Campanha de Trump rompe com advogada Sidney Powell depois de alegações bizarras de fraude eleitoral

Powell ganhou as manchetes com suas declarações em uma entrevista coletiva na quinta-feira, onde, acompanhada por Giuliani e Ellis. No entanto, suas contribuições naquele dia foram em grande parte ofuscadas pelo mau funcionamento da tintura de cabelo de Giuliani.

EPA - Jim Lo Scalzo

Jornal GGN – A advogada Sidney Powell fez várias declarações incorretas, desvendou teorias da conspiração complexas e jurou ‘explodir’ a Geórgia com uma ‘bíblica’ ação judicial. Depois dos rompantes da advogada, considerados demais até por Rudy Giuliani, a equipe jurídica da campanha de Donald Trump optou por se distanciar da advogada.

Rudy Giuliani afirmou que ela pratica direito por conta própria, não sendo membro da equipe jurídica da Trump.

Mas o próprio Trump anunciou o envolvimento de Powell na questão jurídica da eleição, tuitando na semana passada que ela fazia parte de uma equipe de ‘advogados e representantes maravilhosos’ liderados por Giuliani.

No frigir dos ovos, este é mais um indicativo de caos em uma equipe jurídica que perdeu caso após caso nos esforços de derrubar os resultados da eleição de 3 de novembro. Escritórios de advocacia já se retiraram do caso e, no último revés, Matthew Brann, juiz distrital republicano na Pensilvânia, rejeitou o pedido da campanha de Trump para anular quase 7 milhões de votos ali.

“Essa afirmação, como o monstro de Frankenstein, foi costurada a esmo a partir de duas teorias distintas em uma tentativa de evitar o controle de precedentes”, escreveu ele em uma ordem condenatória, emitida no sábado. Na tarde de domingo, a campanha de Trump entrou com um recurso contra a decisão de Brann na Pensilvânia.

Isso aconteceu depois de demandas judiciais fracassadas semelhantes na Geórgia, Michigan e Arizona para impedir que os estados certificassem seus votos totais.

Leia também:  Os sentidos de 1776, por Flávio Limoncic

A declaração sobre Powell foi o mais recente sinal de cautela sobre sua abordagem, mesmo dentro de alguns círculos conservadores. O apresentador da Fox News, Tucker Carlson, disse em seu programa na semana passada que sua equipe pediu a Powell evidências para apoiar suas afirmações, mas que Powell não forneceu nenhuma.

Powell ganhou as manchetes com suas declarações em uma entrevista coletiva na quinta-feira, onde, acompanhada por Giuliani e Ellis, ela sugeriu incorretamente que um servidor que hospedava evidências de irregularidades na votação estava localizado na Alemanha, que o software de votação usado pela Geórgia e outros estados foi criado sob a direção de o falecido presidente venezuelano Hugo Chávez e que os votos para Trump provavelmente foram trocados em favor de Biden.

No entanto, suas contribuições naquele dia foram em grande parte ofuscadas pelo mau funcionamento da tintura de cabelo de Giuliani.

Em uma entrevista subsequente ao Newsmax no sábado, ela pareceu acusar o governador republicano da Geórgia, Brian Kemp, e seu secretário de estado republicano de fazer parte de uma conspiração envolvendo um contrato de sistema de votação que ela afirma prejudicar a candidatura de reeleição de Trump.

“A Geórgia provavelmente será o primeiro estado que vou explodir e o Sr. Kemp e o secretário de estado precisam lidar com isso”, disse ela, acrescentando posteriormente que um processo que ela planejava abrir contra o estado seria “bíblico”.

O status desse processo não estava claro na noite de domingo.

Leia também:  Trump afirma que seu movimento político ‘está apenas no começo’

Powell, uma ex-promotora federal, assumiu no ano passado como advogada-chefe do ex-conselheiro de segurança nacional de Trump, Michael Flynn, que se declarou culpado na investigação do advogado especial Robert Mueller na Rússia.

Desde então, um juiz federal rejeitou suas alegações de má conduta do Ministério Público e respondeu interrogativamente a alguns de seus argumentos, incluindo sua sugestão em uma audiência há várias semanas de que suas conversas com Trump sobre o caso Flynn eram privilegiadas.

Ela apoiou uma moção do Departamento de Justiça para rejeitar a acusação, um pedido que permanece pendente perante o juiz distrital dos EUA Emmet Sullivan.

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome