Juraram “nova moralidade” enquanto praticavam ilícitos: Estadão detona os Bolsonaro por caso Queiroz

Jornal diz que é inconcebível que Flávio Bolsonaro tente fugir de sua responsabilidade por ilícitos praticados e, agora, admitidos, por Fabrício Queiroz. "Apesar de todas essas juras de uma nova moralidade pública, o caso de Queiroz assemelha-se cada vez mais às práticas da velha política. Assim, não surpreende que os Bolsonaros façam de tudo – rigorosamente de tudo – nas redes sociais para desviar a atenção para outros assuntos", dispara

Jornal GGN – O Estadão publicou neste sábado (9) um artigo criticando duramente o presidente Jair Bolsonaro e, principalmente, seu filho mais velho, Flávio Bolsonaro, que tenta desvencilhar-se do caso do ex-assessor Fabrício Queiroz. Este último já admitiu ter operado um esquema irregular com o salário de outros funcionários do gabinete do ex-deputado do Rio.

“No discurso de posse, Jair Bolsonaro prometeu livrar o País do jugo da corrupção. (…) No entanto, apesar de todas essas juras de uma nova moralidade pública, o caso de Queiroz assemelha-se cada vez mais às práticas da velha política. Assim, não surpreende que os Bolsonaros façam de tudo – rigorosamente de tudo – nas redes sociais para desviar a atenção para outros assuntos”, disparou o Estadão.

O artigo foi centrado na defesa que Queiroz apresentou ao Ministério Público por escrito, para rebater as suspeitas levantadas a partir de investigação do Coaf. Queiroz foi pego movimentando um total de R$ 7 milhões em 3 anos. Só entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, foram R$ 1,2 milhão, sendo que R$ 24 mil foram parar na conta de Michelle Bolsonaro.

O MP suspeita que Queiroz recolhia parte do salário dos outros funcionário para repassar a Flávio Bolsonaro ou em benefício próprio. O ex-motorista costumava receber o dinheiro em sua conta e sacar em espécie logo na sequência, dificultando o rastreio do destino dos recursos.

Para o Estadão, “Queiroz admitiu, portanto, um esquema informal que contraria a própria natureza do salário, que é remuneração personalíssima.”

Para tensionar ainda mais o enredo, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro informou, em nota, que se quissesse, como alegou, ampliar ampliar a rede de colaboradores de Flávio, Queiroz ou o chefe de gabinete poderiam ter recorrido a um procedimento específico que existe na Casa desde 2011.

Leia também:  Embora "balão de ensaio", embaixada para Eduardo Bolsonaro já mobiliza governistas

“É grave o que a defesa de Queiroz afirmou: no gabinete de Flávio Bolsonaro, não se seguia o procedimento previsto pela Assembleia. Parte dos salários dos funcionários era distribuída a uma rede informal de colaboradores.”

O jornal ainda classificou como “mais surpreendente” que “dentro do gabinete de Flávio Bolsonaro havia um esquema de remanejamento de salários para ampliar sua rede de colaboradores, mas ele não sabia de nada.”

“A alegada atuação independente contraria, obviamente, as normas parlamentares. Os deputados são responsáveis por fixar horários de trabalho, fiscalizar frequência e atestar as folhas de ponto. Não é matéria delegável a terceiros. São recursos públicos investidos na atividade parlamentar e não pode ser um assessor quem responda pelo seu uso. O responsável é o próprio parlamentar.”

Leia o artigo completo aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Os administradores das firmas privadas OESP, Globo entre outras não têm o menor problema com depreciar os Bolsonaro agora que seus trabalhos estão completos: a instauração da bagunça, da indecência e da corrupção no Brasil, a destruição de toda ética, decoro, lisura…

    Na verdade os Bolsonaro gostam de serem pintados como truculentos, estúpidos, e grande parte de seus eleitores gostam tanto que eles tenham essa imagem como gostam dessa imagem para si mesmos. Os próprios Moro e Dallagnol não ligam a mínima quando são apontados seus abusos de poder, abusos com os quais os dirigentes da PF e do Judiciário concordam: “Quem manda aqui agora somos nós. Temos cadeias e armas e nada nos impede de usá-los como acharmos melhor.”

    Enquanto isso os operadores do dólar vão se esforçando com seriedade para tornar nosso país numa terra de escravos voluntários…

  2. O “Estadão” iniciou a campanha para que o general Mourão assuma definitivamente a presidência.
    A previsão do general Assis vai se confirmando (Mourão presidente se “algo” acontecer a Bolsonaro).
    Lembrar que o “Estadão” é porta-voz dos banqueiros e grandes empresários paulistas.

  3. Passa esse assunto para o General Heleno, baluarte da moralidade, grande caçador comunista, amigo subalterno da CIA. Assim esses assuntos com corrupçào da família Bolsonaro se tornam irrisório. Salvaguarda-se os interesses americanos. Um patriota.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome