Governo Bolsonaro acaba com combate ao desmatamento ilegal

Corte de orçamento leva Ministério do Meio Ambiente a encerrar operações na Amazônia Legal, além de acabar com combate às queimadas no Pantanal

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os conflitos dentro do governo Jair Bolsonaro ganharam mais um capítulo: o fim do combate ao desmatamento ilegal, o que tem prejudicado a imagem do país principalmente no setor do agronegócio, segmento que teve grande influência na eleição presidencial.

Em nota divulgada nesta sexta-feira (28/08), o Ministério do Meio Ambiente anunciou a interrupção de todas as operações de combate ao desmatamento ilegal na Amazônia Legal, bem como todas as operações de combate às queimadas no Pantanal e demais regiões do País. A medida entra em vigor a partir da zero hora da próxima segunda-feira (31/08).

A medida não só compromete o meio ambiente brasileiro, que agora se encontra ameaçado por garimpeiros, madeireiros, grileiros e outros que atuam de forma ilegal nas florestas. O próprio agronegócio é ameaçado, uma vez que o setor vem sendo pressionado pelos investidores internacionais e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina (uma das cotadas para compor a chapa de Bolsonaro nas próximas eleições presidenciais), pela adoção de medidas mais rigorosas para proteção do meio ambiente – o que vem ocorrendo desde o ano passado.

Segundo a pasta comandada por Ricardo Salles, a paralisação se deve ao bloqueio financeiro efetivado pela Secretaria de Orçamento Federal, do Ministério da Economia. Ao todo, foram bloqueados R$ 20,972 milhões em verbas do IBAMA e R$ 39,797 milhões em verbas do ICMBio.

“Segundo informado ao MMA pelo Secretário Esteves Colnago do Ministério da Economia, o bloqueio atual de cerca de R$ 60 milhões de reais para IBAMA e ICMBIO foi decidido pela Secretaria de Governo/SEGOV e pela Casa Civil da Presidência da República e vem a se somar à redução de outros R$ 120 milhões já previstos como corte do orçamento na área de meio ambiente para o exercício de 2021”, diz o comunicado.

As operações que serão afetadas a partir de segunda-feira compreendem, no âmbito do combate às queimadas no IBAMA, a desmobilização de 1.346 brigadistas, 86 caminhonetes, 10 caminhões e 4 helicópteros.

Nas atividades do IBAMA relativas ao combate ao desmatamento ilegal serão desmobilizados 77 fiscais, 48 viaturas e 2 helicópteros. No âmbito do ICMBIO, nas operações de combate ao desmatamento ilegal serão desmobilizados 324 fiscais, além de 459 brigadistas e 10 aeronaves Air Tractor que atuam no combate às queimadas.

 

Leia Também
Ministra da Agricultura cria normas que facilitam burlar licenciamento de agrotóxicos
‘MP da grilagem’ deve alterar mapa de regiões da Amazônia
MP 910: A grilagem de terras é ilimitada e incentiva o desmatamento

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora