O impacto da energia russa na inflação europeia

Avanço dos índices de preços é diferente de acordo com cada país, subindo mais rapidamente nos Bálticos e Europa Oriental

Foto: Ibrahim Boran on Unsplash

Uma análise dos dados de inflação na Europa mostra que, quanto mais próximo um país está da Rússia, mais rápido aumenta o custo de vida – e não só pela dependência energética.

Reportagem do jornal britânico Financial Times mostra que o confronto militar em andamento não afetou apenas a Ucrânia, mas também impulsionou o custo de vida nos Bálticos e em diversos países da Europa Oriental.

Um terço dos 27 países que compõem a União Europeia apresentou uma inflação na casa dos dois dígitos, em especial na Estônia, onde a taxa de preços tem avançado a uma taxa anual perto dos 19%.

Na análise da zona do euro, os preços da energia responderam por mais da metade da inflação de 7,4% registrada na região em 2021, segundo o Eurostat, enquanto os custos de energia elevaram os preços dos produtores industriais em mais de um terço no ano até abril, a mais intensa aceleração desde 1949.

Porém, a inflação mais elevada não se deve apenas ao confronto militar, mas também à retomada do crescimento econômico e a recuperação do mercado de trabalho após a crise gerada pela pandemia de covid-19.

A inflação mais extrema é vista na Turquia: os efeitos da guerra e o colapso no valor da lira fizeram com que os preços locais acumulassem mais de 70% de alta no ano até abril.

Outros países com inflação elevada dependem da Rússia para garantir seu abastecimento de energia: dados da Eurostat com base nos suprimentos de 2020 mostram que a Lituânia importa quase que a totalidade de sua energia da Rússia, enquanto Eslováquia e Grécia tinham quase metade das compras.

Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente.

Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Leia Também

Condições levantadas pela Turquia e Croácia expõem rachaduras na Otan

“Rússia já estava em guerra com Ocidente há muito tempo”, diz historiador

Parlamento da Finlândia aprova entrada na Otan

Rússia deve dobrar saldo comercial neste ano, diz The Economist

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador