A geopolítica do capital: pré-sal na mira dos EUA

Como a luta anticorrupção virou instrumento da geopolítica norte-americana, uma arma mais eficiente do que as intervenções militares convencionais

Por Luis Nassif e Cintia Alves, do GGN

O atentado de 11 de setembro de 2001 mudou a história e a doutrina de segurança dos Estados Unidos.

Desde o fim da União Soviética, o governo norte-americano acreditava ter entrado em uma era de controle total sobre os concorrentes.

De repente, com o ataque às Torres Gêmeas e ao Pentágono, a sensação de invulnerabilidade começou a desmoronar.

O episódio representou uma ruptura no sistema de relações internacionais, forjando um realinhamento dos Estados Unidos em relação à ordem global.

O governo então passou a exercer uma marcação maior sobre transações financeiras e intensificou as ações políticas e a cooperação jurídica com outros países.

A toque de caixa, eles aprovaram um novo plano nacional de segurança.

“Eu dizia que os EUA estavam agindo como um império, pela força, pela independência, pela reação sem levar em consideração regras internas e regras internacionais. E realmente, naquele momento, acho que nunca houve na história da humanidade nenhum País que concentrasse tanto poder. Não tinha outra potência fazendo contraste. Eram os EUA que faziam tudo para assegurar sua segurança”, afirmou o ex-embaixador do Brasil em Washington, Rubens Barbosa.

“Na doutrina de segurança norte-americana que foi passada logo em seguida tinha um parágrafo que dizia que os EUA farão qualquer coisa para impedir que uma outra nação se aproximasse do poderio americano”, acrescentou.

O Departamento de Segurança Interna, o DHS, e a Agência de Segurança Nacional, a NSA, foram encarregados de preparar o País contra novas ameaças.

Juntos, eles formam o núcleo de proteção cibernética dos Estados Unidos.

Com orçamento estimado em 8 bilhões de dólares, a NSA surgiu na década de 1950, para fazer espionagem eletrônica dentro e fora dos Estados Unidos, em continuidade ao trabalho desenvolvido a partir da Segunda Guerra Mundial.

Já o DHS começou com um orçamento 5 vezes maior. Foi criado em 2002, justamente para coordenar o serviço de inteligência depois do fracasso em prevenir os atentados de 11 de setembro.

Com o tempo, ficou evidente que essa grande estrutura de combate à corrupção era capaz de operar como um instrumento geopolítico. Sobretudo porque o papel de polícia mundial incorporado pelos Estados Unidos começou a esbarrar na soberania de outras nações.

Historicamente, o governo norte-americano tem invadido países em guerras armadas. Essas guerras se tornaram cada vez mais caras e ineficazes. Mas nesse contexto existiam poucos recursos para que eles pudessem interferir nas grandes disputas comerciais, a não ser que fosse apoiando golpes de Estado em favor de aliados.

A soberania nacional impedia qualquer atuação mais decisiva em favor dos interesses das companhias norte-americanas. Pois cada País deveria julgar os crimes cometidos por suas empresas e cidadãos.

Uma primeira brecha para subverter esse processo interno foi aberta a partir da criação de uma corte internacional para julgar crimes contra a humanidade, uma pauta humanitária legítima.

Em cima dessa brecha, surgiu a Convenção Anti-Suborno da OCDE, na qual os Estados Unidos pressionaram para que os países membros se comprometessem com o combate aos crimes de colarinho branco.

“Me parece que a ideia está correta, mas houve também uma deturpação. E hoje, tanto a FPCA como também essas leis que foram criadas supostamente para o combate à corrupção e ao suborno, estão sendo hoje utilizadas para a prática de lawfare, seja para fins geopolíticos, políticos e também comerciais”, avaliou o advogado Cristiano Zanin.

Assim os Estados Unidos montaram a parte central da nova estratégia geopolítica:

Com a NSA e o Departamento de Segurança Interna, teceram a maior rede de inteligência e espionagem do planeta.

Com a profusão de leis anticorrupção impulsionada pela Convenção da OCDE, ganharam poder para punir empresas estrangeiras através de um conceito bastante elástico. Bastava alegar que o dinheiro investigado, em algum momento, transitou por um banco nos Estados Unidos ou prejudicou um cidadão norte-americano.

Leia também:  Coronavírus: MP de SP determina que casal de itapira fique confinado até 31 de março

Para colocar o bloco anticorrupção nas ruas, o Departamento de Justiça, o DOJ, passou a assinar acordos de cooperação com o Ministério Público em diversos países, especialmente da América Latina.

Rapidamente, ocorreu a cooptação de procuradores, juízes e delegados federais, instituindo uma parceria informal.

A forma de cooptação era simples: os procuradores ganhavam poder com as informações repassadas pelo DOJ sobre corrupção política em seus países. Depois, montavam denúncias contra grandes corporações nacionais que disputavam o mercado global.

Mais tarde, esses mesmos procuradores poderiam integrar grandes escritórios de advocacia e usufruir da indústria do compliance, sobre a qual falaremos nos próximos capítulos.

Nesse modelo, bastava ao DOJ direcionar as investigações para países ou empresas que, de alguma maneira, afrontam os interesses dos Estados Unidos. É só oferecer aos procuradores aliados o prato pronto, com os dados que alimentam as investigações.

Ex-procurador do DOJ, o advogado William Burck esteve no Brasil em maio de 2019 e admitiu que “não há a menor dúvida” de que os Estados Unidos usam o combate à corrupção como “um instrumento de política externa.”

No caso da Lava Jato, ele declarou que os procuradores brasileiros “trouxeram a raposa para tomar conta do galinheiro.”

Burck ainda citou na entrevista ao site Consultor Jurídico uma máxima cravada na história de seu País: “O negócio dos Estados Unidos é fazer negócio. O governo sempre vai querer garantir que as empresas americanas estejam bem onde quer que estejam. Eles querem sempre proteger seus negócios.”

E encontraram na Lava Jato os melhores parceiros que poderiam conseguir, pois em nenhum momento os agentes brasileiros manifestaram publicamente a menor preocupação com os interesses nacionais.

“As empreiteiras brasileiras eram a grande arma, instrumento de projeção do Brasil na África e América Latina. Você queimou todo esse canal de influência para abrir espaço para chinesas e empreiteiras do mundo inteiro. Quem vai para a África são as indonésias, tailandesas, turcas, gregas. Eles vão dar comissão também na África. Sai ‘nós’, entram outras. Que vantagem tem para o Brasil isso? Perdemos tudo isso porque a cruzada moralista liquidou com isso.”

Essa cruzada moralista merece um comentário à parte, porque não é apenas o governo dos Estados Unidos que usa a luta contra a corrupção em benefício próprio.

Ao longo das últimas décadas, grandes empresários passaram a injetar muito dinheiro na campanha eleitoral de políticos e na formação de jovens lideranças ao redor do mundo.

Magnatas do petróleo como os irmãos Koch, ou a família Mercer – que fez fortuna no mercado financeiro – criaram institutos e fundações que operam como verdadeiros “think tanks” dos novos movimentos conservadores que cresceram no embalo das redes sociais.

Onde a democracia representativa entrou em colapso, esses bilionários encontraram espaço para uma intervenção rigorosa através dessas fundações.

Assim avançaram as militâncias digitais que, no Brasil, foram usadas na defesa incondicional da Lava Jato, no impeachment de Dilma Rousseff e na promoção de uma ampla agenda neoliberal para a economia.

O Movimento Brasil Livre é fruto dessa árvore. Seus membros passaram pelo principal programa de treinamento da academia de lideranças da Atlas Network, uma fundação  que atua em mais de noventa países, com patrocínio dos Koch.

O PRÉ-SAL NA MIRA DOS EUA

Qual foi o impacto da descoberta do pré-sal brasileiro para o Departamento de Estado?

Leia também:  O declínio do império americano, por Rogério Maestri

“Foi muito maior do que se imagina. Porque há uma lógica nos EUA, de que não podem ser vulneráveis a zonas de conflitos permanente, como é no Oriente Médio. Outra coisa que também estão tentando fazer é usar petróleo de lugares mais próximos dos Estados Unidos. Então o pré-sal, nesse sentido, serial o ideal”, afirmou o advogado e consultor André Motta Araújo.

O pré-sal foi talvez o melhor campo para os Estados Unidos fazerem uso da chamada guerra híbrida, uma estratégia militar que une táticas de guerra convencional e ciberguerra, misturando ainda fake news, lawfare e interferências no plano político-eleitoral. A Petrobras foi alvo desse tipo de artilharia.

Em 2008, a empresa foi vítima de um furto. Levaram quatro notebooks e dois HDs trancados no interior de um contêiner, com dados sigilosos sobre o pré-sal. As suspeitas eram de espionagem industrial, mas o episódio foi deixado de lado.

Nos anos seguintes, uma missão diplomática dos Estados Unidos no Brasil começou a enviar correspondências para Washington sobre a exploração do pré-sal.

Revelado pelo Wikileaks, o conteúdo das mensagens indicava que as petroleiras não gostaram nada do regime de partilha discutido ao final do governo Lula.

O fato da Petrobras ser a operadora de todos os campos transformaria as estrangeiras em meras financiadoras da prospecção, diziam seus representantes.

Havia ainda uma preocupação com o avanço da concorrência chinesa a partir do novo modelo.

Em 2013, Joe Biden, então vice-presidente dos Estados Unidos, visitou o Brasil e alguns países vizinhos, de olho no petróleo.

O governo norte-americano não escondia de ninguém que buscava aumentar sua influência na América Latina por causa do “papel estratégico” que a região representa para o futuro dos Estados Unidos na questão energética.

Biden, inclusive, disse à imprensa que os países do continente seriam os responsáveis por dois terços do crescimento do suprimento mundial de petróleo nas próximas décadas.

“A meta principal deles na América Latina, desde sempre, tem sido ter países alinhados completamente, ou mais importante, alinhados à política externa deles. É com isso que eles mais se preocupam agora”, disse o economista e pesquisador Mark Weisbrot.

“É impossível para os EUA ‘aceitar’ outra potência no hemisfério. Aí acho que tem várias coisas, tem o pré-sal aqui, e tem uma política externa que tem várias consequências. Uma integração da América do Sul, né? Eu sempre cito, tem uma capa da Economist que diz assim: ‘não é mais o quintal de ninguém’. Cê acha que… Isso para o pensamento estratégico americano é impossível”, acrescentou o ex-chanceler Celso Amorim.

“Então você tem aqui grandes reservas de petróleo. Além do interesse econômico, você ao mesmo tempo abre um canal de estratégias com os Brics, sobretudo com China e Rússia, que até hoje são os problemas centrais dos EUA, o resto é tudo secundário comparado com China e Rússia. Acho que isso mexeu com o estado profundo”, pontuou.

“E ao mesmo tempo você tem, eu acho, a partir de pelo menos 2008, 2009, uma visão de que o Brasil tinha crescido demais e era preciso cortar as asas. E aí, o que eles usam sempre, é a coisa da corrupção”, finalizou.

Em setembro de 2013, cerca de seis meses antes da primeira fase da Operação Lava Jato ser deflagrada, o mundo foi abalado pelo dossiê Snowden, que desnudou a espionagem dos Estados Unidos sobre lideranças políticas e empresas estratégicas.

A ex-presidente Dilma e a Petrobras foram vigiadas ilegalmente.

Snowden escreveu ao povo brasileiro para esclarecer a finalidade daquela violação. A carta dizia:

Leia também:  Vírus enterra neoliberalismo como indigente, por Andre Motta Araujo

“A NSA e outras agências de espionagem nos dizem que, pelo bem de nossa própria ‘segurança’ – em nome da ‘segurança’ de Dilma, em nome da ‘segurança’ da Petrobras –, revogaram nosso direito de privacidade e invadiram nossas vidas.”

“Dizem que isso é feito para manter as pessoas em segurança. Estão enganados.”

“Esses programas nunca foram motivados pela luta contra o terrorismo: são motivados por espionagem econômica, controle social e manipulação diplomática. Pela busca de poder.”

“Há muito questionamento por conta de diversos países sobre a espionagem para fins comerciais, que não envolve interesse de segurança nacional, mas sim de interesse comercial. Então eles utilizam todo esse documento, esse arquivo de espionagem via FISA, que é uma corte que ninguém tem acesso, e utilizam nos autos para munição, para municiar as operações anticorrupção do FCPA, mas que na realidade visam, de alguma forma, privilegiar as empresas americanas”, explicou a advogada Valeska Teixeira.

TENTÁCULOS PELA AMÉRICA LATINA

Em julho de 2017, durante um evento promovido por um centro de lobby de Washington, Kenneth Blanco, que na época era advogado-geral adjunto do Departamento de Justiça, fez uma das mais comprometedoras revelações a respeito dos bastidores da Lava Jato.

Ao lado de Rodrigo Janot, então procurador-geral da República, Blanco escancarou que os procuradores brasileiros se comunicavam com os norte-americanos sem o acompanhamento da autoridade central, que tem o papel legal de intermediar a troca de informações e cuidar dos interesses nacionais em xeque.

Blanco não parou por aí. Ele celebrou a prisão de Lula como resultado do sucesso da cooperação internacional na Lava Jato. E de quebra, mostrou como os Estados Unidos espalharam seus tentáculos por outros países da América Latina.

A declaração de Blanco é a prova final de que os Estados Unidos conseguiram transformar os procuradores do continente em seus colaboradores, sem a necessidade de uma guerra declarada.

Hoje, esse coleguismo resulta em encontros curiosos, como o que ocorreu no final de 2019 entre Victor Laus – o desembargador que condenou Lula em segunda instância – e um “conselheiro” da embaixada dos Estados Unidos em Brasília.

O agente do governo norte-americano queria trocar figurinhas sobre como a Justiça brasileira está tratando grandes casos de corrupção, como a Lava Jato.

No final da reunião, Laus ainda afirmou que é muito importante que os Estados Unidos se aproximem dos nossos tribunais, pois isso possibilita maior “integração e articulação entre as instituições”.

“O Brasil tem sido o grande prêmio para eles. Eles perderam o Brasil depois de 2002 até 2016. Eles não tinham esse País no bolso. O Brasil é mais difícil do que, especialmente, estes outros países para os EUA conseguirem se aproximar, porque tem uma longa tradição, uma questão de tradição moderna de independência, mesmo na ditadura militar”, disse Weisbrot.

“Quando essa história for finalmente escrita, eu acho que o golpe contra Dilma, Lula e o PT, será visto como um dos mais importantes apoios dos Estados Unidos, em grande escala, a um golpe na América Latina”, finalizou.

No próximo capítulo: Como o desinteresse do governo brasileiro e da Lava Jato submeteu a Petrobras a multas bilionárias nos Estados Unidos, e ajudou na destruição da engenharia nacional.

O CAPÍTULO 4 ESTREIA EM 5/2/2020.

Assista aos episódios 1 e 2:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

16 comentários

  1. “””””””O SÉRGIO MORO CONFIA NUMA IGNORÂNCIA DA POPULAÇÃO PARA APOIAR-LO DE FORMA INCONDICIONAL”””, para dar a ele plenos poderes pra fazer suas próprias LEIS. E “””ISSO FICOU ESCANCARADO”””, quando “”””””O SERGIO MORO ‘QUIS ROUBAR 2 BILHÕES DA PETROBRÁS’ AO TENTAR CRIAR A EMPRESA DELE CHAMADA FUNDAÇÃO LAVA-JATO””””””. Por isso é que a imprensa independente e livre; “”””PRECISA CONTINUAR MOSTRANDO AO POVO O QUE É VA FUNDAÇÃO LAVA-JATO”””, que demonstra exatamente isso que “essa matéria diz”; em que forças golpistas da DIREITA, da mídia tradicional e do JUDICIÁRIO; se uniram pra DESTRUIR o Brasil dando muitas vantagens aos Estados, como é o caso da PETROBRAS. Pois “””””O Sérgio Moro, CONFIANDO NESSE APOIO TOTAL DOS IGNORANTES A ELE; depois que saiu pelo mundo DESTRUINDO A PETROBRAS COM PALESTRAS EM QUE COLOCAVA O PETROLAO QUE COMEÇOU EM 1997 NO GOVERNO DO PSDB, COMO SENDO A MAIOR CORRUPÇÃO DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE; resolveu ROUBAR 2 BILHÕES DA PETROBRÁS”””””, num esquema em conjunto com os ESTADOS UNIDOS, que se deu da seguinte forma: “””O MORO SE AUTOPROCLAMOU representante da Petrobrás, e SEM AUTORIZAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ou da própria PETROBRAS pra falar em nome dela; O MORO ASSINOU UM ACORDO COM OS ESTADOS UNIDOS, EM QUE A PETROBRAS, EMPRESA DA?QUAL O MORO NÃO FAZ PARTE, ‘SE ASSUMIRIA CULPADA POR TER SIDO ROUBADA NA CORRUPÇÃO DO PETROLAO’, e ‘ACEITARIA PAGAR AOS ESTADOS UNIDOS UMA MULTA DE 2 BILHÕES’; que os Estados Unidos, dentro da sua infinita bondade, DIÁRIAM esse mesmos 2 BILHÕES, ‘saidos dos cofres da vítima PETROBRAS’; para O SERGIO MORO, montar sua empresa particular chamada FUNDAÇÃO LAVA-JATO””. Ou seja: O MORO, QUERIA, ROUBAR 2 BILHÕES DA PETROBRÁS, E AINDA SE APLAUDIDO E TRATADO COMO HEROI PELA POPULAÇÃO MAIS IGNORANTE.

  2. O Brasil tomado de assalto pelas trevas.
    Moro, Damares, o de nome nazi do MEC são tipicos abecedarianos wue assumem a ignorancia como profissao de fé:

    ” Os abecedarianos foram uma seita cristã alemã do século XVI que defendia o analfabetismo. O ponto principal de sua doutrina era o fato de que todo o conhecimento humano, inclusive o alfabeto é desnecessário e supérfluo. Wikipédia

  3. Indústria de Vitimização e Coitadismo? Prolongando este discurso doutrinário de 90 anos, mudaremos tal realidade? O Brasil, um dos maiores países do Mundo, se comparar a Bolívia, Uruguai, Portugal, Grécia, Irlanda, Paraguai?!! É o próprio Brasil que se compara e se rebaixa !! AntiCapitalismo de Estado é doutrina de 9 décadas. Agora queremos ter sucesso capitalista? Incentivar Nossa Marcas e Empresas? Petróleo? Mas Petróleo é produto em desuso, em extinção, que amplia o Aquecimento Global, que será descartado. Um ‘mico’ que perderá investimentos e interesses. Quem comprou esta ladainha? PRIVATARIAS? Um país inteiro aplaudia, enquanto Mirian Leitão, acusava FIESP de antiquada, preservacionista de reservas de mercado, nacionalismo arcaico,…Agora é que enxergaram a estupidez? E os 30 anos perdidos? A culpa é dos Interesses NoreteAmericanos ou da mediocridade e bipolaridade tupiniquim? Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

  4. Mais uma empreiteira indo pro saco : AGU pede e consegue que a Queiroz Galvao fique proibida de fazer contrato com poder público

    Deu no G1

    • Andre Rs : AntiCapitalismo de Estado. Quem precisa de Empregos e Carreiras que evoluam e sejam bem remuneradas? Isto existe e é preservado por 90 anos em AGU, por exemplo, para manter o Estado Absolutista. O Brasil óbvio.

  5. Enquanto isso, nossa maior refinaria, a REPLAN, está parando 1 destilação e 1 FCC, por “folga operacional”.
    Viva a gasolina importada, viva o ‘miNto’…
    ???

  6. Enquanto isso, após tantas revelações como estas, os progressistas ficam se iludindo e tentando iludir outras pessoas de que a a eleição 2022 será limpa e os ianques e seus paus mandados daqui aceitarão um resultado que contrarie seus interesses.

  7. Por que comunico gentilmente as senhoras e os senhores comentaristas que aqui gorjeiam,que minhas opiniões emitidas aqui,tenham o destino certo,isto é,os ouvidos de Luis Nassif.Se alguém pensa como eu,não se manifestou a tempo e deu-me a oportunidade de sair na frente.Tornou-se grife minha em “afirmar peremptoriamente que Luis Nassif é o maior e mais brilhante jornalista de sua geração”.Duvido muito que algum outro jornalista brasileiro em atividade,produza um texto em série como o que tem feito Nassif sobre a nova geopolítica norte-americana após o ataque as torres gêmeas.Me parece que o Prof.Boaventura Souza Santos tratou do assunto,mas não com esta profundidade. Nassif começou trilhar por esse caminho quando a então poderosíssima Revista Veja o colocou como seu alvo preferido pela defesa que fazia da era lulo-petista.A Nassif não restava outra alternativa,senão a melhor defesa é o ataque,e produziu o maior trabalho jornalistico do século XX,O Caso de Veja,que resultou na quebra da Editora Abril,quando colocou as visceras da Veja de fora,provando que o Pasquim vagabundo estava a reboque do crime organizado.”Esqueçam o Policarpo,o negócio é com Robert Xchivita”,nunca mais saiu da minha cabeça.Nassif mais uma vez faz historia,e ela no momento oportuno,fará justiça a ele.Corta pra mim. O que tem de descarados e descaradas metidos nesta roubalheira de nome CHIC,é para bolsonarista nenhum botar defeito.Me parece que a Deusa do Ébano chama-se Helen Gracie.Trouxe para a gatunagem,Rodrigo Janot,Luizes Barroso e Fux,o Clã Moro comandado por Zucolloto,os Procuradores da Lava Jato chefiados pelo barbicha safado,Luiz Fernando Lima,um canalha mor de nome Modesto Carvalhosa,e outras sardinhas mais.Segundo o maior escritor brasileiro aos meus olhos,Graciliano Ramos,o velho Graça para os íntimos(Urariano Mota fez uma resenha sobre ele e esqueceu-se mencionar “Angustia”,sua mais brilhante obra),que o Brasil jamais seria uma grande potência,um grande País,pela inexistência de um Golfo.Divirjo do Mestre.O Brasil jamais será uma grande potência ou um grande País,por que tem bandidos demais e mocinhos de menos.

  8. Outro dia alguém me pediu provas de que os EUA são nossos inimigos. Pois bem, provas há em profusão, tanto de ataque quanto de sabotagem, de aliciamento, corrupção e cooptações de políticos e empresários brasileiros, desde as operações Brother Sam e Condor até a escancaradas ações de “lawfare”, de danos à bacia do pré-sal, à Petrobras e à indústria brasileira em geral, de interferência nefasta e destrutiva em todo nosso trabalho de independência, soberania e prosperidade. Mas a questão não são as provas, a questão é a nossa postura ante a profusão de provas:

    – “Ah, mas se eu considerar os EUA inimigos, terei que lutar contra eles; só que eles são mais fortes…”
    – “Ah, eles estão mesmo nos atacando. Mas também já viu a inépcia dos brasileiros? São uns bostas, um… um ‘povinho’, mesmo.” (Note-se que na segunda frase os brasileiros passam de “nós” para “eles”. Os outros brasileiros, não tão diferenciados quanto nós é que são uns bostas.)
    – “Ah, mas o pessoal dos EUA é assim mesmo. Eles acham que são predestinados a serem donos do mundo e não há quem tire isso da cabeça deles.”
    – “Ah, vá… atacando quem? Eu não. Eu passo minhas férias na Disney, em Las Vegas e Nova York. Tenho até negócios por lá. Se eles estão atacando alguém, a mim, pessoalmente, é que não.”

    E por aí vai…

    Ou seja, provas FACTUAIS de que os EUA nos tratam como inimigos tem de monte. O que falta é a gente parar de se iludir. Ou de ser hipócrita. Queremos mesmo nosso país bem, independente, próspero, soberano, justo, um bom país para todos os brasileiros (e como se não fosse óbvio, inclusive nós) ou não? O que queremos de verdade?

    4
    1
    • Quem já fumou algum dia, já se pegou respondendo malcriadamente aos defensores da saúde de plantão quando eles diziam que “cigarro dá câncer”.
      Dizia-se – “ah! isso é conversa” ; “fumar é legal”; “a saúde é minha”;” prove-me que dá câncer”…
      Assim também se manifesta o brasileiro quanto aos americanos.
      A ignorância do brasileiro é um vício que ele defende com carinho mesmo diante do maior prejuízo.

    • Uns bostas preocupados com provas como se os americanos deixassem – nas de forma escancarada . .somente apos 50 anos assumiram a participacao no golpe militar e o mesmo farao com o de 2016……..

      ….se bem que com relacao ao golpe de 2016 e da sabotagem as provas abundam

      …queria ver esses brasileiros pedindo provas no processo farsesco contra Lula…sqn

  9. Grande Nassif, o maior jornalista brasileiro da atualidade.

    Seria demais dizer que diante do número expressivos de nomes ligados ao judaísmo de extrema-direita, ou sionismo como queiram, atuando dentro do governo bolsonaro o Brasil virou uma manga que será chupada até a última gota antes de a esquerda ter oportunidade de voltar ao poder?

    De um lado os falcões do capitalismo selvagem norte-americano de outro o sionismo disputando a carniça verde e amarela.

    • Permita-me correções:
      “manga que será chupada até o último fiapo….”
      “De um lado, águias do capitalismo selvagem norte-americano e de outro lado, o estrelado sionismo disputando a carniça verde e amarela.”

      Aliás, tá tudo dominado!

  10. Desde o inicio sempre tive esta opiniao.Se Aesio tivesse ganho,o processo estaria concluido.Mas a Dilma se reelegeu,aguentou ate onde a lei poderia garantir.Como objetivo nao tinha sido alcançado,o plano foi em frente,com um resultado desastroso para a economia Brasileira.E o Juiz condenou não so os corruptos mas uma nação inteira.Temo que a intervençao foi alem da Geopolitica,hoje era para o Sr Eduardo Campos ser o nosso Presidente em seu segundo mandato e possivelmente o Lula ter concorrido as eleições de 2018,caso o relator do processo não tivesse falecido.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome