As provas e dúvidas no depoimento de Mônica Moura contra Dilma

Entre as provas anexadas na delação premiada da esposa de João Santana estão: senha de Wifi, passagem de avião, agenda onde consta “compromisso com a tia”, arquivo de Word e uma conta de Gmail de onde e-mails nunca foram disparados

Jornal GGN – Para tirar a Lava Jato de seu encalço, Mônica Moura contou a seguinte história sobre Dilma em sua delação premiada:

Episódio 1

Em novembro de 2014, a então presidente teria sido avisada por José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça, que a Lava Jato já sabia das contas de Eduardo Cunha na Suíça e estava avançando rapidamente sobre a Odebrecht.

Dilma, preocupada com o elo da Odebrecht com sua campanha, teria convocado Mônica Moura, que estava de férias em Nova York, para ir ao Palácio da Alvorada, em Brasília, discutir o assunto.

Mônica diz que o assessor Giles Azevedo a buscou no aeroporto em um “carrinho vagabundo” e, caminhando pelo jardim de Alvorada, Dilma teria perguntado se a conta de João Santana no exterior era “segura”. Mônica respondeu que era, na medida do possível.

Dilma, então, disse que elas precisavam conversar com mais assiduidade, mas de maneira segura. Foi quando, na presença de Giles, Mônica pegou o computador de Dilma e criou a conta “iolanda2606@gmail.com”. Iolanda foi o nome sugerido pela petista, em referência à esposa do ex-presidente Costa e Silva. Elas combinaram que fariam a comunicação pelo rascunho do Gmail, sem fazer mensagens circular na web.

Para evitar que pudesse ser descoberta, Mônica afirma que Dilma pediu para criar um segundo e-mail, muito parecido com o primeiro. Seria o “2606iolanda@gmail.com”. Os dois estão ativos e em posse da Lava Jato. Mas só o segundo foi vazado na imprensa.

A prova desse episódio, segundo Mônica, são: (1) a ata criada por sua defesa com o print do único rascunho que ficou salvo no Gmail, (2) a passagem aérea que atesta o bate e volta de Nova York a Brasília, (3) a agenda onde constou reunião com a “tia” e (4) o registro de que seu computador pessoal gravou a senha do wifi do Alvorada (o que não significa nada tendo em vista que o casal esteve lá a trabalho diversas vezes, ressaltou a própria delatora).

Episódio 2

Mônica disse que, ao longo de 2015, Dilma – que queria manter a comunicação frequente – só enviou duas ou três mensagens “codificadas”, mas sem teor alarmante. Eram coisas do tipo “venha me ver, preciso falar com você”. Neste mesmo ano, em um dos encontros com os marqueteiros, Dilma teria pedido que João Santana movesse sua conta da Suíça. Ele negou argumentando que isso seria admitir o crime.

Pulamos para 2016, quando o casal estava em campanha na República Dominicana.

Mônica disse à Lava Jato que, em 19 de fevereiro, Dilma usou o rascunho do Gmail para deixar a seguinte mensagem: “O seu grande amigo está muito doente. Os médicos consideram que o risco é máximo. E o pior é que a esposa dele, que sempre tratou dele, também está doente. Com risco igual. Os médicos acompanham dia e noite.”
 
“Médico, aqui, era o Zé Eduardo Cardoso…”, disse a delatora. “Eu vi essa notícia e desesperei. João não estava na produtora nesse momento. Eu tinha que apagar essa mensagem. Então eu gravei esse texto em Word porque eu não queria esquecer o teor, para o João ver. Por isso está no meu Word. Está lá com a data do dia que eu fiz isso. Isso foi em 19 de fevereiro. Passou o dia 20 de fevereiro, e passei a procurar ela, através do Anderson [Dornelles]”, completou.
 
Mônica disse ao MPF que respondeu Dilma com uma mensagem mais ou menos assim: “Existe alguma forma desses médicos nos ajudarem? O médico vai ajudar nosso amigo?”
 
A delatora afirma que Dilma não viu nem deletou a mensagem. Porém, esse comunicação não existe. A única que teria ficado armazenada no rascunho do Gmail é esta: “Vamos visitar nosso amigo querido amanhã. Espero que não tenha nenhum espetáculo nos esperando. Acho que pode nos ajudar nisso né?”
 
Segundo portal de notícias da Globo, essa mensagem foi enviada por Mônica à Dilma no dia 22, quando a operação já havia sido deflagrada. O casal, que estava no exterior, se entregou à Polícia Federal no Brasil no dia 23 de fevereiro.
 
A questão é que durante a delação gravada em vídeo, Mônica não citou essa mensagem. 
 
Ao contrário disso: quando questionada pelo Ministério Público Federal sobre as evidências que restaram, ela cita apenas mensagens de celular trocadas com o ex-assessor Anderson Dornelles e sua esposa, além do arquivo Word onde ela teria salvo a última mensagem que supostamente Dilma escreveu.
 
Segundo Mônica, após ler a mensagem que envolvia médico e marido e esposa doentes, ela respondeu perguntando se esse médico poderia ajudar de alguma forma. Para a delatora, Dilma nunca leu esse rascunho. “O rascunho ficou lá o tempo todo, e ela não apagava.”
 
A delatora, então, entrou em contato, por mensagem de celular, com Anderson. Sem sucesso, enviou outra mensagem e foi respondida pela esposa dele. Essas mensagens foram preservadas e entregue como evidências (6). Isso teria ocorrido entre 20 e 21 de fevereiro. 
 
Ocorre que, segundo Mônica, Dilma – que criou 2 e-mails por paranoia – ligou para um telefone fixo no escritório de João Santana na República Dominicana, “na noite de 20 ou 21 de fevereiro”, avisado que “foi visto um mandado de prisão” contra o casal. Quem avisou foi “Zé Eduardo Cardozo”. Santana teria ficado desesperado e perguntado se nada poderia ser feito. Dilma negou qualquer tipo de ajuda.
 
Gera dúvidas que Mônica tenha feito o rascunho do dia 22 se Dilma, de fato, fez a ligação no dia 21. No dia 22, a operação já havia sido deflagrada e Mônica disse que ficou sabendo “pela internet”. Por que a delatora achou que Dilma, que não teria respondido seu rascunho sobre o médico, iria ler aquele quando a bomba já havia explodido? E por que não deletou, como era de praxe? Mais do que isso: por que não citou esse e-mail em nenhum momento na gravação feita pelo MPF?
 
https://www.youtube.com/watch?v=jDQocEO3GtQ]
 
Episódio 3
 
Ainda houve um terceiro episódio relatado por Mônica Moura contra Dilma.
 
Em meados de 2015, pouco antes de ser preso, Marcelo Odebrecht teria levado Mônica a sua residência, em um bairro nobre de São Paulo, para conversar sobre a Lava Jato.
 
Em síntese, Marcelo fez um apelo para que Mônica convencesse João Santana a conversar com Dilma, para que algumas provas da Lava Jato que vieram da Suíça fossem anuladas. O argumento é público: a parceria teria ocorrido sem a participação do Ministério da Justiça, como determina a lei de cooperação internacional. “Marcelo queria que João conversasse com Dilma para que Zé Cardozo entrasse com isso.”
 
“Ele [Marcelo dizia que Dilma não ouvia ninguém, que diziam para ela que a Lava Jato ia chegar nela e ela dizia que não tinha nada a ver com isso. Ela sempre se esquivava”, comentou Mônica.
 
Mônica diz que João Santana se negou a entrar nesse assunto com Dilma. Mas a delatora aproveitou uma oportunidade em que estava em Brasília a trabalho e abordou a ex-presidente. Dilma tería dado uma “resposta ríspida”. “Eles são loucos, eu não posso me meter nisso. Não posso fazer nada. Como vou mexer nisso?”
 
Não há, no vídeo da delação, registro do que foi entregue para atestar a veracidade disso.
 
Este e outros depoimentos de Mônica Moura estão disponíveis no canal do GGN no Youtube.

71 comentários

  1. A Moura não mostra o pau nem, menos ainda, a cobra

    A Moura diz que matou a cobra mas em vez de miostrar a própria cobra ou pelo menos o pau, a Moura exibe umas duas minhoquinhas dismilinguidas.

  2. Enquanto isso o Mineirinho

    Enquanto isso o Mineirinho continua solto e senador da república, como o Careca. E o tempo esvaindo até que todos os processos estejam prescritos.

    • TRUCO

      Olhando o video tem um detalhe logo no começo que não dá pra passar desapercebido. Advogado e cliente começam nada mais que uma partida de truco!

      Logo nos primeiros segundos os dois se olham de canto de olho, ela coloca a lingua na bochecha e olha pra ele e ele confirma com o mesmo sinal.

      Se eu tivesse jogando truco com a dupla já ia falar pra eles serem mais discretos ao avisar o parceiro que os dois tem manilha, Ela o ZAP e ele talvez o Copas.

       

      • Jogo de truco

        Na verdade o jogo de língua avisando, seguido de caneta apontando para as folhas sobre a mesa, leitura, língua respondendo e olhares para a câmera se estende por todo o vídeo… Se fosse sério perderiam de lavada, para este jogo eles não estavam preparados.

        Sem contar que 1) no e-mail não tem ano; 2) O Internet Explorer é antigo, podendo não ter reconhecimento de alteração de data do Windows quando conectado à internet; 3) tem 5 e-mails na caixa de entrada não apresentados, sendo 3 de boas vindas do Google: I) Três dicas para aproveitar o Gmail ao máximo; II) O melhor do Gmail, onde você estiver; III) Melhore sua organização com a Caixa de entrada do Gmail, todos com a data e hora da criação da conta, que deve ser em novembro de 2014, conforme depoimento, informação crucial para credibilidade do depoimento que foi omitida. Segundo ela, a conta nunca foi usada para troca de e-mails com ninguém, assim, os outros dois e-mails recebidos podem ser: A) aviso de alteração de senha, telefone ou e-mail de recuperação; B) Alerta de segurança de conta Google vinculada (e-mail criado a partir deste ou a partir do qual este foi criado) ou

        C) Novo login em dispositivo diferente (celular, tablet, computador, smart TV etc) ou com outro navegador no dispositivo habitual.

        Portanto, caso o e-mail tenha sido acessado de dois pontos diferentes, simultâneos ou não, cada novo acesso geraria um e-mail do próprio Google com a informação. Para tal, apenas dois e-mails são muito pouco, pois, não tendo havido fluxo muito grande entre os rascunhos escritos, ao menos o acesso eventual de celular, tablet ou computadores diferentes para checagem, leitura e exclusão das mensagens, inclusive as feitas para o registro em cartório do e-mail, naturalmente gerariam mais informações deste tipo, considerando que o e-mail seria utilizado por, pelo menos, duas pessoas em locais diferentes. O primeiro aviso de novo login constante em minha conta data de junho de 2015 e até hoje tenho 75 avisos do Google deste tipo.

        Se entrar em uma destas mensagens de novo login, você poderá clicar em “dispositivos usados recentemente” e ver a lista dos dispositivos usados nos últimos 28 dias, podendo ver detalhes clicando em cada um deles, além de visualizar dispositivos que não são usados há muito tempo, com a pergunta “Perdeu este dispositivo?”, acompanhado de botão “remover”, para apagar sua conta definitivamente de dispositivos não mais usados. Na minha lista contém dispositivo que não uso desde setembro de 2015 que ainda não removi.

        Outra informação relevante é sobre a atividade da conta, acessível na parte inferior direita de qualquer tela do Gmail, que apresenta as seguintes informações para os acessos recentes (última semana):

        i) Tipo de acesso (Navegador, celular, POP3 etc.); ii) Local (endereço IP); iii) Data/hora (Exibido em seu fuso horário).

        Será que os jogadores sabem disto tudo? Será que deletaram todas estas informações. Se não, a Sra.. ex-Presidenta Dilma pode acessar, pois, segundo Mônica, a conta também é dela, não cabendo, portanto, sigilo na comunicação. Se não tem a senha, que peça ao MPF. Se deletaram, a bem da verdade, o Sr. Google pode nos revelar todas estas informações, inclusive com tipo de acesso, local e endereço IP e data e hora de todos os acessos. Basta algum dos demais jogadores pedir.

        O Brasil merece um jogo limpo, o Brasil merece a VERDADE.

         

  3. A diferença entre a Monica desesperada e a Monica não desesperad

    Quando não estava desesperada, a Monica Moura deletava todos os emails eventualmente trocados com a Dilma. Quando o desespero bateu e ela tinha motivos ainda mais fortes para deletar as mensages de emails supostamente trocadas com a Dilma, a Monico não só não deletou o rascunho de email, mas também o salvou com um print screen.

    Bastante lógico.e racional esse comportamento printico. O que o Caetano Veloso diria acerca dele?

     

    “Onde voas bem alta, eu sou o chão
    E onde pisas o chão, minha alma salta
    E ganha liberdade na amplidão

    Onde queres família, sou maluco
    E onde queres romântico, burguês
    Onde queres Leblon, sou Pernambuco
    E onde queres eunuco, garanhão
    Onde queres o sim e o não, talvez
    E onde vês, eu não vislumbro razão

    Ah! bruta flor do querer
    Ah! bruta flor, bruta flor”

  4. Se ela mentiu prá fugir da prisãio, ela mente 4 vezes mais prá

    Mentiu prá não ir prá prisao?

    Mente 4 vezes mais prá cair fora dela.

    A sujeita chega mesmo a mandar registrar/autenticar em cartório a prova do proprio crime. Onde já se viu isso? Nabu deve ficar Conodorzinho quando dizem que seu código era primitivo.

    Acho que Jesus Cristo só ainda não voltou porque deve estar com medo de o crucificarmos novamente. Mestre, não vá lá, vão crucificar você de novo. So vendo para crer o modo de viver desse teu povo

    Kretas

  5. delação

    a depender do ministério público,até judas muda sua delação e entrega lula e dilma,

    silveirio dos reis também,inclusive mata hary é só querer

  6. piada

    Essa vaza a jato é uma piada de mau gosto. Provas píficas e argumentos ridículos enquanto os tucanos queimam todas as provas contra si mesmo. por falar nisso onde está a irmã do aécio e a mulher do cunha? 

    Que Deus ilumine o Brasil dessa treva chamada rede globo. 

+ comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome