BC projeta que contágio por corona no Brasil será mais grave que na China e Itália

"Na Itália era previsão de 60% de contágio e aqui, de 80%. Podemos atingir o pico em um mês. Mas tudo vai depender da prevenção", diz Guedes

Jornal GGN – A projeção da taxa de contágio por coronavírus no Brasil aponta para um quadro ainda mais grave do que a situação assistida na China e Itália, que são os dois países mais prejudicados pelo pico da doença até agora.

A projeção do que poderá ocorrer em solo nacional foi feita pelos técnicos do Banco Central, segundo revelou o ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista à Folha desta segunda (16).

Guedes afirmou que teve acesso aos números após uma reunião no Congresso com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e outros ministros do governo Bolsonaro, incluindo o da Saúde, Luiz Mandetta.

Questionado, o economista não soube repassar os detalhes da projeção do BC à reportagem, mas fez uma comparação com a situação da Itália.

“Não me lembro exatamente [dos números do BC]. Mas era algo assim: na Itália era previsão de 60% de contágio e aqui, de 80%. Podemos atingir o pico em um mês. Mas tudo vai depender da prevenção.”

Guedes afirmou que “foi essa quantificação, feita pelo Banco Central, que me assustou.”

O BC, segundo explicou o ministro, “tem modelos estatísticos calculando a velocidade de contágio” humano. Embora o papel da instituição seja o de acompanhar dados relativos à economia, “assim que surgiu a preocupação com o coronavírus, o Mandetta pediu ajuda a quem pudesse dar.” E o BC “tem modelos estatísticos, altamente matemáticos, que permitem modelar qualquer coisa. Modelaram a velocidade de contágio.”

Ainda de acordo com Guedes, o governo “achava que a coisa ia bater aqui em maio, e não deveríamos ser tomados pela neurose antes da hora, para não parar a economia antes da hora.”

Leia também:  O fantasma da fraude nas eleições dos EUA e do Brasil

Na semana passada, porém, o presidente da Câmara Rodrigo Maia criticou e cobrou Guedes publicamente, pela falta de um plano de curto prazo para lidar com os impactos do coronavírus sobre a economia.

Guedes insistiu, na entrevista, que a melhor resposta a curto prazo seria aprovar medidas que estão paradas no Congresso, como a privatização da Eletrobras.

“O baque do coronavírus é temporário: o contágio sobe rapidamente, fica três meses e depois desaba. A China já está se recuperando. Eu preciso estar preocupado com o reforço das nossas defesas durante e depois da crise. Podemos transformar a crise em reformas. As reformas trarão as bases para gerar crescimento, emprego e renda após o surto, lá na frente”, disse.

Leia também: Como a Fiocruz se preparou para a guerra contra coronavírus antes do governo acordar

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Há duas posturas diante da crise: (1) prevenção e solidariedade; (2) laissez-faire. A primeira foi adotada na China e na Europa continental. A segunda é defendida na Inglaterra. O argumento dos defensores do laissez-faire é: deixe a infecção se propagar entre os que não são idosos. Os jovens se tornariam imunes e não mais seriam transmissores. Os velhos (os que sobrevivessem, é claro) estariam no futuro mais protegidos.
    Penso que, na verdade, há um cálculo econômico e ideológico na segunda estratégia (que já foi, de certo modo, exposto aqui no GGN), a saber, o custo da primeira postura seria muito alto e, por exigir grande intervenção estatal, colocaria em questão o próprio sistema neoliberal.
    Não acredito que o laissez-faire venha a ser adotado na Europa continental e mesmo nos EUA. E aqui? Especulo: por um lado, é possível que – em decorrência do colapso do estado promovido pelo golpe e pela força da direita no Brasil – os neoliberais acabem por adotar a estratégia do laissez-faire; por outro, há um risco político enorme associado a defesa pública dessa postura, pela indignação social que poderia provocar. Mas, é possível adotá-la silenciosamente, sem uma defesa explícita? Talvez a negação da epidemia deva ser vista nesse contexto. Repito: apenas especulações.

    20
    6
    • OS que defendem o segundo modelo deveriam ir num hospital se infectar e passar a doença para aqueles que concordam com ele.

      11
      1
  2. se era crucial a imposição do medo para manter o goVerno, imagine agora com essa pandemia do bolsonavírus…
    .a DIREITA TÁ COM TUDO NA MÃO PARA IMPLANTAR O MEDO COMO SEMPRE QUIS,É ISSO?

    5
    20
  3. Guedes é delirante ou completamente irresponsável. Deveria propor abolir o teto de gastos e intervir pesadamente na saúde, antes que seja tarde, O refluxo da expansão do vírus não é nenhum fenômeno natural, mas o resultado das medidas adotadas para combatê-lo. Sem estas, não há refluxo a curto prazo e as mortes se multiplicarão.

    7
    9

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome