Procuradores, peçam desculpas à nação, por Agassiz Almeida

Procuradores, o que os senhores dizem de dezenas e dezenas de empresas destroçadas e milhões de desempregados causados pela operação Lava Jato?

Procuradores, peçam desculpas à nação

por Agassiz Almeida

Srs. procuradores da Lava Jato

Num chamamento às suas responsabilidades, dirigi aos senhores mensagens no objetivo de salvaguardar a nossa Instituição dos rumos imprevisíveis da operação Lava Jato, sobretudo da força tarefa coordenado pelo desatinado e comprometido Dallagnol. Investidos numa postura de semideuses no Olimpo, apenas ouvi como resposta ecos de um grunhir intimidatório. O Ministério Público não deve ser ultrajado por certos tipos, que à sombra de suas funções se desandam em ações vis e escusas. Criminosa é a iniquidade de se forjar condenações no propósito de servir a interesses de poderosas forças, destacadamente, internacionais. Escancarou-se a entrega das nossas empresas, do pré-sal, da Embraer e da base de Alcântara aos norteamericanos.

Que contrassenso! Lá, em Curitiba, num templo de justiça, onde estão os fiscais da Lei? Acumpliciados com um juiz carreirista, cuja magistratura renegou e se fez ministro da Justiça.

Plaza à razão! Há um despertar da nação diante das iniquidades. Assiste-se o desnudar de um autoritarismo delirante, diante do qual se curvou a sociedade às suas vontades, e num falso moralismo de Tartufo deixou um legado de estagnação da nossa economia, com a destruição de empresas nacionais e milhões de desempregados.

Para onde vamos? Não se procura alavancar o desenvolvimento econômico, alimenta-se o ódio; ao chamamento ao diálogo, ouvem-se berros. Enfim, o fanatismo vence a razão; a inteligência não tem voz, cede lugar à mediocridade. Do plenário mundial da ONU ecoou um primarismo de quintal à lá Queiroz, a despejar baba epilética contra índios, ambientalistas e negros. Impactado e enojado, o mundo olhou indignado e riu do Brasil. Esta peça oratória metamorfoseou-se num arroto universal.

Os anais desta Instituição não registram um vulto com tamanha desenvoltura ao grotesco e à ferocidade inconsequente como Bolsonaro. Nem Idi Amin Dada, Kadafi e Papa Doc. Nesta escalada da indigência mental, ele se faz insuperável.

Que fardo este infortunado Brasil carrega! Enorme idiotia pincelada por Rembrandt num painel genial.

Onde chegamos? Chegamos a mais deplorável condição humana: o ridículo raivoso.

Quando um povo se domestica e se fanatiza por um vulto perdido entre uma parada militar e a insensatez agressiva, calar-se é servir a um oportunismo de ocasião.

Quando os senhores, agentes do poder investigante, se acumpliciam com julgador e se desencaminham movidos por ambições pessoais, preconceitos ideológicos e partidários, a partir daí cairão sobre a sociedade prejuízos econômicos e políticos irreparáveis.

Procuradores, peçam desculpas à nação. Eis o cenário sombrio a que os senhores arrastaram o país. Empolgaram e manipularam a opinião pública com o apoio venal de uma mídia televisiva. E nesta escalada os senhores e o justiceiro Moro ajudaram a alçar ao poder um bando de desatinados, cujo vértice da estupidez culminou numa verborreia odienta do despreparado dirigente da nação, em que ele confundiu a ONU com um botequim no Rio de Janeiro. Pasmem! Uma massa de incautos fanáticos ainda acredita no falastrão palaciano.

Leia também:  Lições do anarquismo, por Felipe Corrêa

Vivemos num país surrealista onde o absurdo, o deboche e a ferocidade, vestida de fanatismo, se dão as mãos, tendo como paradigma uma elite burra e egoísta, enquistada numa mente de colonizado a se inebriar abestalhadamente diante dos ingleses, no século XIX, e, atualmente, dos norte-americanos, especialmente da parafernália Disneyland. Isto vem da nossa formação desde o período colonial, atravessa o Império e chega até nós. Analisem esta passagem humana. Os torturadores da ditadura militar (1964-1985), criminosos de lesa-humanidade, estão por aí desfilando uma impunidade satisfeita, enquanto nos outros países estes tipos amargam pesadas cadeias. Que aberração! O dirigente da nação chegou ao absurdo de glorificar no próprio palácio um torturador confesso.

E no carrilhão dos insensatos, tramas estratégicas de operações punitivas são dramatizadas com forte impacto emocional na sociedade; prisões cinematográficas e vazamentos seletivos de peças de inquéritos e de processos. Execram publicamente os acusados e os condenam sem julgamento.

Assim, nesta marcha, regredimos dois mil anos, quando se lançavam na arena do Coliseu, em Roma, cristãos para serem devorados por leões. Nos dias atuais se degradam os indiciados sob holofotes televisivos e os assassinam moralmente e as suas famílias. Onde chegamos? A insensatez inebria uma sociedade enferma de esperança e desorientada. Armou-se uma verdadeira Medusa de mil tentáculos: cabo de polícia fala alto numa esquina, juízes e procuradores se transvestem em predadores da própria justiça, distorcem as leis e descumprem a Constituição Federal. Eis aí, escancaradamente, a prisão em 2ª instância. Quem responderá por um erro judiciário ou uma condenação de má-fé, em caso de revogação da prisão por um tribunal superior? Quem? O destino… Que postura bizarra a do STF!

A iniquidade nos induz a não calar ante aqueles que pisoteiam a justiça e manipulam a verdade, por meio de uma operação anticorrupção desencadeada há mais de cinco anos e cujas vísceras foram expostas por um trabalho jornalístico do The Intercept Brasil e outros veículos de comunicação.

Destampou-se um conluio nefasto de procuradores e julgador.

Clamo aos indignados. O que se produziu deste conluio? Uma sociedade enferma que perdeu a sua capacidade de pensar e até de rir e de dialogar, anestesiada por um desvario fronteiriço à imbecilidade, e cuja mente se necrosa em assistir novelas e ouvir aquela voz empostada de William Bonner, no Jornal Nacional.

Leia também:  No horizonte... uma nova temporada de mártires de esquerda, por Victor Saavedra

Arrancaram do povo brasileiro a sua alegria e mataram a sua esperança e confiança de olhar o mundo e o futuro. Nos dias que correm, não se ouve dos dirigentes governamentais uma palavra que possa descortinar o amanhã. Despeja-se raivosamente um besteirol quase diariamente, e o país vai se isolando do contexto mundial. Às qualidades positivas que embasam a formação do povo brasileiro, contrastantemente, incentiva-se um furor animalesco, e assim a sociedade queda-se dividida.

A isto tudo, dá-nos uma sensação de que a classe média do país se posta como os passageiros do Titanic; enquanto o navio se afundava nas águas do Atlântico, eles dançavam ao som de uma orquestra.

Observem o forjar desta iniquidade. Do bojo processual de uma farsa criminosa condenaram o nordestino de Caetés. Onde estão os criminosos? Por aí, como danados fugitivos de suas próprias consciências. Neste país do reino de Abrantes, enquanto o mundo grita contra esta infame condenação, a elite tupiniquim ri cinicamente, e se esparrama etilicamente nas suas mansões nos EUA e nos Alpes suíços.

Desastres ambientais e humano

Nos momentos de graves conturbações naturais, políticas ou econômicas que se abatem sobre os povos, sobretudo os desastres ambientais, podemos mensurar o descortino geopolítico e a capacidade de decidir de um dirigente. Neste contexto, o homem público analisa os fatos e decide na projeção das circunstâncias que se desencadeiam, aí, ele catalisa as múltiplas ideias para um denominador comum e se sobrepõe as suas próprias energias. Eis um vencedor dos grandes desafios.

Analisemos. Confrontemos as lições dos tempos e da própria vida a sombria realidade deste desencontrado Brasil. Nos últimos meses, voragem de tragédias ambientais sacudiu a nação: o rompimento da barragem de Brumadinho, o devastador incêndio da floresta amazônica e, nesta hora, a avalanche de óleo petrolífero a se disseminar pelas praias do Nordeste.

Sobressaltado o país por estas catástrofes, onde estava o saltimbanco dirigente da nação e as medidas que adotou para enfrentá-las? Num mundo apequenado entre o despejar verborrágico contra líderes mundiais, ONGs e ambientalistas, e a preocupação inquietante com o seu clã, envolvido com traquinagens inomináveis.

Que cenário de indigência mental vivemos! Enquanto o Nordeste atordoado se debate com a inundação da orla costeira por borras de petróleo ameaçando devastar a vida marinha na região, o dirigente do governo, o único nas Américas, viaja para a inoperante e suntuosa coroação de um imperador japonês. Enquanto o quixotesco viandante envergonha o Brasil perante o mundo, os nordestinos, aos milhares, enfrentam com as próprias mãos, arriscando a saúde, a tragédia ambiental.

Leia também:  Lula voltou e é hora de construirmos a virada, por Ion de Andrade

Oh, inoperantes! Oh, incapazes! Mobilizem as forças vivas do Nordeste a fim de enfrentar este infortúnio ambiental! Rompam o tacanho primarismo de procurar os causadores do desastre, e vençam esta medíocre incapacidade governamental.

De Tóquio, na sua obsessão paranoica por ditadores militares, o desatinado dirigente do país destampa a tumba de milhares de chilenos assassinados pela tirania fardada e berra: Pinochet, que grande estadista! Esta monstruosa infâmia fere a consciência dos povos livres.

Da insólita difamação excretada por uma mente doentia, a comunidade internacional estarrecida antevê. Que sombrio destino se abate sobre o Brasil!

Procuradores, despertem

Eis o cenário humano a que os senhores juntamente com o justiceiro Moro arrastaram o país. Procuradores, os senhores empreendem uma caçada humana aos corruptos. Parabéns! E os grandes sonegadores fiscais que causam trilhões de prejuízos ao país, onde estão?

Procuradores, o que os senhores dizem de dezenas e dezenas de empresas destroçadas e milhões de desempregados causados pela operação Lava Jato?

Procuradores, o que os senhores falam da fraude eleitoral da eleição presidencial de 2018 com o impedimento e prisão do candidato favorito?

Procuradores, peçam desculpas à nação.

Esta indignação não quer calar.

Que as últimas palavras se dirijam aos ministros do Supremo Tribunal Federal.

Guardiões da Constituição Federal, decidam com altivez, não se curvem ao poder da força e nem aos aplausos das ruas. Lembrem-se da grandeza de Ribeiro da Costa, que engrandeceu esta Corte Constitucional.

Brade-se esta verdade! Que escárnio à nação, ao mundo e à própria justiça a condenação do ex-presidente Lula!

Atc.

Agassiz Almeida

Benemérito da Comenda “Ordem e Mérito”  concedida pela Associação Nacional  do Ministério Público (CONAMP).

Obs.: Agassiz Almeida, escritor, ativista dos Direitos Humanos, Promotor de Justiça posentado, ex-deputado federal constituinte, professor da UFPB. Autor das obras: “500 anos do povo brasileiro” (Ed. Paz e Terra), “A república das elites” (Ed. Bertrand Brasil), “A Ditadura dos Generais” (Ed. Bertrand Brasil), “O fenômeno humano” (Ed. Contexto). Dados colhidos na Wikipédia.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. O Brasil NÃO PODE aceitar desculpas desses procuradores e do sergio moro, deve persegui-los e acabar com eles. Hoje, amanhã ou depois. O Brasil foi traído.

    • Das análises publicadas por gente séria:

      I – A Petrobras, ao longo da sua existência, foi líder no desenvolvimento tecnológico, principalmente na tecnologia de fronteira na produção de petróleo no mar; demonstrou capacidade e ousadia descobrindo o Pré-Sal e foi responsável por parte importante do desenvolvimento econômico e industrial da economia brasileira em anos recentes, estimulando uma grande cadeia de fornecedores e produzindo matéria prima essencial à atividade industrial a preços baixos e em moeda nacional.

      II – A Operação Lava Jato fez a Petrobras reduzir o seu montante de investimento em 25%. A redução dos investimentos da Petrobras, de forma abrupta em função das denúncias da Lava Jato, custou milhões de empregos e forte contratação no Produto Interno Brasileiro. Somente entre 2015 e 2016, a Operação Lava Jato foi responsável por algo em torno de 2,5% da retração do PIB, uma queda da arrecadação de R$ 146 bilhões relacionada, principalmente, à paralisia das atividades nos setores metalmecânico, naval, construção civil e engenharia pesada. Esses não apenas são setores intensivos em mão de obra – no caso da Construção Civil – como são setores de ponta, representando uma das poucas atividades econômicas das quais o Brasil tinha competitividade internacional, prioritariamente no caso da engenharia pesada. Desastre.

      III – A fórmula do desmonte nacional: enfraquecer nossa principal empresa estatal, líder mundial na exploração de petróleo em águas profundas; criminalizar sua política de investimento; reduzir os empregos e as encomendas nas empresas fornecedoras e, por fim, atacar um dos poucos setores econômicos nacionais com elevada produtividade e alto desenvolvimento tecnológico. Tudo isso atende aos interesses dos inimigos do povo brasileiro já ativos no governo FHC (setores da classe dominante atrelada aos interesses imperialistas). Sérgio Moro e procuradores caipiras deslumbrados, todos verdadeiros canalhas, foram treinados para atuar o plano.

      IV – A extrema pobreza disparou no Brasil após golpe de estado contra Dilma. O percentual de pessoas na extrema pobreza bateu recorde no ano passado e atingiu 6,5% (13 milhões de pessoas). Além dos 12,5 milhões de desempregados, há outros quase 39 milhões de pessoas “se virando” como podem: trabalhando sem carteira ou por conta própria. Nunca antes na história do nosso país tamanha parte dos trabalhadores não têm direito algum.

      V – Com a fraude eleitoral, elegera-se presidente um capitão com passado terrorista que levara um pé na bunda do exército. Donos de puteiro, saudando puteiros mais elevados, garantes do golpe (generais e ministros do Supremo), celebram a selvageria, a vingança, a destruição dos direitos e das leis.

      VI – O Brasil ficou ao sabor da vontade de Cristo e das milícias: água, fogo, óleo… e tiros vindo do céu. Omnia quae visibiliter funt in hoc mundo, possunt fieri per daemonis, avisou santo Agostino.

      VII – O Canalha moro —- Enquanto brasilianistas reunidos num congresso realizado em setembro passado na França denunciam o desmonte do ensino no Brasil, sérgio moro, indiferente aos 13 milhões de desempregados, obedece e dá ordens para iniciar o programa de substituir mão de obra brasileira por estrangeira: cria um grupo que deverá “levantar informações sobre áreas estratégicas para o desenvolvimento nacional”, realizar um diagnóstico sobre o “déficit de competências profissionais do país” e apresentar proposta para simplificar a entrada no país de estrangeiros que tenham essas qualificações e queiram ocupar as vagas.

      VIII – E o descontentamento popular? E se ele explodir?
      Ora, chama as FFAA e manda bater, prender, torturar e matar. O alto comando das FFAA está de prontidão (pela aprovação de uma reforma previdenciária que lhes aumente os soldos da ativa e os proventos da reforma. Quem sabe se dessa vez Jair Messias realiza o seu programa de matar vinte e nove mil novecentos e noventa e nove brasileiros (se FHC ficar de fora) e levar o Brasil para a direita… A impunidade permitiu que o general Vaselinas-Boas já com um pé na cova aumentasse seus proventos como assessor especial de porra nenhuma, condicionasse o STF na prisão do Lula e declarasse dispor de 300 mil soldados pret a portèr! Para defender o território nacional? — Apagar incêndio? — Para proteger a Amazônia? — Defender o Pré-Sal ? — Recolher o óleo das praias e zelar pela nossa integridade e soberania? Não. Ele ameaça a sociedade civil: trabalhadores, desocupados, estudantes, donas de casa, aposentados.

      IX – O Índice de confiança do cidadão na justiça (ICJBrasil) apresentado pela Fundação Getúlio Vargas revela uma sociedade esquizofrênica: o índice de confiança do cidadão nas FFAA (60%) é superior à Igreja (50%), ao poder judiciário (30%), e ao Congresso Nacional (12%) !!

      X – Bem, depois de tudo isso e muito mais, tem quem peça aos procuradores de pedir desculpas pelo o que fizeram ao Brasil…

  2. Essa coisa de ficar dizendo que alguém ou “alguéns” tem que pedir desculpas, tá ficando chato. O caso em questão é que essa turma tem que ser julgada e presa, dentro daquilo que eles não conhecem ou fingem não conhecer; os limites da lei.

  3. peçam desculpas, perdão, se ajoelhem no milho e, principalmente, entreguem seus cargos. Não são dignos de ocupar função pública, não defenderam o país, o povo nem mesmo a instituição à qual pertencem. Vão palestrar, pra quem estômago pra ouvir bobagem.

  4. ao reassumir a nação, a esquerda deve justiçar em praça publica metade dos procuradores, e a outra metade demitir sumariamente

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome