cidade de Denver, capital do Colorado, Estados Unidos, onde motoristas imigrantes formaram a empresa com o apoio do sindicato, para fazer frente ao Uber, atendendo hoje 37% dos usuários locais. Outra experiência é da Stocksy, uma cooperativa canadense de fotógrafos e artistas de imagem que já faturou 7 bilhões de dólares e reune cerca de mil profissionais. 
 
E por que elas deram certo?
 
Segundo o pesquisador, para a cooperativa dar certo os empreendedores precisam estabelecer o valor correto dos serviços para o mercado onde o trabalho será implementado. “A Stocksy é um bom exemplo, pensado por pessoas que já tinham experiência naquele mercado, sabiam exatamente qual era a demanda e qual a proposição de valor”.
 
Ele também afirmou que, diferente das grandes corporações, as cooperativas dispõem seus dados organizacionais na internet, de forma aberta e democrática, salientando ainda que dificilmente as experiências avançaram em precarização. Muito pelo contrário, o modelo dessas organizações é mais transparente e democrático, e aumenta o poder de ganho dos trabalhadores pela inexistência do intermediário.
 
Por fim, Trebor Scholz destacou que não encontrou exemplos da cultura misógina entre as cooperativas, tipo de violência “muito presente nas Startups do Vale do Silício, que colocam a mulher em situação de submissão plena”, concluiu.
 
O pesquisador da The New School reuniu ao todo 160 experiências de várias partes do mundo, e que podem ser acessadas pelo site Plataform.coop, convidando os brasileiros a compartilharem exemplos, independente da área de atuação.
 
https://www.youtube.com/watch?v=rTBX610x3i8 ]
 
Programadores, ativistas e trabalhadores
 
O GGN perguntou ao pesquisador Rafael Zanatta se as experiências de cooperativismo de plataforma teriam algo em comum, que pudesse ser estruturado para replicar esses modelos nas regiões em desenvolvimento e a resposta foi positiva, ao lembrar de outro case bem-sucedido de uma cooperativa de limpeza estabelecida em Boston, Estados Unidos. 
 
“O diferencial é que existia um projeto na Universidade do MIT tentando identificar experiências de cooperativas, e quando eles identificam que essas mulheres estavam se organizando, eles ofereceram programadores de graça. Então, tinha uma união ali de programadores, ativistas e trabalhadores. Nas várias experiências que a gente mapeou, sempre tem essa união: tem trabalhadores, tem o ativista e tem o programador. Acho que o que falta no Brasil é juntar esses três grupos. Esses grupos estão muito isolados. Se a gente tiver mais diálogo e fazer com que as pessoas conversem, a gente pode tentar florescer esses mercados de cooperativa de plataforma aqui no Brasil. É isso que está faltando”. 
 
Zanatta explicou que o período áureo dos aplicativos vendidos pelas grandes corporações começou em 2014 e está entrando em declínio, isso porque as pessoas estão se dando conta que o retorno financeiro prometido é ilusório. 
 
“Esse despertar é tardio porque a pessoa percebe isso depois de seis meses, um ano, um ano e meio trabalhando com as plataformas. Então já vi vários motoristas se organizando com seus sindicatos. Em João Pessoa tem um caso, por exemplo, de uma cooperativa que foi formada a partir de um sindicato de motoristas, eles criaram o próprio aplicativo para concorrer”, contou.
 
Zanatta salientou, entretanto, que a reforma trabalhista aprovada recentemente na Câmara dos Deputados, e em discussão no Senado, facilitando as regras para a terceirização, irá trazer impactos negativos para o setor cooperativista, mesmo que indiretamente.
 
“[A reforma] é um grande problema, porque vamos ter grandes plataformas de intermediação operando no Brasil que não vão ser cooperativas, fomentando um tipo de mercado que é hierarquizado, onde você tem um player, uma empresa que é o intermediador”. Por outro lado, assim como a “uberização”, implementada pelas grandes corporações, a reforma poderá elevar ainda mais a resistência dos trabalhadores e, consequentemente, incentivar a criação de cooperativistas. 
 
A grande questão é como os pequenos grupos de prestação de serviços locais vão conseguir fazer frente à eficiência ofertada pelas grandes corporações, não só em termos de estrutura de serviço, mas também em termos de divulgação. À essa pergunta Zanatta responde que a comunicação entre trabalhadores e clientes locais será a saída, como o caso dos trabalhadores motoristas de João Pessoa, que distribuíram panfletos pela cidade mostrando a perda de receita que eles sofriam por trabalhar com aplicativos como o Uber ou o 99. 
 
 
 
 
[video:https://www.youtube.com/watch?v=H3oFypz8R8c
 

19 comentários

  1. Meu Deus, quanto

    Meu Deus, quanto besteirol.

    Uber é uma plataforma que deveria ser usada para COMPLEMENTAR a renda dos motoristas. Agora, se o cara quer dirigir Uber achando que vai tirar 5 contos por mês – num emprego que não pede qualificação nenhuma – aí ele vive no mundo da fantasia. E, bem, quem achar que está ganhando pouco no Uber, pode tentar outra forma de ganhar dinheiro.

    Por enquanto, o Uber tem sido útil para milhões de brasileiros, dando possibilidade de transporte mais barato (inclusive pra classe C e D, que não usavam táxi pq era inviável) e dando possibilidade de renda para milhares de desempregados. Mas deve ser difícil para os estatólatras de plantão verem algo que funciona sem o dedo podre do Papai Estado.

    • meu Deus…..

      Nabucodonosor….. perfeito !!!!!! Mas então, liberdade sem a parte da hiena?  Papai Estado de quem? Do povo subjulgado ou de Feudos e Capitanias Hereditárias? Na capital e grandes cidades, como você citou, até as classes C e D estão andando de carro novo, com ar condicionado, que deixa as pessoas nas portas das suas casas, a qualquer hora, sem precisar esperar. Mas Esquerdopatas não tem argumentos sem o Estado Controlador. É a sua vida e única saída. E sua fonte de sobrevivência. E não estou contra um Estado Equilibrado, Nacionalista e Socialista defendendo a Sociedade contra o Poder e Influência do Capital. Mas é muito diferente do Parasitismo Estatal Ditatorial da Esquerdopatia. Fica escrachado a reação tão violenta. 

    • Em democracias, o estado é do

      Em democracias, o estado é do povo. Se o estado não tem sido do povo a responsabilidade é do próprio povo que elege privatista para cargo público. Além, é claro, dos que ocupando posto público, age como privatista. Mas é mais fácil o povo se apoderar do estado do que das empresas privadas: tanto as empresas privadas têm donos (por isso mesmo são privadas) quanto, por sua natureza, o estado é de todos.

      Compreendo os limites intelectuais, a enorme dificuldade de alguns em compreender a ideia “é de todos”. “Ou é meu ou é de alguma outra pessoa ou não é de ninguém. E se não é de ninguém, é de quem catar primeiro.”, pensam os privatistas, aleijados que foram da noção de coletividade, da noção de humanidade. Mas se é da natureza animal ser individual, é da natureza humana ser coletivo.

  2. Olhando o assunto como “Brasil”

    O governo não poderia ficar ausente e esperar respostas isoladas e específicas da parte de milhares de agrupações de trabalhadores ou cooperativas ao longo do Brasil. Depois de todo, olhando dentro de uma caixa chamada Brasil é o país quem perde 25 a 30% do dinheiro envolvido em serviços prestados aqui mesmo. O Brasil teria que procurar dar a satisfação ao Cliente (usuário) e também ao trabalhador atualmente “uberizado”, melhorando a eficiência do serviço sem ter que perder tanto dinheiro, como nação.

    Trata-se de uma nova modalidade de perdas internacionais, que o Brizola já teria apontado.

    No quadro atual, o modelo tradicional e cartorial de Taxi, com aproveitamento de alguns setores ou engessamento normativo em relação ao mesmo, tem feito que o custo do serviço seja caro hoje, aos olhos do consumidor. O governo brasileiro deverá estudar um novo formato, moderno e até com ajuda de aplicativos locais, para defender a economia brasileira, evitando que 25 a 30% do nosso dinheiro saem do Brasil apenas por conta de não sabermos organizar direito o nosso próprio e autônomo sistema de transporte.

    O problema não é apenas esse, mas, daqui a pouco novos aplicativos irão surgir, para diferentes setores de serviços, direcionando grande parte da renda nacional para empresas sediadas no exterior. É o Brasil sugado pelos portos, aeroportos e agora até pelo celular.

  3. Fora APP

    Abaixo os APPs

     

    Pela volta das ascensoristas, cobradores de ônibus e entregadores de gelo

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome