Custo da cesta básica sobe no ano e no acumulado em 12 meses

Uma família de quatro pessoas precisaria de um mínimo de R$ 6.388,55 para viver; valor da cesta básica perdeu força no mês

 AGÊNCIA BRASIL

O custo da cesta básica subiu de preço em todas as capitais pesquisadas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) ao longo deste ano e no total acumulado em 12 meses.

No mês de julho, o custo do conjunto dos alimentos básicos perdeu força em 10 das 17 cidades pesquisadas, com destaque para Natal (-3,96%), João Pessoa (-2,40%), Fortaleza (-2,37%) e São Paulo (-2,13%).

As sete cidades com alta de preços foram Vitória (1,14%), Salvador (0,98%), Brasília (0,80%), Recife (0,70%), Campo Grande (0,62%), Belo Horizonte (0,51%) e Belém (0,14%).

Contudo, a comparação do valor da cesta entre julho de 2022 e julho de 2021 mostra que os preços subiram em todas as capitais, com variações que oscilaram entre 11,07%, em Aracaju, e 26,46%, em Recife.

Em 2022, o custo da cesta básica apresentou elevação em todas as cidades, em especial no Recife (15,83%), Belém (13,70%), Aracaju (13,48%) e Brasília (13,25%).

São Paulo tem cesta básica mais cara do país

Segundo o Dieese, São Paulo foi a capital com a cesta básica mais cara do país no mês de julho, chegando a R$ 760,45, seguida por Florianópolis (R$ 753,73), Porto Alegre (R$ 752,84) e

Rio de Janeiro (R$ 723,75).

Nas cidades do Norte e Nordeste, onde a composição da cesta é diferente, os menores valores médios foram registrados em Aracaju (R$ 542,50), João Pessoa (R$ 572,63) e Salvador (R$ 586,54).

O Dieese destaca que, com base na cesta mais cara (São Paulo), o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria ter sido de R$ 6.388,55, ou 5,27 vezes o mínimo de R$ 1.212,00.

Em junho, o valor necessário era de R$ 6.527,67, ou 5,39 vezes o piso mínimo. Em julho de 2021, o valor do mínimo necessário deveria ter ficado em R$ 5.518,79, ou 5,02 vezes o valor vigente na época, de R$ 1.100,00.

Leia Também

Projeto da Câmara corrige equívoco do STJ sobre rol da ANS, avalia Idec

Câmara vota MPs do teletrabalho e nova flexibilização trabalhista nesta semana; veja o que pode mudar

Pequena melhora oculta tragédia do mercado de trabalho, por Luis Nassif

Desemprego cai no 2º trimestre; analista vê melhora “de má qualidade” nos índices de 2022

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador