IBGE aponta níveis recordes de trabalho doméstico e por conta própria

Total de trabalhadores atuando no setor privado sem carteira registrada subiu 10,1%; rendimento também perdeu força

Foto Repórter Brasil

Jornal GGN – Os dados do mercado de trabalho brasileiro divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) destacam o avanço do trabalho informalAs políticas públicas e a falta de visão sistêmica, por Luis Nassif no país, além dos recordes do trabalho doméstico e por conta própria.

De acordo com a pesquisa, 25,4 milhões de pessoas estavam trabalhando por conta própria no trimestre fechado em agosto, um aumento de 4,3%, com mais 1 milhão de pessoas. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, o contingente avançou 3,9 milhões, alta de 18,1%.

Já os dados do trabalho doméstico aumentaram 9,9%, somando 5,5 milhões pessoas. Frente ao mesmo período do ano anterior, cresceu 21,2%, um adicional de 965 mil pessoas. As expansões trimestral e anual foram as maiores em toda em toda a série histórica da ocupação dos trabalhadores domésticos.

Clique aqui e veja como colaborar com o jornalismo independente do GGN

O número de empregados no setor privado sem carteira (10,8 milhões) cresceu 10,1% na comparação com o trimestre móvel anterior. Em um ano, esse contingente subiu 23,3% ou 2 milhões de pessoas – segundo o IBGE, foram as maiores variações da série histórica, em termos percentuais e absolutos.

A categoria dos empregadores (3,8 milhões) ficou estável nas duas comparações. Os empregados do setor público (11,6 milhões) tiveram uma redução de 3,1% frente ao trimestre anterior. Na comparação anual, ficou estável.

Embora a população ocupada tenha aumentado, o rendimento médio real dos trabalhadores recuou 4,3% frente ao trimestre encerrado em maio e reduziu 10,2% em relação ao mesmo trimestre de 2020, ficando em R$ 2.489.

Foram as maiores quedas percentuais da série histórica, em ambas as comparações. A massa de rendimento real, que é soma de todos os rendimentos dos trabalhadores, ficou estável, atingindo R$ 219,2 bilhões.

Leia Também

As políticas públicas e a falta de visão sistêmica, por Luis Nassif

Estudo aponta queda da desigualdade social entre 2002 e 2015

Caminhoneiros consideram ajuda de Bolsonaro uma ‘esmola’

Paulo Guedes é vira-lata e continuará no governo mesmo com debandadas, diz Nassif

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador