Bolsonaro é livre para defender torturadores e Ditadura, diz governo à ONU

ONU lista declarações revisionistas e negacionistas de Bolsonaro como presidente, e diz que elas afrontam o dever do Estado de evitar que a História se repita

Jornal GGN – O governo federal disse à Organização das Nações Unidas que Jair Bolsonaro exerce seu direito constitucional à liberdade de expressão quando defende torturadores e diz que a Ditadura Militar foi uma revolução que salvou o País.

Segundo reportagem do correspondente internacional do UOL, Jamil Chade, a comissão de direitos humanos da ONU afirmou ao governo que “a negação de violações do passado e a desinformação deliberada sobre eventos passados” são contrárias “ao dever dos Estados de garantir a total divulgação da verdade e a preservação da memória sobre violações do passado”, para evitar que esses erros se repitam.

O governo rebateu que é “injustificável” que a ONU cobre o chefe de Estado brasileiro sobre este assunto, e reforçou o entendimento de que Bolsonaro é livre para dizer o que quiser. “(…) o Brasil é uma democracia sólida, com instituições em totalmente funcionamento, regida por princípios constitucionais e garantias baseadas nos mais altos padrões do Estado de direito, incluindo o direito à liberdade de pensamento, o direito à liberdade de expressão e o direito à liberdade de opinião. Tais direitos, claro, estendem-se aos detentores dos mais altos cargos na República.”

Em um documento enviado ao governo, a ONU ainda resumiu as declarações de Bolsonaro que violam os direitos humanos.

– Em 30 de julho de 2019, Bolsonaro criticou o trabalho da Comissão Nacional da Verdade, que em 2014 concluiu que a ditadura foi responsável por 434 assassinatos e desaparecimentos e centenas de casos de detenção arbitrária e tortura. – Em 1º de agosto de 2019, o governo alterou a composição da Comissão Especial sobre Mortes e Desaparecimentos Políticos, substituindo pessoas com reconhecida experiência no campo da justiça transicional por um conselheiro com poucos conhecimentos neste campo, e dois membros das forças armadas com uma história relatada de defesa da ditadura militar, o que por sua vez poderia impedir seu trabalho efetivo e imparcial. As mudanças aconteceram uma semana após a Comissão ter documentado o desaparecimento e morte de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira como uma morte violenta causada pelo Estado.

– Em 8 de agosto de 2019, Bolsonaro chamou Carlos Alberto Brilhante Ustra de “herói nacional”. Brilhante Ustra foi o chefe do DOI-CODI de 1970 a 1974. Ele foi o primeiro funcionário público a ser condenado pelos crimes de sequestro e tortura cometidos durante a ditadura do país.

– Em 1º de março de 2020, Bolsonaro afirmou que “a alegação de tortura é um esquema para obter indenizações”.

– Em 31 de março, no aniversário do golpe militar, Bolsonaro afirmou novamente que não havia havido um golpe de Estado no Brasil em 1964 e declarou que este era o “Dia da Liberdade”. No mesmo dia, o Vice-Presidente do Brasil declarou que em 1964 as Forças Armadas “intervieram na política nacional para enfrentar desordem, subversão e corrupção”.

– No dia 4 de maio, Bolsonaro reuniu-se com o Major Curió, tenente-coronel aposentado responsável pela repressão da Guerrilha Araguaia nos anos 70.

– Em 5 de maio, o canal de comunicação institucional da presidência publicou um texto e uma foto do encontro, chamando o Major Curió de herói do Brasil, em contravenção a uma decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos no caso Gomes Lund ordenando ao Brasil que reconhecesse e divulgasse as violações cometidas contra a Guerrilha do Araguaia durante a ditadura militar (1964-1985).

– Em 7 de maio, a Secretaria Especial de Cultura do Brasil declarou em referência ao período da ditadura: “cobrar por coisas que aconteceram nos anos 60, 70 e 80”. Em seguida, ela cantou um jingle do regime militar dizendo: “não foi bom quando cantamos isto? Em resposta à pergunta de uma jornalista sobre tortura, ela respondeu: “Sempre houve tortura” […] “Eu não quero arrastar um cemitério nas costas. Não quero isto para ninguém”. Eu sou leve”.

Além disso, a ONU demonstrou preocupação com o desmonte de setores que lutam pela preservação da memória, busca da verdade e justiça de transição, como a Comissão Nacional da Verdade e a Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Lewandowski nega analisar recurso da Globo contra censura no caso Queiroz

8 comentários

    • A Verdade é Libertadora. Bolsonaro é contra este Estado Ditatorial Caudilhista Absolutista Assassino Esquerdopata Fascista construído a partir de Golpe Civil Militar de 1930, por um Fascista, seu Poder Paralelo Nepotista entre Jango, Tancredo Neves, Brizola e seus capangas, cúmplices assassinos e torturadores como Filinto Muller, Alcino João do Nascimento, Lutero Vargas, Gregório Fortunato, Benjamin Vargas,…’Paus de Arara, Prisões Políticas, Masmorras e Cemitérios Clandestinos’…Todos parceiros de poder do nazista Gaspar Dutra. Não faltaria nesta construção abjeta e ignóbil, o Capanga-Coronel Assis Chateaubriand para calar e CENSURAR a Imprensa Democrática, Libertária, Republicana Paulista e sua Luta a partir das Cátedras da Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Como Fracassados tentaram fracassar uma Nação? Alguns insistem em dizer que são ignorantes a este repeito. Pobre país rico. O Revisionismo Histórico de Párias Lacaios explica a busca pelo fundo da latrina, nestes 90 anos replicados por 4 décadas de farsante Redemocracia. Mas de muito fácil explicação.

  1. o art. 5º, inciso III, da CF dispõe que ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante

    República Bananeira

  2. Como defende abertamente os torturadores, ser governado por Bolsonaro é pior do que ser torturado…
    e pela falta de uma indignação coletiva dos brasileiros, dor muito maior, mil vezes pior do que ser torturado

    • e como a dignidade é algo que se tem ou não tem, não se compra, os brasileiros que o elegeram nunca se mostraram tão indignos da liberdade pela qual muitos e verdadeiros patriotas morreram ou desapareceram de suas famílias para que tivessem

  3. Nassif: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa (repetindo). Em primeiro lugar a ONU está apenas dizendo — vocês escolheram a “fera”, portanto domestique-a. O TenenteJair apenas reflete o pensamento e atos do comando dos VerdeSauvas, do bando “avivado” de catadores de DizímoUngido (e asseclas) e dos PobresDeDireita. São 56 milhões. E se derrotaram mais de 90 milhões outros é porque esses “outros” são meros bonecos de manobra e se cagam de medo das baionetas da ponta das Agulhas. Cada Povo tem o governo que merece. E milicos de Verde, também. Pindorama tem ambos…

  4. Um imbecil foi eleito por um bando de imbecis.
    Resumindo:
    Somando esta lista de crimes da ONU com o alto percentual de responsabilidade deste insano nas mortes e sequelas resultantes da pandemia, o julgamento por genocídio deverá ser rápido.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome