Bolsonaro pode usar pandemia para preservar parte de capital político

Operações policiais e processos contra governadores, todos ligados ao combate ao coronavírus, podem ser usados a favor do presidente

Jornal GGN – As operações policiais e processos políticos em diversos estados, todos relacionados ao setor de saúde e ao combate ao coronavírus, podem ser usadas pelo presidente Jair Bolsonaro para manter parte de seu capital político após a pandemia.

As ações policiais em andamento buscam combater fraudes na compra de respiradores, e em contratos de hospitais de campanha no Rio de Janeiro; além de fraude na aquisição de equipamentos de combate ao vírus no Pará e em Santa Catarina; e superfaturamento na compra de respiradores no Amazonas.

Segundo parlamentares entrevistados pelo jornal Correio Braziliense, é importante que as investigações aconteçam, mas alertam para o uso político da Polícia Federal, e destacam que Bolsonaro estaria mais forte caso tivesse assumido o combate à crise ao invés de brigar com prefeitos e governadores.

Observadores políticos ressaltam que o comportamento negacionista e o aumento de mortes no Brasil poderia causar impacto importante no capital político do presidente. Isso teoricamente anularia parte da manobra de enfraquecimento dos adversários políticos de Bolsonaro, que tenta responsabilizá-los pelos desmandos financeiros ao longo da pandemia.

 

Leia Também
Bolsonaro anuncia teste de Covid-19 negativo e associa cura a cloroquina
Bolsonaro anuncia teste de Covid-19 negativo e associa cura a cloroquina
Com Bolsonaro, PF bate recorde de inquéritos com lei usada na ditadura
ABJD repudia ‘arapongagem’ no governo Bolsonaro contra movimentos antifascistas

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Não descarto o pior cenário para 22 = Bolsonaro, preservando seu terço ou quarto, e Sérgio Moro, apoiado pela mídia e grande capital, disputando o segundo turno. Aí o Bolsonaro vai morrer de rir vendo que a esquerda só vai tirá-lo se eleger o cara que prendeu o Lula. E o boçal-ignaro vai morrer ainda mais de rir se a esquerda elegê-lo indiretamente ao anular o voto.

  2. Nassif: os caras do pico das Agulhas são espertos. Já demonstrara isso com aquela “facada com ketchup”, lembra? Sem contar com o apoio dos criminosos das fakenews, enrustidos no AlvoraKartel, aquele que, agora, não passa de um por-do-sol chechelento e nublado. E quando estiver esfriando a maracutaia do Covid-19 do Messias (já imaginou um “Messias” bichado?), inventarão o Covid-22, tão sombrio e enrustido como esse tal cometa NeoWise (nos céus de Pindorama). A patota levou 130 anos pra assumir publicamento o golpe (agora com ajuda da familia Imperial). Não vão largar o osso assim de boa…

  3. Melhor seria dizer quais as condições pata o governo eleito em 2018, se aproveitar beneficamente da pandemia.
    Afinal todos vão se querer aproveitar.
    Para o PT, o governo eleito em 2018 cometeu o maior erro entre todos na disputa política, ao e recusar a combater a propagação do novo coronavírus.

    Isto coloca o PT em vantagem clara na disputa política, neste quadro o governo eleito precisará eliminar da disputa principalmente os candidatos do centro e da direita, para que a disputa se resuma apenas com o PT.

    Mesmo assim as condições para o governo eleito em 2018, é muito difícil já que certamente será cobrado pelo números de mortos na atual pandemia. principalmente em uma campanha eleitoral.
    Além disso, temos os desdobramentos das eleições americanas e o da depressão econômica que se anuncia,

    As eleições americanas pode provocar um total isolamento do Brasil nas relações internacionais, o que vai provocar um abandono de importante setores dos controladores do capital no apoio ao governo eleito em 2018.

    Quanto mais rápido for controlada a pandemia(medicamento ou vacina), pior para o governo eleito, já que as medidas do neoliberalismo econômico ira aprofundar a depressão econômica, e dificilmente o governo eleito em 2018 sobreviverá até as próximas eleições. E quanto mais tempo demorar para controlar a pandemia(medicamento ou vacina), restará o argumento que a pandemia impediu a recuperação econômica.

    Mesmo assim haverá a necessidade de ampliar as políticas sociais, que atualmente se resume apenas ao Bolsa Família e a ajuda emergencial, o que é um movimento extremamente arriscado, pois pode afastar parcela importante do eleitorado que apoiou em 2018, e terá que disputar um eleitorado que hoje está apoiando o PT.

    Mas o governo eleito em 2018, não tem outra alternativa, em uma campanha eleitoral nestas condições o PT é o grande favorito, qualquer que seja o cenário.

  4. Como já tivemos de tudo no Brasil, depois do golpe em Dilma…
    de minha parte nenhuma surpresa se não houver eleição para presidente e governadores

    ninguém faz o que fizeram com a nossa Constituição para, em seguida, preservar o processo democrático da livre escolha

    Dila e Lula foram vítimas do “automatismo” insano ao qual me refiro e não serão os únicos

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome