Comunidade se une para desobstruir praia famosa na Bahia, por Mariana Damaceno

Destino turístico de celebridades como Neymar e Grazi Massafera tem área da praia invadida por milionários e recebe ação coletiva dos moradores

Divulgação

do BrCidades

Comunidade se une para desobstruir praia famosa na Bahia

por Mariana Damaceno

Há alguns dias, a comunidade da Península de Maraú, no Sul da Bahia, está empenhada em devolver à população faixas de areia que foram tomadas por donos de casas na praia. A ação, que há alguns dias envolve, inclusive, o trabalho de retirar à mão cercas e plantas que os invasores usaram para impedir a passagem das pessoas. “Eles colocaram madeira e um monte de planta grande, com espinhos, para ninguém conseguir passar”, explicou um dos integrantes do grupo, batizado de Coletivo de Defesa do Meio Ambiente da Península de Maraú.

O grupo surgiu no dia 20 de agosto, depois que a população sentiu a necessidade de se unir para parar a construção irregular da ex-secretária de Turismo, Nilza Vicente Costa Santos, que esteve no governo na região por dois mandatos. Atualmente, ela, que tem uma pousada beira-mar, é membro do governo local.

Nesse mesmo caso, a população conseguiu embargar a obra, que já tinha sido notificada pela prefeitura para que não continuasse, mas seguia em pleno vapor. Agora, a luta é para que outras propriedades recuem suas cercas e devolvam a praia aos banhistas. Isso porque a Lei 7.661/1988 diz que “as praias são bens públicos de uso comum do povo, sendo assegurado, sempre franco acesso a elas e ao mar, em qualquer direção e sentido”.

Até o presente momento, essa segunda fase da ação do coletivo já conseguiu recuperar a área pública de três propriedades. No entanto, os invasores permanecem contra. “No domingo, fizemos um piquenique da comunidade, para ocupar a praia e mostrar que o espaço é público. O dono da casa de praia contratou umas 20 pessoas para intimidar, ameaçar, constranger os moradores e tirar a gente de lá”, lembra um dos moradores que não quis se identificar.

Segundo ele, as pessoas contratadas pelo invasor chegaram em vans e ficaram o tempo inteiro em pé observando a movimentação do Coletivo, bem na área desobstruída. A ideia era impedir que qualquer um ficasse ali. Um grupo de crianças presente no piquenique se aproximou para jogar bola, também foi expulso quando tentou se aproximar.

“Foi aí que uma parte do grupo decidiu ocupar a área que desobstruímos, pois até então, por medo de algum conflito, ficamos ao lado”, diz outro morador que também não quis dizer o seu nome. “Também optamos por chamar a polícia e só assim pudemos ficar na praia que desocupamos.”

Quando a polícia chegou uma mulher que se identificou como Wanda e que alegou ser advogada do proprietário da casa que tem os limites ilegais apareceu, alegando que ninguém pode sentar ou ficar ali porque “os donos não querem”. Segundo ela, há um documento que dá direito sobre a terra. O tal documento a que se refere a advogada nunca foi mostrado ou explicado.

Vídeos que o Coletivo gravou [1] durante todas as ações mostram como tudo aconteceu [2]. Na segunda-feira (04/09), cerca de 20 pessoas do coletivo foram à delegacia prestar queixa contra o episódio, mas a delegada que atende a península alegou outros compromissos e sequer registrou a ocorrência.

Destino famoso na Bahia

A Península de Maraú tem sido um destino turístico bem procurado por celebridades. O jogador Neymar reuniu estrelas para o Réveillon durante alguns anos no local.

Este ano, nomes como Grazi Massafera, Di Ferrero e Isabeli Fontana passaram por lá. A digital influencer Gabriela Pugliese e a família também têm casa na região.

Mariana Damaceno é jornalista brasiliense, atualmente responsável pela assessoria do Coletivo de Defesa do Meio Ambiente e outros Direitos de Maraú-Bahia e parceira da Rede BrCidades.


[1] https://www.instagram.com/reel/CwvdA0ggCVw/?igshid=MzRlODBiNWFlZA==

[2] https://www.instagram.com/reel/CwvE51VgFqz/?igshid=MzRlODBiNWFlZA==

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador