The Guardian – ‘O coração das trevas’: vizinhos evitam a resposta do Brasil em relação à Covid

do The Guardian

‘O coração das trevas’: vizinhos evitam a resposta do Brasil em relação à Covid

Os países latino-americanos lutam para se proteger de um país onde cerca de 60.000 pessoas devem morrer apenas em março

Há muito tempo, o país foi considerado uma superpotência de soft power, a terra abençoada culturalmente pela Bossa Nova, Capoeira e Pelé.

Mas a resposta caótica do Brasil ao coronavírus sob o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro colocou o maior país da América Latina em um papel desconhecido e desagradável: o de um pária crivado de Covid, que evita a ciência e politicamente instável, ao qual muitos vizinhos regionais estão agora fechando o porta.

“Outro dia eu vi um artigo bem forte dizendo que o Brasil estava começando a ser visto por seus vizinhos como uma espécie de colônia de leprosos… e provavelmente é verdade”, admitiu Rubens Ricupero, um veterano diplomata brasileiro que citou Joseph Conrad, não João Gilberto , para descrever a situação de seu país.

“O horror! O horror!” O embaixador aposentado lamentou na semana passada, antes que seu país mergulhasse em mais turbulência política com a demissão inesperada do ministro da Defesa por Bolsonaro. “O Brasil está no coração das trevas.”

Os vizinhos do Brasil, que agora estão lutando para responder ao derretimento ao lado, parecem concordar, com Argentina, Colômbia e Peru proibindo voos para seu vizinho de língua portuguesa e líder da Venezuela, Nicolás Maduro, repreendendo seu rival de direita por uma calamidade que matou mais de 300.000 brasileiros.

“É alarmante, até angustiante, ver as reportagens de São Paulo e do Rio… E a atitude imprudente da direita trumpista brasileira e de Jair Bolsonaro para com o povo do Brasil”, declarou Maduro na semana passada ao ordenar um bloqueio de 14 dias ao combater a variante P1 mais contagiosa que está no centro dos temores globais sobre o surto não controlado no Brasil.

“O Brasil agora representa uma ameaça para o mundo. E de quem é a culpa? De Jair Bolsonaro”, proclamou Maduro proclamou, apontando seu dedo indicador no ar. “É apenas uma loucura. Não há nome para isso”.

Sete mil quilômetros ao sul de Caracas, no Uruguai, há sinais de alarme semelhante, com autoridades correndo para vacinar moradores de sua região de fronteira com o Brasil. “A ideia é criar um escudo epidemiológico”, disse Rodney Colina, um conselheiro do governo da Covid e virologista que detectou os primeiros casos de P1 no Uruguai e pediu duras restrições para impedir sua disseminação. “Se começarmos a ver o P1 circular amplamente, precisaremos buscar o fechamento total de quase tudo”, alertou Colina.

Cerca de 60.000 brasileiros devem morrer apenas em março, tornando-se de longe o mês mais mortal da epidemia de 13 meses no Brasil.

Na Argentina, também, o sono está sendo perdido por causa do caos. Um grupo de importantes cientistas argentinos escreveu recentemente uma carta aberta implorando a seu governo para fechar sua fronteira terrestre de 761 milhas com o Brasil.

“O Brasil é um espelho que preferiríamos não olhar. É por isso que é tão importante impor restrições de viagem imediatamente, porque quando os contágios começarem a aumentar, será tarde demais”, diz Humberto Debat, um biólogo argentino que ajudou a produzir o apelo, que condenou o comportamento “irresponsável e negacionista” de Bolsonaro.

Na quinta-feira passada, enquanto o Brasil registrava pela primeira vez mais de 100.000 casos de Covid-19 em um único dia, a Argentina anunciou que proibiria voos do Brasil, Chile e México. Soledad Retamar, um estatístico que trabalha nos dados da Covid que apóia tais movimentos, disse: “O medo é que possamos começar a ver o tipo de taxas de mortalidade que eles tiveram em Manaus no início deste ano se a variante P1 começar a circular na Argentina”.

Autoridades colombianas proibiram voos do Brasil em janeiro, bem como voos internos para a cidade fronteiriça amazônica de Letícia, onde os esforços de imunização têm como alvo adultos jovens em uma tentativa de bloquear a propagação da variante P1. Ana Mauad, professora de relações internacionais da Universidade Javeriana de Bogotá, disse que a “total falta de estratégia e tratamento inadequado da pandemia” de Bolsonaro chocou a região.

“Bolsonaro conseguiu transformar o Brasil em um gigantesco buraco do inferno”, tuitou o ex-presidente da Colômbia Ernesto Samper na semana passada, enquanto a Organização Mundial da Saúde admitia que “a terrível situação” no Brasil agora estava afetando seus vizinhos.

A administração de Bolsonaro reagiu de maneira estranha ao coro de críticas internacionais.

“Acho que isso é… terrivelmente injusto”, disse o chanceler pró-Trump do Brasil, Ernesto Araújo, ao jornal ‘Estado de São Paulo’ no início deste mês. Araújo, que renunciou na segunda-feira após uma rebelião de diplomatas e congressistas que o acusam de ajudar a destruir a reputação internacional do Brasil, rejeitou a ideia de que havia algo “fora de controle” em seu país e afirmou que o Brasil foi vítima de “discriminação”.

“É como se… as pessoas só morressem no Brasil”, resmungou Bolsonaro na semana passada.

Ricupero disse que não havia como esconder que seu país sul-americano se tornou o “epicentro absoluto” da pandemia e previu que as restrições regionais aumentarão nas próximas semanas em países como Bolívia, Colômbia e Peru.

“Neste momento, o Brasil está na hora em que a escuridão reina”, diz.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora