Deputados querem convocar presidente do Coaf sobre investigação de Glenn Greenwald

Presidente do Conselho foi indicado pelo ministro da Justiça Sergio Moro, que teve mensagens divulgadas pelo diretor do Intercept Brasil

Presidente do Coaf, Roberto Leonel de Oliveira Lima. Foto: CRCPR

Jornal GGN – A Câmara dos Deputados pode convocar o presidente do (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), Roberto Leonel de Oliveira Lima para prestar esclarecimentos se o órgão está ou não investigando o jornalista Glenn Greenwald. A informação é da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo.

“O deputado Orlando Silva (PCdoB) está pedindo que o TCU (Tribunal de Contas da União) compartilhe com os parlamentares os documentos apresentados pelo Coaf e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, respondendo a questionamentos da corte sobre a suposta investigação”, escreve a colunista.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Greenwald lidera o site The Intercept Brasil, liderado por Greenwald, que tem divulgado conversas entre o ex-juiz, e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, e procuradores da Lava Jato.

O Coaf é submetido ao comando do ministério da Economia mas seu presidente, Oliveira Lima, foi indicado para o cargo pelo ministro Moro (Justiça). Ele foi auditor-fiscal da área de inteligência da Receita Federal e atuou na Lava Jato.

Ainda, segundo Bergamo, caso o Coaf alegue questões de sigilo, parlamentares defendem uma sessão secreta para que ele enfim esclareça a questão.

Na semana passada, o Tribunal de Contas da União (TCU) enviou um questionamento ao Coaf, se o órgão estaria ou não analisando as movimentações financeiras do jornalista do Intercept.

O presidente substituto do Conselho, Jorge Luiz Alves Caetano, enviou uma resposta em ofício, de quatro páginas, afirmando, de forma genérica, que “o Coaf não realiza investigações, nem mesmo a pedido da Polícia Federal ou de qualquer outro órgão, tampouco analisa financeiramente as contas de pessoas físicas ou jurídicas”.

Leia também:  STF pode barrar indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada

Por outro lado, Caetano escreveu no mesmo ofício que “poderá ocorrer que o Coaf produza um RIF (Relatório de Inteligência Financeira) ao obter, por comunicação feita pela Polícia Federal, algum elemento de informação que se revele, em conjunto com informações já possuídas pelo Coaf, significativo para a identificação de fundados indícios da prática de crime de lavagem de dinheiro ou de qualquer outro ilícito. Em que pese o jargão se referir a esse modelo como ‘RIF a pedido’, não se trata, a rigor, de um RIF por encomenda. Segue sendo uma autuação desempenhada ex ofício [por imperativo legal]”, sem esclarecer se fez um RIF sobre Glenn Greenwald.

O ministro da Economia, Paulo Guedes também foi notificado pelo TCC. Ele disse que não tinha sequer conhecimento dos fatos noticiados e ainda que não determinou “nenhuma providência por parte do Coaf em eventuais investigações levadas a efeito”.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado recebe nesta quinta-feira (11) o diretor do Intercept Brasil para falar sobre os diálogos de Sérgio Moro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Toda essa conversa de Coaf “investigando” Greenwald ignora que nao existe possibilidade dele estar envolvido em falcatruas financeiras maiores que a esposa de Moro com aquele advogado, ou maiores do que as que Tacla Duran revelou aa Interpol (foi sumariamente exonerado) sobre o pedido de 5 milhoes e pagamento documentado de 612 mil reais a voces-sabem-quem chegadinho de Moro.

    Essa possibilidade nao existe MESMO, viu, gente?

    Greenwald nao eh corrupto. Corrupto ate a alma eh o chefe da policia federal brasileira, Sergio Moro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome