Joesley diz que Miller foi apresentado como “ex-procurador”


Foto: Adriano Machado/Reuters
 
Jornal GGN – O empresário Joesley Batista confirmou algumas das suspeitas de que o ex-procurador Marcelo Miller teria usado de seu cargo para conseguir o acordo de delação premiada da J&F. As recentes afirmações de Batista foram dadas em depoimento à Polícia Federal durante mais de 10 horas nesta terça-feira (27).
 
Atuando no escritório Trench Rossi Watanabe, que presta serviços para o grupo dos irmãos Batista, Marcelo Miller já havia manifestado seu interesse publicamente em deixar o cargo no Ministério Público Federal (MPF), mas apenas se desligou oficialmente da Procuradoria-Geral da República em abril de 2017.
 
Em série de reportagens publicadas no último ano, o GGN mostrou que Miller já estava articulando o acordo de delação premiada da JBS e do grupo J&F antes mesmo de ser desligado (leia aqui)
 
A suspeita foi levantada não somente contra o próprio acordo em si, como uma tentativa de políticos e do governo de tirar a credibilidade das acusações dos irmãos Batista, que recaíram, sobretudo, contra Temer e sua cúpula do MDB, mas também contra as próprias táticas adotadas pela equipe de procuradores da Operação Lava Jato para fechar acordos com investigados.
 
Por isso, em seu depoimento à PF nesta terça, Joesley tratou de defender a idoneidade do processo em que resultou nas maiores acusações contra Michel Temer, seus ministros de governo e parlamentares da base aliada e próximos do mandatário. Para tanto, descreveu que Miller foi apresentado como “ex-procurador”.
 
“Marcelo Miller foi apresentado pela advogada criminalista Fernanda Tórtima como um ex-procurador já desligado do Ministério Público Federal sem qualquer vínculo com a Procuradoria[-Geral] da República”, afirmou o advogado de Joesley, André Callegari, que acompanhou o depoimento na sede da PF em São Paulo.
 
A PF tratou de tirar as dúvidas a respeito de possíveis irregularidades envolvendo o acordo de delação do grupo. Joesley e Saud tiveram o acordo rescindido e tiveram a prisão decretada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin. Assim como ocorreu com o seu irmão, o acordo de Wesley Batista também foi quebrado.
 
Nesta segunda-feira (26), a PGR rescindiu o acordo de Wesley e do ex-executivo Francisco de Assis e Silva, alegando que eles teriam omitido de maneira intencional que o então procurador já prestava serviços para o grupo J&F antes de ser desligado oficialmente do MPF.
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Ações de vacinas contra Covid-19 serão julgadas nesta sexta e dia 11 de dezembro

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome