Condições levantadas pela Turquia e Croácia expõem rachaduras na Otan

À medida que a Otan acelera a entrada de mais países na tentativa de fortalecer o bloqueio à Rússia, os membros da organização manifestaram seu desacordo de várias maneiras

Ameaçando a paz. Ilustração: Liu Rui/Global Times

da Global Times

À medida que a Finlândia e a Suécia se candidataram oficialmente à adesão à OTAN, mais divergências estão surgindo dentro do bloco militar.

Após a forte oposição do presidente turco Recep Tayyip Erdogan à adesão dos dois países nórdicos à Otan, o presidente croata Zoran Milanovic disse na quarta-feira que instruiria o representante permanente de seu país na Otan a votar “não” também.

Milanovic disse que a Finlândia e a Suécia devem ser autorizadas a aderir à organização apenas quando a questão da igualdade dos croatas na Bósnia e Herzegovina nas eleições for abordada. “Isso não é um ato contra a Finlândia e a Suécia, mas para a Croácia”, insistiu Milanovic. Assim como a preocupação de Erdogan com a questão curda, 

Em fevereiro, Milanovic disse à mídia que é contra a expansão da Otan para a Ucrânia e qualquer um que a defenda “ameaça também os interesses croatas”. “Enquanto eu for o presidente, me oporei à expansão da Otan em qualquer lugar”, acrescentou.

À medida que a OTAN acelera a entrada de mais países na tentativa de fortalecer o bloqueio à Rússia, os membros da organização manifestaram seu desacordo de várias maneiras.

De acordo com Sun Keqin, pesquisador do Instituto de Relações Internacionais Contemporâneas da China, a postura de Milanovic pode ter sido influenciada pelo presidente turco.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, expressou no domingo confiança em abordar as preocupações da Turquia.

Todos os 30 membros da OTAN têm demandas de segurança diferentes. A OTAN, sob a liderança dos EUA, tenta reforçar a chamada ameaça da Rússia e realizar os interesses geoeconômicos e geopolíticos de Washington por meio de uma expansão feroz. No entanto, os interesses dos EUA não representam os interesses de países individuais da OTAN. À medida que o conflito Rússia-Ucrânia continua e os países europeus sofrem mais consequências da guerra, muitos membros da OTAN estão gradualmente expressando sua oposição, inclusive apresentando suas demandas. Como um internauta brincou: “Por que o consentimento da Turquia pode

ser tão caro, enquanto o de outros provavelmente será respondido por não mais do que um simples ‘obrigado'” países.

Sun argumentou que, como a aliança transatlântica tem até 30 membros, é normal que esses países tenham diferenças de interesses devido às suas condições nacionais e posições na organização. De outra perspectiva, a persuasão dos EUA entre os membros da OTAN não deve ser superestimada.

A OTAN está pedindo a seus membros que se submetam aos interesses de Washington em resistir a Moscou, ignorando os interesses desses países. Isso está intensificando ainda mais as contradições entre as diferentes forças políticas na Europa e levando o continente a uma maior incerteza.

A expansão da OTAN vinculou os interesses de seus membros e até de todo o continente europeu à carruagem dos EUA. Os EUA pretendem enfraquecer fundamentalmente a Rússia, mas muitos países da OTAN não concordam que a Rússia seja uma ameaça à segurança. A estabilidade e o desenvolvimento são os interesses da maioria dos países europeus.

Quanto mais agressivamente a OTAN se expandir, mais rachaduras dentro da organização serão expostas.

A crescente tensão entre os EUA e a Rússia levará a maiores riscos de segurança para todos os membros da OTAN. Quantos países estão dispostos a se tornar bucha de canhão para os interesses dos EUA?

“Certos países estão usando sua demanda de segurança para intensificar a insegurança da Europa. Eles pensam que sua segurança está garantida depois de ingressarem na OTAN, mas só levará à intensificação do conflito entre a Otan e a Rússia – resultado que estimulará a possibilidade de um crise mais ampla ou mesmo conflito na Europa. Isso enfraquece a segurança de todos os países”, disse o especialista anônimo.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paulo Dantas

- 2022-05-22 10:47:44

Creio haver um dedo dos EUA nisto , esta entrada agora entornaria mais o caldo , e com o veto da Turquia isto seria adiado. Com as coisas mais calmas os dois entrariam na OTAN. Os turcos fazem um favor.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador