Um espetáculo midiático que põe em risco a democracia, por Gleise Hoffman

Foto: Wilson Pedrosa/ Agência PT
Foto: Wilson Pedrosa/ Agência PT
 
Gleise Hoffman 
 
Ao ser perguntada sobre me manifestar em nota a respeito da citação ao meu nome na lista da delação premiada de executivos da empresa Odebrecht, ilegalmente vazada em tempo real, depois entregue oficialmente pelo STF à imprensa e publicada em seu site‬, respondi que não o faria até ter acesso ao conteúdo oficial das informações.
 
O procedimento, que além de ilegal é irresponsável, é feito de tal modo espetaculoso que a condenação pública vem antes de qualquer apuração. ‪Não importam os fatos, mas as versões sistemática e diuturnamente repassadas pelos grande meios de comunicação, em especial pelo grupo Globo e seus comentaristas, que se arvoram em donos da verdade, da moral e dos bons consumes; que julgam a todos em seus comentários e vomitam regras indistintamente. ‬ ‪
 
Após ter acesso aos vídeos em que se referem a mim e aos demais, concluo que a operação Lava Jato segue à risca a intenção de ser a grande farsa de apelo midiático que vem sendo desde que se desviou do que se propunha ao início de investigar um esquema de corrupção. ‪
 
Nunca conversei com a Odebrecht sobre doação para minha campanha em 2014, tampouco meu esposo Paulo Bernardo, que não se envolveu em nenhum momento com a minha campanha.
 
Nunca transacionei interesse público para ter apoio de campanha, nem no Executivo, onde atuei, nem no Legislativo, onde atuo.‬ ‪
 
Impressiona como a Lava Jato induz a opinião pública sobre fatos e pessoas.  Ao virar delator, o Sr. Marcelo Odebrecht ganhou credibilidade sem limites. Sua palavra ganha valor de prova. De inimigo público nº 01, preso, criticado, troféu da Lava Jato, virou o maior conhecedor de campanhas eleitorais, chegando a afirmar, categoricamente, que “ninguém faz campanha sem caixa 2″‬.
 
Esse show midiático não tem nenhuma responsabilidade com o país e com as as pessoas. Ao misturar tudo: doações a campanhas, caixa dois, propina no exterior, venda de projetos e interesses, criminaliza não apenas esse ou aquele agente, mas a política como um todo, os partidos. Isso porque os empresários delatores, que se assumem corruptores, serão beneficiados, cumprirão a reduzida pena em liberdade e com muito dinheiro em suas contas.‬
 
Fora isso, é preciso dizer que há um ponto nessa história muito frágil e falho: nenhum membro do Poder Judiciário ou do sistema de justiça, das polícias e da mídia aparece nas delações.  ‪ Esse questionamento feito pelo deputado Paulo Pimenta em seu facebook da a dimensão da hipocrisia (https://m.facebook.com/deputadofederal) ‪
 
A simples menção do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, hoje preso, de que faria delação envolvendo membros do Poder Judiciário fez com que o acordo até o momento não tenha sido apreciado. O corporativismo é gritante.‬ ‪
 
Emílio Odebrecht, o pai de Marcelo fez interessante reflexão em seu depoimento: “Isso é há 30 anos que se faz. O que me surpreende e eu quero ter oportunidade de enfatizar, o que me surpreende é quando eu vejo todos esses poderes, a imprensa, tudo, tratando isso como se fosse uma surpresa (…) Porque 30 anos, é difícil as coisas não passarem a ser normais. (…) O que me entristece é a própria imprensa. Porque agora estão fazendo tudo isso? Porque não fizeram isso há 10, 20 anos atrás? Porque tudo isso é feito há 30 anos. (…) E a própria imprensa, vamos colocar a claro, essa imprensa sabia disso tudo e fica agora com essa demagogia. Me perdoe, mas eu realmente acho que todos deveriam fazer uma lavagem de roupa em suas próprias casas para ver o que a gente pode fazer”.‬ É uma fala que desnuda a hipocrisia com que os meios de comunicação tratam o tema.‪ Concluindo que sempre souberam ou suspeitaram haver doações não contabilizadas para campanhas, por que nunca investigaram ou denunciaram? Por conivência ou por se beneficiarem?‬ ‪
 
O sistema político certamente merece críticas, julgamento e punições. Há motivos, de fato, para parte da rejeição social. Mas a  generalização é um grande erro. Ao não se preservar os partidos e a política como instrumento fundantes da democracia, joga-se contra a própria democracia.‬ ‪ Neste sentido, muito boa a entrevista do cientista político Wanderlei Reis ao portal UOL: ‬ ‪”Nunca tivemos algo parecido com o ódio que vivemos neste momento. Nem mesmo na mobilização anticomunista que culminou no golpe de 1964. A relação desse ódio com a Lava Jato é inequívoca(…)”. Ele se diz preocupado com o clima antipolítica gerado pela Lava-Jato: “Não podemos prescindir dos políticos e dos partidos. Não existem alternativas reais a não ser que abdiquemos de fazer democracia”.‬ ‪
 
A avaliação de Luiz Nassif, no blog GGN (https://www.youtube.com/watch?v=U-Jitnu6y90) é certeira sobre a irresponsabilidade dos operadores da Lava Jato, em especial do Ministério Público na maneira que fazem e divulgam as acusações e pedidos de inquéritos, deixando o mundo político a sua mercê, protegendo os que lhe interessam. ‬ ‪Pergunta o jornalista a certo momento: “O que vocês têm para colocar no lugar? Prisões continuadas? Penalizações absurdas que estão destruindo economia (…) Como é que se vai governar o país? Vai ter uma república de procuradores e rede Globo? (…) esse denuncismo deslavado, essa parceria ignóbil com a mídia, isso aí não é fazer justiça, isso aí é manipular os escândalos em favor de um projeto político que nem vcs sabem o que é (…) É ma fé ou profunda ignorância (…) tudo em nome de uma moralidade hipócrita, que coloca uma quadrilha no poder”.‬
 
É fato que a democracia está sob ataque. Por isso me recusei a escrever uma nota. Não se trata mais de ofertar publicamente respostas apenas individuais, em exercício do direito processual de defesa que é agredido e negado com vazamentos infames. Trata-se de responder coletivamente, como representante eleita de um poder que é sustentáculo do Estado democrático de direito.
 

Redação

13 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Golpe do Judiciário,

    é o que parece estar acontecendo em nosso país.

    Já deram no Executivo e agora no Legislativo indiscriminadamente.

    Há que se ter respeito pela atuante senadora e mulher briosa que ela é.

    Ela mostra a cara, enquanto a maior parte dos senhores senadores agem em silêncio e pelas costas da população.

     

      1. SUCUPIRA? PIRA.

        Tá feia a coisa!

        A lavagem cerebral faz com que até no “blog do Nassif” (GGN)  se de “de barato”, na  maior normalidade e consolidada, a inversão jurídica do acusado ter agora que provar a sua  inocência e não mais o contrário.

        Endoidou de vez!

      2. Provas…

        Esse é justamente o problema: a ausência de provas.  Acusações e condenações estão sendo feitas em praça pública (melhor, em telas privadas), sem nenhuma prova. A simples palavras de executivos assumidamente criminosos são assumidas e difundidas como verdades. A imprensa, principalmente a Globo, nem se preocupa em usar a palavra “suposto”, ou “de acordo com fulano de tal,  criminoso confesso e executivo da facção criminosa Odebrecht, que nesse momento só está preocupado em reduzir sua pena, supostamente houve tal conversa, tal encontro, tal repasse, etc”.  A maioria dos depoimentos martelados pela globo em todos seus telejornais declara que “ouvi fulano dizer que esse dinheiro era para tal pessoa”,  “na reunião um terceiro disse que…”, “naquele dia conversamos tal e tal, e para mim ficava claro que a intenção era isso e aquilo”…    

         

        Ora, tudo opinão, tudo versão, um monte de historinha contada em detalhes, com clara intenção de agradar os “interrogadores” e posar de bandido arrpendido.  Fico me perguntando: esse pessoal da Odebrecht são um fenômeno de memória: a maioria com mais de 50 anos, pessoas que devem lidar com milhares de processos, documentos, negócios, reuniões, etc; um deles o presidente da maior empreiteira brasileira…  E todos conseguem lembrar em detalhes de conversas que tiveram, o que falaram, quem estava, o que sentiram, o que escutaram falar, etc.  Sem dúvida, um fenômeno a desafiar a medicina. Seria de causar inveja, se não fosse tão absurdo e nada creível…

        Então, só posso concordar: mostrar a cara não inocenta esses “corajosos” delatores. Quero ver as provas.  

        E o mais absurdo é que o Judiciário, e em especial o Supremo, que deveria zelar pelo direito à presunção de inocência até prova em contrário,  pelo respeito ao rito processual coerente com o estado democrático de direito e pela não acusação ou condenação prévia sem provas,  é esse Judiciário e esse Supremo que liberam depoimentos de bandidos para o livre uso e a livre edição da grande mídia, que ganham de graça o material para encenar a maior novela jamais vista na história desse país…

        Provas? Quem precisa delas?  Ah sim, precisarão todos os acusados, para provar que são incocentes e que as calúnias são falsas…

  2. Espetáculo midiático

    O seu vídeo de ontem foi a melhor resposta dada ao deplorável espetáculo midiático ofertado pela Lava Jato e o Judiciário.Ninguém falou ou escreveu da surpresa do Sr. Odebrecht com a mídia em geral de que estes fatos acontecem há 30 anos e só agora estão sendo postos em evidência. Por que só agora?

  3. Tá aí.
    Aquilo que escrevi no

    Tá aí.

    Aquilo que escrevi no Fora de Pauta.

    Ela é acusada de vários caixas 1,2.3,4. O marido dela nem se fala.

    Falaram dele que até roubou dinheiro dos velhinhos.

    E quem liga neste blog ?

    Nassa até coloca como post.

    O dia que os blogs de esquerda e direita se conectarem e escreverem somente a verdade( e não suposições), quem sabe o Brasil não melhora .

    Hoje em dia é impossível.Porque o que querem saber :

    Quem roubou mais, esquerda ou direita ?

    Por que não vão ambos pra puta que os pariu ?

  4. Imprensa mineira e Aécio Neves

    A  imprensa brasileira senta no proprio  rabo nos seus comentários frenéticos sobre o espetáculo do momento, as delacoes premiadas da odebrecht.

    Entao vejamos, tirando por base o comportamento da imprensa ou mídia mineira durante os governos Aécio Anastasia.

    Nesse espaco de tempo de quatro mandatos nao se leu, viu, ouviu…. uma única critica ao governo mineiro pois era proibido.

    Sequer as caricaturas das principais figuras do poder mineiro eram conhecidas, só conheci a caricatura do Aécio  por ocasiao da sua  candidatura presidencial. O estranho é que os governantes anteriores desse estado eram caricaturados todo santo dias nos jornais dos mineiros, sobretudo o topete do Itamar, o Dojao Helio Garcia e o trator Newtao Cardoso 

    Quer dizer, de repente tudo mudou e tudo ficou proibido de se publicar em relacao aos fatos negativos   nos tempos do Aecio Anastasia.

    De repente vem a publico as acusacoes contra os dois e gostariamos de saber se o calaboca pelo qual passou a mídia mineira no periodo saiu tambem da Odebrecht via governo de Minas, é provavel.

    Provavelmente a mídia de outros estados também seguiram a licao mineira, deveriam tambem ser delatadas

    A verdade é que a imprensa é um  poder muito forte, em muitos casos  muito maior  que o legislativo e o que vemos é que muitos comentaristas tem a cara de pau de falar mal de deputados e senadores. Quer dizer vivem influenciando, irresponsavelmente, o publico cheios de falsos moralismo

    Isto tem e deve tambem ser passado a limpo o mais rápido possivel, para o bem da nossa nacao

     

    José Emílo Guedes Lages- Belo Horizonte

     

     

    1. Caro amigo,
      Concordo que

      Caro amigo,

      Concordo que passou muito dos limites o poder da mídia e que ela é que devia ser acusada. O problema é que não sabemos mais onde começa a mídia e onde termina a política. Ou seja, muitos políticos são também donos de rádios e tvs pelo Brasil afora. Portanto não vejo nenhum falso moralismo em falar mal de deputados e senadores que além de políticos, são empresários de comunicação e levam uma vida muito boa.

      Acho que isso é que é imoral.

       

       

       

    2. Mais do que em outro lugar a
      Mais do que em outro lugar a midia em minas depende muito do estado, sinceramente não sei se é verdade mas muito se diz que aécio tem participação tanto na globominas como na bandminas. É público e notório que os jornais associados é aecio desde criançinha, o diretor tem a fodo dele com aécio em destaque no seu escritório

  5. A Globo…

    Fala, fala, martela nossos ouvidos  , nossa visão dia e noite, noite e dia. Acaba com a política, destroi reputações, falando o que quer e sendo sempre contra a censura.

    Elege presidentes, governadores, deputados e senadores, tendo como  contrapartida a colocação de seus jornalistas/comentaristas p/ falar o que é ordenado por seus donos, tanto para o bem, como para o mal.

    É a dona da TV no Brasil, dominando o futebol, carnaval, corridas e eleições (onde é a responsável pelo  Gran finale dos debates), tudo mt bem editado, de acordo c/ sua conveniência. É sempre a escolhida p/ vazamentos que a interessam.

    Quase não paga seus impostos devidos e consegue até roubo de processos na justiça e fica tudo por isto mesmo. Faz um programa anual  “Criança esperança”, onde o mérito é todo deles e c/ certeza desconta do IR.

    E de onde veio este poderio todo ?

    Serão seus proprietários tão bonzinhos, que conquistam a todos com apenas o olhar?

    Alguém, algum dia, a delatará de verdade

  6. À Globo não interessa

    À Globo não interessa divulgar a verdade nem mesmo das delações. A emissora se atém apenas a parte do que dizem os delatores, aquela que lhe interessa e que faz a cabeça dos incautos. 

    Vejamos que a cada jornal apresentado após a divulgação da lista de Janot, e dos depoimentos dos empresários, toda a Globo, das rádios aos canais de televisão, mantem a mesma conduta de sempre: repórteres inciam os jornais evidenciando o que foi dito contra Lula e o PT; depois, por obrigação, cita os outros, porém até chegarem a um tipo Alkimin, ou FHC, que vão merecendo ressalvas, como hoje ouvi pela rádio: “O caso FHC é menor, afinal trata-se apenas de caixa2”. E, na sequência, nenhuma menção mais evidente sobre as delações contra MT e seus ministros mais próximos. Por sinal, hoje escutei pela rádio que Meirelles está com viagem marcada para os Estados Unidos, onde irá explicar ao Banco Mundial que os acontecimentos em nada irão interferir na Economia brasileira, tão pouco nas reformas que estão em curso no Congresso.

    Toda a imprensa, de forma geral, até o presente não emitiu opinião sincera sobre o fato de MT e Congresso, em geral, não terem autoridade para seguir adiante com as tais reformas. 

    Talvez, de todos os momentos mais emblemáticos de nossa política, a partir da abertura da Lava Jato, o de agora pode ser considerado o mais complicado, justo por essa desqualificação generalizada dos políticos, como se realmente tivéssemos o que pôr no lugar deles. 

    O que está por trás dessa onda pode ser um mistério a ser desvendado, e talvez mais assombroso do que o já visto. 

  7. Inocente(s) ou culpado(s)?

    Inocente(s) ou culpado(s)? Vai saber !

    A unica certeza que tenho é que Paulo Bernardo sentou em cima da proposta da lei dos meios e ajudou a irrigar a rede globo com dinheiro. F_ _ _-_ E!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador