Frase de Mourão é a mais racista de todas, diz Jânio de Freitas

Em artigo, jornalista diz que considerar a inexistência do racismo no Brasil "é fazer com que a discriminação seja correta e merecida pelos negros"

O jornalista Jânio de Freitas. Foto: Reprodução

Jornal GGN – A mais racista dentre as frases – “no Brasil não existe racismo” – foi proferida recentemente pelo atual general vice-presidente do país, Hamilton Mourão, que um dia foi eleito presidente do Clube Militar justamente como reconhecimento às suas manifestações extremistas.

“Considerar que inexiste racismo no Brasil é dizer que toda a discriminação social sofrida pela negritude, sua desvalorização remuneratória, a maior vitimação nas ações policiais, a proporção maior na pobreza, e tanto mais, compõem um tratamento correto aplicado pelos brancos e merecido pelos negros”, diz o jornalista Jânio de Freitas em sua coluna no jornal Folha de São Paulo, onde ressalta que a sentença do vice-presidente indica que o racismo “seria considerado o humanamente normal e o legalmente adequado para os negros”.

“O Exército que chegou ao governo Bolsonaro era um, outro é o que a opinião pública vê. Bolsonaro, até na volta ao “capitão”, e Exército se entrelaçam. A noção, entre militares, desse dano institucional ficou perceptível em referências à desvinculação entre Exército e governo. Embora sem efeito, que palavras não desfazem esse nó muito cego” diz o articulista.

E o impacto desse cenário na sociedade começa a ser desenhado, como ficou comprovado nas últimas eleições municipais, onde foi possível ver o crescimento do centrão e da direita em alguns segmentos e a retomada promissora da esquerda. “Bolsonaro é o derrotado. O importante, no entanto, é não se tratar só dele, em pessoa (…) Dos candidatos que apresentaram o sobrenome Bolsonaro, só o filho Carlos se elegeu, em devastadora perda de energia do símbolo no eleitorado. Perdas e inseguranças assim são numerosas. E outras serão decorrentes”.

 

Leia Também
Silvio Almeida, o intelectual da era pós-Bolsonaro
G-20: Bolsonaro, mais uma vez, nega racismo e diz que todos os brasileiros são “verde e amarelo”
20 de novembro e governo Bolsonaro – quando vidas negras não importam, por Tania Maria de Oliveira
Mirtes e Miguel em “Falas Negras”, por Urariano Mota
A refundação do Brasil no corredor do Carrefour, por Fábio de Oliveira Ribeiro
Segundo turno das eleições e os riscos de retrocesso

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Sao falas como esta que incentivam barbaridades como o assassinato no Carrefour e ameaças como a proferida por este idiota “classificado” como “esquizofrênico”.
    https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2020/11/22/policia-localiza-suspeito-de-ameacar-de-morte-primeira-vereadora-negra-de-joinville.ghtml

    Sobre a “esquizofrenia” do sujeito — que como suspeita a delegada pode ter alguem por trás — eu deixaria uma nota de 100 pra ver se ele rasgava.

  2. Mostrem uma Nação mais miscigenada na História da Humanidade? Citem 1 exemplo? A Indústria da Censura e do Racismo. Como ter uma ONG de Direitos Humanos, abastecida com muito dinheiro público, sem incentivar a exploração da Indústria do Racismo? Trabalhar?! Isto é para ‘Burguês Capitalista’, os tais Homens e Mulheres de Bem. Pobre país rico. Jânio de Freitas. Homem Branco de meia idade. A voz dos Barões da Imprensa, que no final de uma Era, tenta mudar de lado. Conheço vários. E você Nassif, conhece alguém? Carta também manda lembranças. Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome