Janot recomenda prosseguimento das investigações contra Aécio

Jornal GGN – Em parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recomenda o prosseguimento do inquérito contra Aécio Neves, senador do PSDB-MG. Aécio é investigado por suposto envolvimento no esquema de corrupção de Furnas.

Atendendo a pedido de Janot, o ministro Gilmar Mendes abriu inquérito contra o tucano, no mês passado, mas, no dia seguinte, ele suspendeu as investigações diante da defesa prévia apresentada pelo parlamentar. Gilmar também questionou Janot sobre a necessidade de continuar as apurações.

O PGR ressaltou a existência de indícios contra Aécio e reiterou a necessidade do inquérito para o esclarecimento do caso. Gilmar, novamente, é quem irá decidir se vai deixar o caso aberto ou se vai arquivá-lo por falta de indícios. Janot reuniu elementos contra Aécio que apareceram na delação de Alberto Yousseff, e, depois, no depoimento do ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS).

Do O Globo

PGR recomenda prosseguimento do inquérito contra Aécio no STF

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) recomendando o prosseguimento das investigações contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) por suposto envolvimento com esquema de corrupção em Furnas. No mês passado, a pedido de Janot, Gilmar abriu inquérito contra o tucano. No dia seguinte, diante da defesa prévia apresentada pelo senador, o ministro suspendeu as investigações e questionou o procurador sobre a real necessidade de manter as apurações.

No parecer, Janot reiterou a existência de indícios contra o parlamentar e reafirmou que o inquérito é necessário para esclarecer o caso. Caberá a Gilmar decidir se mantém o caso aberto, ou se arquiva, por falta de indícios mínimos contra o investigado. “Tudo o que pretende o Ministério Público é cumprir seu dever constitucional, investigando, com o auxílio da Polícia Federal e sob o controle do Supremo Tribunal Federal. Portanto, há que se destacar que a pretensão de não instauração de inquérito se dá exclusivamente com base em versão do suposto envolvido, com abertura de prévio contraditório, que não se aplica a inquéritos”, anotou o procurador.

Janot lembrou que a decisão de apurar é do Ministério Público. O Judiciário não poderia, portanto, decidir não abrir um inquérito pedido pelo procurador-geral. “A conveniência de se dar prosseguimento ou não na investigação de autoridade com prerrogativa de foro perante o Supremo Tribunal Federal, depois de formalmente instaurado o procedimento apuratório com autorização do STF, é ato privativo do Procurador-Geral da República”, afirmou Janot. Para o procurador, a suspensão das diligências por parte do ministro pode ser considerada “incontornável violação ao princípio acusatório”.

Leia também:  Governo tem 10 dias para justificar espionagem a antifascistas

No ano passado, Janot enviou indícios contra Aécio ao STF, que foram reunidos em uma petição. Os elementos surgiram a partir da delação premiada do doleiro Alberto Youssef. Essa petição foi arquivada por falta de elementos suficientes contra o senador. No mês passado, Janot pediu o desarquivamento da petição e o acréscimo de novos elementos contra o tucano – desta vez, vindos da delação premiada do ex-senador Delcídio Amaral (sem partido-MS). A suspeita é de que o senador cometeu corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo a defesa de Aécio, a investigação foi reaberta sem a apresentação de novas provas, em contrariedade às normas do STF. Gilmar concordou. “A petição do parlamentar pode demonstrar que a retomada das investigações ocorreu sem que haja novas provas, em violação ao art. 18 do CPP e à Súmula 524 do STF”, escreveu o ministro.

No documento, Janot afirmou que a delação de Delcídio e elementos de convicção dela decorrentes “constituem indubitavelmente provas novas a exigirem o desarquivamento da menção feita por Yousseff”. Segundo o procurador, os dois delatores confirmaram que a irmã de Aécio tinha empresas em seu nome na época dos fatos, que podem ter sido usadas para manter e ocultar valores no exterior.

No ofício à PGR, Gilmar também ponderou que a manifestação da defesa pode suprir a necessidade de diligências. Além do depoimento de Aécio, tinham sido determinadas a juntada de documentos da investigação da Polícia Federal sobre o caso Furnas e também o depoimento do ex-diretor de Furnas Dimas Fabiano. O prazo dado para o cumprimento das diligências era de 90 dias.

Leia também:  Por decisão do STF, delação de Palocci é retirada de ação contra Lula

Em delação premiada, Youssef contou que ouviu de José Janene a informação de que o PSDB, por meio de Aécio, dividia uma diretoria de Furnas com o PP. Yousseff também teria ouvido que o tucano recebia valores mensais, por meio da irmã, por uma das empresas contratadas por Furnas, a Bauruense, entre 1994 e 2001.

Em nota, a assessoria de imprensa de Aécio mantém o argumento de que não foram apresentadas novas provas para justificar o desarquivamento das investigações. “Trata-se de antigas e falsas acusações feitas por adversários do senador na base do ‘ouvir dizer’”, diz o texto.

Sobre a informação de que Yousseff teria afirmado que o senador recebia dinheiro por meio da irmã, a assessoria esclareceu que, nos depoimentos, o “doleiro falou unicamente de valores e periodicidade de repasses feitos ao PP”. E completou: “O advogado de Youssef já declarou que seu cliente fez a citação por ter ouvido dizer de terceiros, não tendo indicado qualquer fato que pudesse justificar a suspeita”.

No pedido de investigação feito ao STF em maio, Janot disse que a delação de Delcídio teria levantado “novos elementos que indicam, com maior robustez, suposta prática dos crimes anteriormente descritos contra o senador Aécio Neves da Cunha, os quais seriam justificadores do aprofundamento das investigações”.

Apesar de ser um procedimento incomum no tribunal, Gilmar enviou de volta ao procurador-geral um segundo pedido de abertura de inquérito contra Aécio, dias depois de ter feito isso pela primeira vez. Queria saber se Janot considerava mesmo necessário instaurar as investigações. O segundo caso trata de camuflagem em dados do Banco Rural com o objetivo de esconder operações financeiras do mensalão mineiro. São alvos do mesmo pedido de abertura de inquérito o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), e o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP).

Leia também:  Weintraub é condenado por danos morais em ação coletiva movida pela UNE

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. É o ping-pong da impunidade


    É um tal de joga a bola prá lá, passa a bola prá cá, e nada anda. Recentemente um senador foi preso por obstrução da justiça. Será que um sinistro do stf não podreia ser enquadrado em obstrutor da justiça? Proteção de comparsa político é uma forma de obstruir o andamento de investigações ou não é? 

  2. Só o Ministério Público pode requerer o arquivamento de inquérit

    Só o Ministério Público pode requerer o arquivamento de inquéritos, cabendo ao juiz aceitar ou não o pedido de arquivamento. Quando um inquérito é recusado pelo juiz deve voltar ao chefe do Ministério Público para decidir se arquiva ou não. Ou seja, quem decide sobre o arquivamento do inquérito sobre o Aécio é o Procurador Geral da República, o Janot. Senão vejamos o artigo 28 do Código de Processo Penal:

    “Art. 28.  Se o órgão do Ministério Público, ao invés de apresentar a denúncia, requerer o arquivamento do inquérito policial ou de quaisquer peças de informação, o juiz, no caso de considerar improcedentes as razões invocadas, fará remessa do inquérito ou peças de informação ao procurador-geral, e este oferecerá a denúncia, designará outro órgão do Ministério Público para oferecê-la, ou insistirá no pedido de arquivamento, ao qual só então estará o juiz obrigado a atender.”

    Portanto, o Gilmar Mendes está obrigado a dar prosseguimento nas diligências, sob pena de ferir o princípio acusatório, no caso o juiz não pode se comportar como parte.

  3. Finjamos surpresa com o jogo

    Finjamos surpresa com o jogo de cena do Janot. Deve ser pra marcar uma posição de neutralidade ou algo assim, diante da notícia de que, apesar do rombo de 170 bi, o usurpador deu um aumento estratosférico para os servidores. Só os juizes do stf, por exemplo, vão passar de mais de 33 mil para mais de 39 mil!!! Todos nós sabemos que Gilmar jamais vai deixar Aécios ser comido, ou primeiro, ou no meio, ou por último. 

  4. NÃO VAI DAR EM NADA… SÓ SE

    NÃO VAI DAR EM NADA… SÓ SE MUDAR DE MINISTRO OU MUDAR PARA UM SUPREMO DE OUTRO PAÍS..

  5. Nassif: é jogo de empurra

    Nassif: é jogo de empurra empurra. Sai da PGR para o STF.  Autoriza investigação e, logo em seguida, suspende. Devolve, pedindo reavaliação. Novo pedido, nova autorização e outra suspensão. A grande mídia adora estes lances. Vende espaço comercial. As oligarquias e as elites vibram com o joguinho. Enquanto isto, na investigação do mais que investigado, provas vão sumindo, testemunhas, após o encarregado do processo reunir-se com o governo interino, silenciando ou mudando o disse-que-disse. Este é o novo governo, com conivência e cumplicidade [6 (+3)] da maioria do STF.

  6. A gente malha só o Cunha…

    Mas um Janot enviando tudo o que se diz respeito ao PT e PSDB para Gilmar Mendes e o Teori rejeitando todos os pedidos do PT, mostra o quanto aqueles que deveriam atuar como guardiões da Constituição, a desprezam. Sem falar no Juiz Moro, um inconsequente em sua ânsia de pegar o ex presidente Lula, sem nenhum escrúpulo.

    E a delação da OAS, que não foi aceita pq não incriminava o mesmo!!!!!

    Tempos terríveis estão acontecendo! Tudo pelo poder da grana.

  7. Ping pong diversionista…

     

    Nenhuma surpresa ou novidade porque trata-se apenas de mais um lance do ping pong diversionista da confraria jurídica que domina o país sob a batuta de Gilmar Mendes, o que tudo pode e faz.

  8. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome