Lula promete criar Ministério para questões indígenas e “dia do revogaço”

No Acampamento Terra Livre, Lula disse que fará o "dia do revogaço" para desfazer as ações de Bolsonaro contra povos tradicionais

Lula participa de evento com movimentos indígenas em Brasília. Ele veste uma camiseta preta e um colar que representa a cultura indígena
Foto: Reprodução/Youtube

O ex-presidente Lula (PT) afirmou no começo da tarde desta terça-feira (12) que pretende criar um Ministério para as causas indígenas, caso seja eleito para um terceiro mandato nas eleições de outubro de 2022. Lula também prometeu realizar o “dia do revogaço”, para derrubar todos os decretos e medidas aprovadas pelo governo de Jair Bolsonaro que desmantelaram as conquistas dos povos tradicionais nos últimos anos.

A declaração de Lula ocorreu durante o evento do Acampamento Terra Livre, em Brasília. O encontro foi coordenador pela Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil). No ato, Lula recebeu uma carta com as demandas dos povos indígenas. O ex-presidente afirmou que todos os pedidos serão incorporados ao programa de governo que sua equipe elabora para disputar a presidência.

Durante os governos do PT, foram criados os ministério da Igualdade Racial, Direitos Humanos e Pesca, lembrou Lula. “Por que a gente não pode criar um ministério para discutir as questões indígenas?”, apontou o ex-presidente, ovacionado pela plateia.

Segundo Lula, a futura pasta será comandada por um indígena, e não por um “branco como eu, ou uma galega como a Gleisi [Hoffmann, presidente nacional do PT]”. “Eles vão dizer: ‘ah, mas [criar um ministério] gasta muito, é preciso diminuir os ministérios’. Na verdade, o que eles não querem é a participação do povo no governo”, disparou Lula.

Outra promessa de Lula foi criar o “dia do revogaço”. “Tudo que foi criado em decreto, criando empecilhos [à sobrevivência e segurança dos povos tradicionais], terá de ser revogado imediatamente”, afirmou. “A gente não pode permitir que aquilo que foi [conquistado a partir] da luta e sacrifício de vocês seja tirado por decreto, por aqueles que querem acabar com nossas florestas e nossas faunas”, acrescentou Lula.

Ainda de acordo com Lula, o mês de janeiro de 2023 seria destinado a ouvir os movimentos sociais sobre as políticas públicas que devem ser prioridade em um eventual terceiro mandato.

Lula também se comprometeu a não criar políticas públicas para a população indígena sem a participação de seus representantes. Ele saiu em defesa das principais demandas do povos tradicionais. A principal delas é a conclusão das demarcações de todas as terras indígenas até o final de 2026.

Assista a partir de 3:04:09:

Leia também:

1 – Em ritmo de pré-campanha, Lula participa de evento do Acampamento Terra Livre. Acompanhe ao vivo

2 – Pré-candidatas indígenas defendem suas causas e mostram força em Brasília

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Gabriel

- 2022-04-12 19:32:31

Deprimentes estas declarações do Lula. Tirando o governo atual (que é hors concours) os governos do PT foram os que pior trataram as questões indígenas e da Amazônia desde a redemocratização. Belo Monte está aí, "legado" do PT. Fora que essa estupidez de acreditar que "criar um ministério" vai resolver o problema de alguém ou alguma coisa que não sejam os próprios simpatizantes do PT, das centrais sindicais e dos partidos aliados do Centrão que estejam em busca de um cargo comissionado na União. Lula tava indo bem porque tava quieto. Começou a falar e nos reaviva memórias dos muitos desastres cometidos na sua gestão ao invés de focar em ganhar. Me ajuda a te ajudar. Gostaria de votar no primeiro turno nesse cara pela primeira vez na vida, mas ele não nos ajuda a ajuda-lo. E o artigo baba ovo postado aqui é digno de pena. Jornalismo é uma outra coisa.

Marcelo.j ou jotapontomarcelo

- 2022-04-12 14:53:03

PRECISAMOS DEEFENDER A DEMOCRACIA BRASILEIRAS DAS MARGENS ABSURDAS DE LUCRO EMPRESARIAIS BEM ACIMA DAS MÉDIAS MUNDIAIS !!!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador