Postura de Mourão é ‘coerente’, segundo Miriam Leitão

Para jornalista, deboche do vice-presidente ao tratar dos áudios sobre torturas na ditadura confirma importância de tal material

Estudantes detidos no estádio de General Severiano, no Rio de Janeiro. Foto: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, DOPS-GB D.789 (Foto 14).

A ironia e deboche do vice-presidente Hamilton Mourão sobre os áudios do Superior Tribunal Militar não só confirmam a importância do material, como mostram a coerência de um defensor de Ustra.

Em seu blog no jornal O Globo, a jornalista Miriam Leitão lembra que tanto Mourão como Jair Bolsonaro afirmaram publicamente que o coronel Brilhante Ustra, que chefiou o DOI-CODI na ditadura militar, era um de seus heróis.

Vale lembrar que, durante a gestão de Ustra, mais de 40 pessoas foram mortas sob tortura, e inúmeras pessoas foram torturadas no prédio do DOI-CODI.

“As autoridades desse governo ou negam ou debocham de coisa séria, que é a reconstituição de um período doloroso da nossa história”, ressalta Miriam Leitão.

Segundo a jornalista, a equipe do historiador Carlos Fico está trazendo as vozes das vítimas de volta, e elas têm muito a dizer sobre um período que Mourão e Bolsonaro defendem e que os próprios militares impediram uma investigação aprofundada.

Leia Também

Mourão ri de áudios sobre torturas: “Vai trazer os caras do túmulo de volta?”

Áudios mantidos pelo Superior Tribunal Militar comprovam torturas na ditadura

Um tumor chamado Jair, por Ricardo Mezavila

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Renan Costa

- 2022-04-18 20:23:44

Manter as academias, AMAN, AFA e ESCOLA NAVAL, fechadas por pelo menos 3 anos para revisão de sua política educacional, e de importância vital para a democracia e colocação da MILICADA nos seus devidos lugares.

ze sergio/sorocabanoburaco

- 2022-04-18 18:26:34

Presa Política grávida? Não foi aquela enviada para Campos de Concentração e Crematórios Nazistas com o aval do pária STF? Não dá mais tempo para julgar os Fascistas que cometeram tal atrocidade, preservando a parceria que tinham com abjeta ideologia, mas é possível retirar símbolos públicos destas Figuras da Ditadura Assassina Esquerdopata-Fascista. A começar pelo Golpista Getúlio Vargas e Familiares de seu Nepotismo entre canalhas Tancredo Neves, Jango, Leonel Brizola. Ou mesmo seus Jagunços Assassinos de Aluguel como Filinto Muller. Já seria um recomeço como esta revolução do Povo Brasileiro a partir de 2018 sob o comando de seu Presidente Bolsonaro. Reescrever a verdadeira história brasileira do Povo Brasileiro. E exterminar de vez o Revisionismo Histórico que já dura lamentáveis 92 anos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador