Painel internacional

Lições de petróleo para o Brasil

Os eventos no Golfo do México e em Washington estão sendo acompanhados de perto por todo o mundo. Como país marcado para testar a fronteira tecnológica de perfuração em águas profundas, o Brasil está prestando atenção particular. As reservas do pré-sal foram encontradas a uma profundidade de 5 mil a 7 mil metros, sob uma camada de dois mil metros de sal e a 300 quilômetros (km) da costa. Embora o Brasil possa se beneficiar da inesperada disponibilidade de sondas em águas profundas e equipamentos após a explosão da plataforma Horizon Deepwater e o influxo de empresas com dinheiro na mão à procura de perspectivas, o desastre é suscetível de criar mais desafios do que  benefícios:

O desastre ocorreu poucas semanas antes de o Senado brasileiro aprovar a legislação que autoriza o governo a renunciar a 5 bilhões de barris de óleo em troca de ações da Petrobras, empresa estatal de petróleo. Em paralelo, a Petrobras planeja realizar uma mega capitalização que lhe permitirá executar o seu plano de negócios 2010-14, exigindo algo em torno de US$ 200 bilhões. A capitalização, prevista para julho, foi recentemente adiada para setembro, porque a legislação exige que a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realize uma avaliação independente do valor de reserva. A avaliação, por um perito de reconhecida consultoria internacional contratada pela ANP, é esperada para o final de agosto. Embora isso torne a gestão financeira da Petrobras ainda mais desafiadora, aumenta a transparência sobre o valor das reservas que o governo cedeu, e dá tempo à Petrobras, governo e ANP para aliviar as preocupações dos investidores.
Clique aqui
E mais:
Mitos da austeridade – Paul Krugman
O que vem depois das metas de inflação – Samuel Brittan
China revisa para cima crescimento de 2009
A situação da Alemanha Oriental

Mitos Mitos da austeridade

Paul Krugman
Quando eu era jovem e ingênuo, acreditava que pessoas importantes tomavam posições com base na análise cuidadosa das opções. Agora eu sei melhor. Muito do que as Pessoas Sérias acreditam repousa em preconceitos, não análises. E estes preconceitos estão sujeitos a modas e modismos. O que me traz ao assunto da coluna de hoje. Para os últimos meses, eu e outros viram, com espanto e horror, a emergência do consenso nos círculos políticos em favor da austeridade fiscal imediata. Isto é, de algum modo se tornou sabedoria convencional que agora é hora de cortar gastos, apesar do fato de que as maiores economias do mundo continuam profundamente deprimidas.
 
Esta sabedoria convencional não está baseada em qualquer prova ou análise cuidadosa. Em vez disso, repousa sobre o que poderíamos chamar caridosamente de pura especulação, e menos ainda denominar de fruto da imaginação da elite política – especificamente, a crença de que venho pensando como um vigilante invisível dos títulos ou a fada da confiança. Os vigilantes de títulos são investidores que puxam da tomada os governos que percebem como incapazes ou indispostos a pagar suas dívidas. Agora não há dúvida de que os países podem sofrer crises de confiança (veja a dívida da Grécia). Mas o que os defensores da austeridade afirmam é que (a) os vigilantes de títulos estão prestes a atacar a América, e (b) gastar mais em estímulos irá afastá-los.

Que razão temos para acreditar que qualquer coisa disto seja verdade? Sim, a América tem problemas de orçamento de longo prazo, mas o que damos de estímulo ao longo dos próximos anos quase não afeta a nossa capacidade de lidar com essas questões. Como Douglas Elmendorf, diretor do Escritório Orçamentário do Congresso, recentemente colocou: “não há contradição intrínseca entre proporcionar estímulo fiscal adicional hoje, enquanto a taxa de desemprego é alta e muitas fábricas e escritórios estão subutilizados, e impor restrição fiscal por vários anos, quando a produção e o emprego provavelmente estarão perto de seu potencial.”
Clique aqui

O que vem depois das metas de inflação

Samuel Brittan
Há mais de política econômica do que regulação bancária, que muitas vezes (como outras regulamentações) se acumula até fechar a porta de um estábulo depois que os cavalos se assustaram. Não podemos esquecer o objetivo tradicional de providenciar um quadro de crescimento econômico com inflação baixa. O principal instrumento para alcançar isso tem sido as metas de inflação perseguidas por bancos centrais semi-independentes, por meio da taxa de juro oficial de muito curto prazo. Como Robin Pringle, editor da publicação Central Banking, observa na última edição daquele jornal: “o atual quadro dominante da política monetária pode não sobreviver à sua associação com a crise e, talvez, não a mereça.” Há algum sinal de que muitos bancos centrais querem se agarrar como sanguessugas a este quadro fracassado. No entanto, tenho dúvidas se eles serão capazes de evitar uma reconsideração.

O antigo regime (de política monetária) falhou por várias razões. A crítica mais comum era que ele era focado na inflação, para descaso do crescimento. Além disso, era centrado em apenas um tipo de inflação – a de preços ao consumidor – em detrimento dos preços dos ativos. Mas, acima de tudo, gerou uma falsa sensação de segurança. Não existe uma fórmula mágica que resolva todos esses defeitos. Mas há muito tenho sido favorável a um regime que seria uma melhoria de etapa. Que é substituir nosso regime de política monetária para somente a meta de inflação, com uma abordagem visando o fluxo de gastos na economia, ou o produto interno bruto nominal.

Um grande obstáculo à sua adoção é o horrível nome que tem sido dado pelos profissionais econômicos. Mas não deve ser mistério para quem consegue viver com o mais familiarizado PIB. É fácil esquecer a manipulação que os dados brutos passam para tirar a inflação ou deflação fora de estimativas e se obter o PIB real. Tudo o que o PIB nominal representa são receitas e despesas a preços reais sem essa manipulação. Ele pode ser apresentado como gestão da demanda com inflação travada, ou como meta ajustada de oferta de moeda por velocidade.
Clique aqui

China revisa para cima crescimento de 2009

O crescimento econômico da China desacelerou menos acentuadamente durante a crise financeira global no ano passado do que o inicialmente relatado, de acordo com o escritório de estatísticas da nação, que revisou para cima o crescimento do produto interno bruto do país em 2009 de 8,7% para 9,1%. A revisão foi devido à maior contribuição das indústrias secundárias e terciárias, disse o Escritório Nacional de Estatísticas em comunicado na página eletrônica na sexta-feira.

As indústrias secundárias incluem mineração, manufatura e energia, enquanto as indústrias terciárias abrangem serviços. As indústrias primárias cobrem agricultura, silvicultura e pesca. Em 2008, a economia da China cresceu 9,6%. O departamento disse que o PIB nominal da China, avaliado em preços correntes, sem ajuste para a inflação, atingiu 34 trilhões de yuans (US$ 5 trilhões) em 2009. No ano passado, a uma taxa de câmbio médio, a China se manteve como a terceira maior economia do mundo atrás do Japão, com um PIB de 2009 pouco acima de US$ 5 trilhões.
Clique aqui

A situação da Alemanha Oriental

O dia 1 de julho marca o 20º aniversário da introdução do marco na Alemanha Oriental, no período preparatório para a plena reunificação. Mas os benefícios econômicos que os políticos da Alemanha Ocidental haviam prometido não se concretizaram. O que deu errado? O ministro do Interior alemão Thomas de Maizière, 56, é de Bonn, bem ao oeste da Alemanha, mas suas memórias dos dias entre a queda do Muro de Berlim em 1989 e a reunificação alemã em 1990 são as de um alemão oriental.

Lothar de Maizière, o primeiro e último primeiro-ministro democraticamente eleito da Alemanha Oriental, perguntou ao seu primo se ele queria um emprego. Thomas de Maizière concordou, se mudou para um escritório na Klosterstrasse em Berlim Oriental e, a partir de então, sentou ao lado da mesa reservada para os alemães orientais nas negociações sobre a reunificação. Thomas de Maizière muitas vezes se perguntou o que deu errado naquele momento. “Objetivamente falando, não tivemos tempo suficiente. Estávamos sob muita pressão”, diz. Ele compara a um “nascimento repentino político”.

Ele tem aversão a frases oficiais como “a harmonização das condições de vida no leste e no oeste”. Nem se anima com o termo “Aufbau Ost” (desenvolvimento do leste), que os governos alemães têm usado como abreviação para os esforços em promover o desenvolvimento econômico da antiga República Democrática Alemã (RDA), como a Alemanha Oriental era oficialmente conhecida. “Quando as pessoas vêm da Alemanha Ocidental para Potsdam, Dresden ou Stralsund”, diz, referindo-se às três relativamente prósperas cidades do leste alemão, “suas primeiras impressões as levam a perguntar: ‘o que ainda precisa ser desenvolvido aqui?'”
Clique aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora