Só agora réus do Banestado têm R$ 289 milhões em bens bloqueados pela Justiça

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN – Investigado nos anos 1990, só agora o caso Banestado deve gerar a devolução de parte dos tributos não pagos aos cofres públicos no esquema de evasão de divisas que pode ter movimentado 30 bilhões de dólares.
 
Segundo o Estadão desta quinta (27), a 1ª Vara Federal de Curitiba acatou um pedido feito pela Procuradoria da União no Paraná e determinou o bloqueio de R$ 289,1 milhões em bens de 12 ex-dirigentes do Banestado. 
 
“O montante confiscado corresponde ao valor do prejuízo que a União teve com os impostos que deixaram de ser recolhidos com o envio ilegal do dinheiro para o exterior, de acordo com o cálculo do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.”
 
A medida atinge imóveis, veículos, aplicações e demais ativos financeiros dos acusados de receber propina por meio de Youssef, que controlava mais de 90 contas em nomes de laranjas para efetuar os pagamentos.
 
A procuradoria sustentou que os crimes ficaram comprovados no âmbito da ação penal, apesar do Superior Tribunal de Justiça ter entendido que eles já haviam prescrito.
 
“(…) a unidade da AGU ressaltou que o artigo 37, parágrafo 5º da Constituição Federal estabelece que a obrigatoriedade de ressarcir o dano causado aos cofres públicos por ato ilícito é imprescritível. E que, de acordo com o artigo 10, inciso VI da Lei de Improbidade Administrativa (nº 8.429/92), ‘realizar operação financeira sem observância das normas legais e regulamentares’ constitui ato de improbidade que causa lesão ao erário.”
 
“Os advogados da União assinalaram que um total de R$ 1,4 bilhão circulou pelas contas operadas pelos acusados. Como o TRF4 já havia estipulado, em julgamentos anteriores, que o prejuízo para a União em casos de evasão de divisas é de 5% do valor total remetido ilicitamente, a AGU pediu o bloqueio de bens e o posterior ressarcimento ao erário de R$ 71,6 milhões – cifra que, atualizada, alcança os R$ 289,1 milhões”, acrescentou o Estadão. 

11 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Eduardo Bauer Londero

- 2017-07-28 16:28:40

Bloqueio dos bens dos diretores é nada

O caso não são os diretores, são os clientes.

Todo mundo quer saber QUEM carregou tanta grana para fora do país.

jcordeiro

- 2017-07-28 04:05:24

Coisas do Paraná

Nassif: tão dizendo que Savonarola dos Pinhais, nesse caso do BANESTADO, mandou vazar para a grande mídia só a notícia de bloqueio de quem seria ligado ao governo desposto ou dele simpatizante. O bando de Don Raton, aquela facção com sigla quilométrica (PSDB/DEM/PPS_PMDB+detritos sólidos de Maré baixa), que tenta eclipsar PV e PCC, estes continuam livres, leves e soltinhos. E o Presidente, do seu Cafofo em Curitiba, incumbiu do Mordomo de Filme de Terror a intensificar as ações das quadrilhas no Congresso para barrar, juntamente com a Lava Jato, qualquer iniciativa de CPI ou semelhante. E se precisarem de graninha extra o ministro da Fazenda adianta algum daquele fundo que dispões no exterior. Goste você ou não, os caras são rápidos e eficientes.

MARY LUCY DAL BOSCO CARLETTO

- 2017-07-28 00:47:43

Só agora réus do Banestado têm R$ 289 milhões em bens bloqueados

Cadê os nomes e os cargos dessas pessoas? Só assim não vale, ainda mais em um jornal de esquerda.

paulovi

- 2017-07-27 21:39:40

Nomes e fotos de quem deve

Nomes e fotos de quem deve devolver, teremos isso?

Aritoteles Coelho

- 2017-07-27 21:32:31

O povo lobotomizado pela

O povo lobotomizado pela midia tem os "heróis" que merece.

Neotupi

- 2017-07-27 21:14:23

Então lava jato prevaricou nas delações?

Quando disse que "não vinha ao caso" corrupção no governo FHC porque já estaria prescrito, os agentes da lava jato lesaram o erário de recuperar o dinheiro roubado. Não podem abrir processo criminal porque esté criminalmente prescrito, mas tem o dever de abrir processo por improbidade administrativa para reaver o dinheiro.

Vale desde o caso Aécio-Furnas-Bauruense, Aécio-Sérgio Machado-caixa dois para eleição de presidente da Câmara, FHC-Barusco, FHC-Delcídio-Alstom, FHC-Termelétricas, Pedro Parente-FHC-Perez Compec.

Serjão

- 2017-07-27 21:07:31

E a canadura?

solta o cano que não cai

Quem poderia imaginar que o tucanato é essa imensa e poderosa Organizaçao Criminosa?

Bandidos já sabíamos, mas nem tanto; superaram as nossas vãs expectativas e a si-mesmos.

Hugo Diniz

- 2017-07-27 20:08:06

Esposa do Barbicha

Será que a esposa do procurador barbicha de bode  carlos ... que era funcionária responsável pelas contas CC5, vai pagar

os pecados R$$$... agora ou juizéco moro desta mesma ação vai agasalhar o casal de amigos, como vem fazendo, se achar 

melhor né doutorzinho de merda ,podemos tirar. ou podemos deixar solto o doleiro de estimação da quadrilha do MPF e do juizinho. né mesmo doutor como se diz em Maringá, Os barros os dias e os richas e os moros estão todos JUNTOS novamente. 

Cassio Tonsig

- 2017-07-27 19:20:16

Pedido de bloqueio não garante...

Pedido de bloqueio não é garantia alguma de se bloquear os recursos, nem mesmo uma fração desse montante. 
Os atores dessa novela (com ajuda do juizinho et...) tiveram muito tempo para evaporar as "evidências"!

Francisco Andrade

- 2017-07-27 19:18:48

se esse caso for analisado de verdade...

o tal do "juiz" moro vai em cana...

bonobo de oliveira, severino

- 2017-07-27 16:59:11

Prescrição??

Duas questões curiosas suscitadas por essa estória de prescrição, merecedora da contribuição dos navegantes especialistas em direito (ou errado).

Primeira: A lei surge para tornar obrigatório o cumprimento de determinado comportamento que já era considerado exigível por questões de ética o morais vigentes e consolidadas. Dessa suposição, qual o princípio ético ou moral que respeita a lei que permite a prescrição de um CRIME?

 

Segunda: Quanto é que valeu, ou melhor, quanto é que rolou em propina, ou compensação, ou suborno mesmo, para premiar o entendimento da prescrição sobre uma questão que é imprescritível, por LEI? Não precisa apurar nada? Não cita o nome de ninguém? nem dos suspeitos de um lado e nem do outro? Todo mundo tem o direito à sua imagem e privacidade resguardados? Tá ai!! Quem disse que nesse país não vive em pleno estado democrático de Direito.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador