Quem afinal defende bandidos?, por Maria do Rosário

Por Maria do Rosário

A experiência política realizada por gerações retrocede muitos tempos com os Bolsos no poder. Em vinte e poucos dias de governo, dá pra ver uma espécie de família da casa grande, que é contra pobres, negros, índios e mulheres. A família destes senhores quer beneficiar seus iguais com o livre uso de armas, para que fiquem com terras que nem são suas. Mas quem se importa se elas foram dos índios? E quem se importa com o que diz a Constituição sobre direitos indígenas? Isso não conta na era “Bolsos”.

Em 1989 os eleitores que votaram em Collor como “O Caçador de Marajás”, descobriram que ele era o próprio, sentado no elefante não apenas de um mísero Fiat Elba, mas do esquema corrupto de PC Farias. Isso demorou dois anos e cinco meses.

Não demorou todo este tempo para que graves escândalos pululem deste governo. Com Bolso está sendo rápido. Quando achávamos que era o Queiroz com seus milhões em depósitos e mortes marcadas no cabo do revólver, muito mais coisa aparece. Enquanto lê-se que Queiroz samba na cabeça do eleitorado de Flávio e do chefe que deu nome ao clã, outra linha de investigação esbofeteia os ingênuos. E aí? O Brasil gigante acordou? Não. Para não ter visto quem eles são antes das eleições, as pessoas estiveram em uma espécie de transe sobre muitas coisas.

Mas os novos fatos impressionam até mesmo quem sabia da falta de caráter de uns e outros que foram citados nos últimos dias. Vamos aos fatos: menos de um mês após a posse presidencial, a investigação de um esquema de Flávio Bolsonaro, senador eleito, membro da cúpula do governo e como os demais herdeiros, um deslumbrado com o acesso ao poder, aponta o envolvimento do clã Bolsonaro com uma organização criminosa conhecida como “Escritório do Crime”. A ligação é comprovada com homenagens rendidas por Flávio, em seu mandato de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, aos dois principais alvos da operação “Os Intocáveis”, suspeitos de envolvimento no covarde assassinato da vereadora, Marielle Franco (Psol-RJ), e de seu motorista, Anderson Gomes.

Leia também:  Future-se e o aporte de recursos de empresas, por Renato Dagnino, Wagner Romão e Rogerio Bezerra

Dizer que o envolvimento desse clã com milícias, assassinos e policiais corruptos não era algo que se tinha ideia, é falso. Mas nem nos piores pesadelos, onde a criatividade do horror se multiplica, a proximidade com pessoas ligadas de alguma forma à execução de Marielle, nos veio à mente. Sim, PMs que assassinaram a Juíza Patricia Acioly foram defendidos a época pelo clã. Sim, eles defendem a prática da tortura e estupro contra esquerdistas, feministas, comunistas, como na ditadura, e berram que querem “metralhar petistas”. E sim, seu discurso institui ódio contra defensores de direitos humanos. Mas estarem vinculados pessoalmente, de alguma forma, aos assassinos de Marielle? Isto dá um fim a todos. Quem vai defendê-los? Quem não admitirá que caiu na maior lorota do mundo? Os que diziam “bandido bom é bandido morto” entre olhares diziam, “menos os nossos, menos nós!”. E quem afinal defende bandidos?

Não era Marielle, não é Freixo, Jean Wyllys, não sou eu. Defendemos o Estado de Direito e a Lei. E eles?

Eles foram muito além de quebrarem as placas. Quebraram a cara de todos os que de boa fé (porque existiram) lhes deram seu voto. Agora os eleitores que votaram em Bolsonaro como “Caçador de Bandidos”, estão atônitos e pensam sobre quem ele é realmente. Outros não se importaram com a identidade desde sempre revelada, do propagador do ódio contra mulheres, negros, índios, gays e estrangeiros, talvez porque acreditassem no mito. Os que acreditavam no “mito” descobriram que a palavra não é adequada: está mais próxima de uma simples fábula.

Leia também:  Acumulação de capital imagético com a assistência policial ao suicídio, por Fábio de Oliveira Ribeiro

A moral desta fábula? Se traduz na dica básica e primária da internet: não espalhe ou acredite em fake news. Você acabará contribuindo para dar poder ao sobrenome da corrupção e do crime. Aliás, ele não é Silva. Silva é o sobrenome de sofrer injustiça. O sobrenome que o Coaf identificou é Bolso-Queiroz.

Por Marielle, Anderson e todas as vítimas.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. RESPOSTA NA PONTA DA LINGUA

    QUEM MAIS DEFENDE BANDIDOS, PELA ORDEM, SÃO: SÉRGIO MORO, DALAGNOL, ALGUNS FULANOS DO TRF4, OUTROS FULANOS DO STJ, MAIS A ESCÓRIA DO TSE, ALÉM DA ESCÓRIA DO STF…..TODOS DE UM BANDO DE SALAFRÁRIOS QUE NÃO TÊM VERGONHA NA CARA E USAM DA JUSTIÇA PARA PERSEGUIR LULA E PÉTISTAS EM GERAL E “INOCENTAR” O RESTO DOS LARÁPÍOS TUCANOS, DO DEM, DO MDB, DO PP, ENFIM DA CAMBADA PARA OS QUAIS BANDIDO BOM E BANDIDO MORTO, DESDE QUE OS BANDIDOS NÃO SEJAM SEUS AMIGOS……OU SEJA, FALTA MESMO É VERGONHA NA CARA PARA NÓS, POVÃO, COVARDES QUE NÃO ELIMINAMOS TODAS ESSAS PRAGAS DAS NOSSAS VIDAS.

  2. Quem é profissional da área, monta até escritório do crime

    Quem fatura com o crime não vai querer que acabe. Quem se aproveita da corrupção e usa do discurso vazio e falso, vai precisr dos corruptos também. A sonegação que é causa mestra, não combatem

  3. Quem é profissional da área, monta até escritório do crime

    Quem fatura com o crime não vai querer que acabe. Quem se aproveita da corrupção e usa do discurso vazio e falso, vai precisr dos corruptos também. A sonegação que é causa mestra, não combatem

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome