Citação a Bolsonaro no jogo da seleção fere legislação brasileira

Pesquisadora ouvida pelo Globo diz que caráter público que deu origem à TV Brasil está sendo dizimado, e o canal se transformando em TV governamental

Peru x Brasil em Lima pela segunda rodada das Eliminatórias da Copa de 2022. Foto: Lucas Figueiredo/CBF (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – A transmissão do jogo entre Brasil e Peru pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, realizada pela TV Brasil nesta terça-feira, feriu a legislação brasileira.

Segundo especialistas consultados pelo jornal O Globo, a partida virou um instrumento para propaganda do governo de Jair Bolsonaro. O direito de transmissão foi adquirido horas antes da partida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que os cedeu à TV Brasil.

Uma dessas especialistas é Bia Barbosa, jornalista e pesquisadora da área de regulação de mídia. Ela explica que os canais públicos de comunicação não estão a serviço do governo e, no jogo da seleção brasileira, ficou muito claro que o caráter público que deu origem à TV Brasil (e que está previsto em lei) está sendo dizimado pelo governo Jair Bolsonaro, transformando-se assim em uma TV governamental.

Bia cita ainda o caso da jogadora de vôlei de praia Carol Solberg que, no mesmo dia, foi punida com advertência ao falar de política em uma partida do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia. Segundo a jornalista, há “violação da ética esportiva para alguns”, mas “mandar abraço ao presidente na TV pública não é uma violação também da ética esportiva.”

“Segundo a lei da EBC (Empresa Brasil de Comunicação) é clara a separação entre a comunicação pública e do governo. Um locutor (André Marques) ficou agradecendo em nome da Secretaria de Comunicação da Presidência da República à CBF e mandando abraço para o presidente. Texto lido, escrito. Uma propaganda governamental, numa televisão cuja lei diz que é pública. O Brasil não tem uma história de constituição de comunicação pública”, ressalta.

Leia também:  Rede Regional de Notícias: uma agência à disposição do Governo Bolsonaro?, por Tânia Giusti

 

 

Leia Também
Bolsonaro x Globo: Jogo que custava R$ 14 milhões saiu de graça para a TV Brasil
A autocrítica da voz mais abalizada do capitalismo, por Luis Nassif

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

    • A Opinião isenta de “O Globo” por este Governo Brasileiro finalmente acabar com o Monopólio Gângster do Futebol praticado por RGT / CBF com as bençãos de 30 anos de CADE Tucano e Petista? A verdade é Libertadora.

    • Pois é… às vezes tenho a impressão de que a turma ainda não acredita que estamos sob ditadura, que há leis em vigor. Vou colocar algumas palavras, aqui, só para lembrar: Onix, Sérgio Camargo, Flávio, Eduardo, Carlos, Michele, Bolsonaro, Queiroz, Moro, Guedes, Dallagnol, Zucolotto, Arns…

      Dessa vez os ditadores estão sendo comedidos no uso das armas de fogo. É que não apenas estamos evitando reunirmo-nos por causa da pandemia como muitos de nós acreditam que ditaduras criadas e mantidas por capitalistas não é lá assim tão ditadura. Mas é ditadura, sim, ditadura do Capital. Tanto que não há leis e há repressão forte, senão pelas armas, pela intimidação econômico-financeira. Vou dizer o óbvio mas… dinheiro pode ser arma, também é poder. Que está sendo muito vilmente empregado por seus detentores contra nós, produtores e usuários.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome