Flávio Bolsonaro admite que suas contas eram pagas por Queiroz

Ministério Público do Rio de Janeiro investiga pagamentos e transações em dinheiro vivo para o custeio das despesas do senador e de sua esposa

Jornal GGN – O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) admitiu em entrevista que seu ex-assessor Fabrício Queiroz era o responsável pelo pagamento de suas contas pessoais, e que os recursos para tal tinham origem lícita, sem ligação com os possíveis desvios que são investigados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ).

Contudo, informações do jornal O Globo indicam que o MP-RJ detectou que o dinheiro usado pelo ex-assessor para a quitação das contas pessoais do filho do presidente Jair Bolsonaro e de sua esposa, Fernanda Antunes, “não proveio das fontes lícitas de renda do casal”.

Foi por conta do cruzamento de dados bancários com imagens das câmeras de segurança de uma agência bancária dentro da Alerj que o MP indicou que Queiroz fez o pagamento das mensalidades escolares das duas filhas do político em espécie, no valor de R$ 6,9 mil, no dia 1º de outubro de 2018 – e Flávio e Fernanda não efetuaram nenhum saque nos 15 meses anteriores a esse pagamento.

O MP do Rio de Janeiro disse ainda que Queiroz pode ter feito até R$ 286,6 mil em pagamentos e transferências para cobrir as despesas de Flávio Bolsonaro e Fernanda, que englobam pagamentos de mensalidades escolares e do plano de saúde da família do então deputado estadual.

 

 

Leia Também
Vazamento impediu Queiroz de trabalhar com Flávio Bolsonaro no Senado
Flávio Bolsonaro confirma reunião com Marinho, mas nega vazamento sobre Furna da Onça
Em depoimento, suplente de Flávio Bolsonaro detalhou vazamento da Furna da Onça
Dinheiro depositado por Queiróz serviu para mulher de Flávio Bolsonaro pagar apartamento
Covid de Jair Bolsonaro abafou depoimento de Flávio no caso Queiroz

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Wassef, ex-advogado de Bolsonaro, é denunciado na Lava Jato

4 comentários

  1. Processo jurídico, não um debate.

    A defesa tem o direito e o dever de apresentar suas teses, mas diferente de um debate, precisa apresentar as provas e os laudos.

    No caso apresentar as provas das operações, com extratos bancários e comprovantes da origem dos recursos, além disso tudo deve estar declarado no imposto de rendo, caso contrário, no mínimo sonegação fiscal,
    De qualquer maneira, a procuradoria tem agora justificativas para a quebra do sigilo bancários e fiscal, para verificar as operações.

  2. Que o miliciano Queiroz pagava as contas de Flavinho Miliciano é verdade inconteste. Agora, essa de que “os recursos para tal tinham origem lícita” só bolsomínion é que acredita.

  3. Eu admito que os ianques pousaram na lua, mas não com a explicação a seguir transcrita:

    “In images from the moon landing, it is possible to see certain objects even though they are in shadow. Skeptics argue that if the sun were the only source of light, this wouldn’t be the case. Therefore, the fact that you can see some objects in shadow must be the result of special Hollywood lighting.

    The problem with this theory is that although the sun is the main source of illumination on the moon, it isn’t the only source of illumination. Another source is the lunar ground, which reflects the sun’s light. In the Apollo 11 pictures, “the sunlight is being scattered or reflected off the ground every which way, and some of it—a small fraction but enough to be able to see—scatters into the shadows,” Fienberg says.

    This is why, in some images, you can make out a plaque that Armstrong and Aldrin left on the moon even though it’s lying in shadow”.

    Ora, a luz não se dispersa no vácuo, e na lua não há atmosfera. Portanto, a dispersão não explica porque objetos mergulhados nas sombras projetadas na superfície da lua são vistos nas fotos da Missão Apolo 11. A reflexão da luz solar, idem, pois o ângulo de incidência é igual ao ângulo de reflexão. Se os objetos mergulhados nas sombras projetadas na superfície da lua fossem divisados por reflexão da luz solar, então o ângulo de incidência não seria igual ao ângulo de reflexão.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome